Prazeres / Sabores

Vinhos para viajar pelo verão

No dia em que o navegador Vasco da Gama inicia a primeira viagem marítima da Europa à Índia, abrem-se os horizontes mas para viagens mais curtas e amenas. Um blend exclusivo que comemora bodas de prata no Alentejo e um rosé clássico. Ainda quatro brancos dos Açores, Tejo, Douro e verdes.

Foto: Unsplash
08 de julho de 2022 | Augusto Freitas de Sousa

Plansel 25 Anos 2017

Um quarto de século na Quinta da Plansel em Montemor-o-Novo celebrado por este tinto alentejano com uma edição especial de 1000 garrafas. Produzido a partir das castas de eleição da casa:  Touriga Nacional, Tinta Barroca e Touriga Franca, e ainda as Alicante Bouschet, Aragonez e Trincadeira. Vindima manual noturna e mosto estagiado durante dois anos em barricas de carvalho francês e um ano em garrafa. €99.

Plansel 25 Anos 2017
Plansel 25 Anos 2017 Foto: D.R

Quinta de Ventozelo Rabigato 2021

Uma casta menos comum que reforça a gama de monovarietais e que se junta aos dois brancos da quinta duriense, Malvasia e Viosinho. Com enologia de José Manuel Sousa Soares, este DOC Douro provém de duas parcelas distintas a cerca de 240 metros de altitude que era já utilizada em lotes devido à sua elevada acidez natural. Uvas selecionadas, refrigeradas, desengaçadas e prensadas em ambiente inerte. €12

Quinta de Ventozelo Rabigato 2021
Quinta de Ventozelo Rabigato 2021 Foto: D.R

Quinta da Alorna Verdelho 2021

O novo monocasta DOC Tejo produzido pela quinta em Almeirim que recomenda a harmonização com peixe e marisco, entre outros sabores estivais, mas que também pode ser protagonista num aperitivo ao final de tarde. As uvas foram colhidas no período fresco da manhã, desengaçadas totalmente, esmagadas e prensadas suavemente. A fermentação a 16ºC em cuba de inox. Antes do engarrafamento o vinho é estabilizado e filtrado. €6,49

Quinta da Alorna Verdelho 2021
Quinta da Alorna Verdelho 2021 Foto: D.R

Rola Pipa Branco 2020

Uma novidade da Pico Wines com consultadoria enológica de Bernardo Cabral. Este branco é produzido com as castas Verdelho (30%), Arinto dos Açores (20%) e Terrantez do Pico (50%). A prensagem foi muito suave e as uvas selecionadas das zonas da Candelária, Barca e Lagido de Santa Luzia. Fermentou a 15 graus durante três semanas ficando em borras finas durante 10 meses. €22,50

Rola Pipa Branco 2020
Rola Pipa Branco 2020 Foto: D.R

Aveleda Fonte Rosé 2021

Um rosé típico da região dos vinhos verdes de perfil leve e frutado. Produzido a partir das castas Azal Tinto, Touriga Nacional e Espadeiro, ao estilo provençal, com vindima noturna, elaborado pelo método de prensagem direta, sendo as uvas submetidas a uma prensagem suave, usando apenas o mosto lágrima para fermentar. Fermentação em cubas de inox a temperatura controlada. €4,49

Aveleda Fonte Rosé 2021
Aveleda Fonte Rosé 2021 Foto: D.R

Lima Mayer Rosé 2021

Disponível também no formato Magnum, este vinho é feito a partir da casta Aragonez no Alto Alentejo na Quinta de São Sebastião em Monforte. Com enologia de Rui Reguinga, é submetido a uma ligeira curtimenta com uma fermentação controlada e que resultou numa cor rosada intensa. Este rosé, ícone da casa, regressa agora ao mercado depois da última edição ter esgotado rapidamente. €7,80

Lima Mayer Rosé 2021
Lima Mayer Rosé 2021 Foto: D.R

 

Saiba mais Prazeres, Inspiração, Sabores, Vinhos, Verão
Relacionadas

Vinhos para conquistar Quintilis

Era o quinto mês do calendário romano, mas o nome foi alterado para julho à conta do imperador romano Júlio César que, além das conquistas, consta que também lhe agradava o vinho. Neste território com memórias do império, três brancos do Douro e um do Alentejo, um tinto alentejano sui generis e um rosé de Lisboa de uma casa com fama nos rosados.

Do champanhe ao aperol. Bebidas frescas para aproveitar o verão

É natural que durante os meses de calor se alterem os hábitos da comida e bebida. De férias ou a trabalhar são as bebidas frescas e os pratos leves que ganham a preferência dos consumidores. Champanhe com gelo, “blanc de blancs”, receitas secretas, inovações e tradição. Opções que celebram o verão.

Vinhos para entrar de férias em grande

No mês de férias por excelência as opções passam a ser numerosas e variadas. Um branco do Alentejo e dois do Norte, um deles feito a duas mãos. Um tradicional duriense que mistura sub-regiões e um rosé bio. A terminar um alentejano feito com cuidado.

Gastronomia nacional, vinho verde e Arte Sacra. Bem-vindos à Casa da Calçada

São inúmeras as maravilhas por descobrir no centro histórico de Amarante, de experiências fine dining no Largo do Paço, às mãos do chef Tiago Bonito, à magnífica estada, digna de um rei, num palácio do século XVI, na Casa da Calçada. Sem esquecer, claro, o menu de degustação no restaurante Real, no Porto, criado pelo chef Hugo Rocha.

Vinhos para festejar o maior dia do ano

Quando o Sol atinge a sua posição mais alta no céu, no maior dia do ano, 21 deste mês, também se comemora o dia europeu da música. Razões mais do que suficientes para brindar com dois verdes brancos ou dois tintos do Alentejo e Douro. Ainda no Douro, um branco biológico e um moscatel vegan.

Vinhos para longos dias de calor

Os brancos e rosés continuam a liderar as preferências, sobretudo quando o calor aperta nos meses de Verão. Um verde rosé com castas da região, um alentejano com assinatura artística e outro vegan, e ainda três brancos do Douro para descobrir novos desafios.

Vinhos para enfrentar as temperaturas de verão

Um rosé feito com todo o cuidado em Estremoz com a versatilidade de se pode beber sozinho ou durante a refeição. Os restantes brancos, dos Açores, do Alentejo, do Douro e de Côttes de Provence, são ideais para enfrentar a canícula. A concluir um espumante completamente fora da caixa.

Será este o cocktail mais refrescante do verão?

O bartender Fernão Gonçalves mostra como criar, em casa, uma bebida refrescante para os dias mais quentes. Este cocktail com a soda Why Not Soda é vegan, tem baixa percentagem de álcool e é uma homenagem a Portugal, com um toque cítrico e rico. Aprenda a fazer.

Vinhos para reconfortar a alma

Não há como contrariar a tendência dos brancos durante o calor. Há quem beba os tintos mais frescos e muitos adequam-se, mas desta vez a seleção é apenas de castas brancas. Três “douros” distintos, um premiado do Tejo e um verde que comemora 120 anos. Um conforto para o corpo… e alma.

Vinhos para levar na mala de férias

Num mês tradicionalmente de descanso impõem-se propostas para os tempos mais livres. Em busca da diversidade, um clarete do Bruno Aleixo, uvas tintas que se transformaram num branco e num rosé, no Douro, um branco com mar, um verdadeiro tinto quase esquecido do Dão e dois moscatéis velhos para aficionados do futebol.

Bons vinhos para atualizar a garrafeira em agosto

As vinícolas não podem parar e há quem lance novidades. Um branco e um rosé, ambos reservas, um do Douro e outro do Dão, um espumante de Vinhão dos verdes, um branco que já é quase um clássico e dois vinhos do Porto para fechar em beleza.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para experimentar sem medos (incluindo um com 16,5% de álcool)

O São Martinho já lá vai, mas neste mês ainda se fazem aguardentes e, no vinho, escoam-se os excessos da chuva para não prejudicar as cepas. Dois tintos alentejanos da mesma casta para comparar e um outro clássico da região. A norte, uma produção exclusiva, um branco de excelência e um conhaque com nome e história.