Prazeres / Sabores

Vinhos para longos dias de calor

Os brancos e rosés continuam a liderar as preferências, sobretudo quando o calor aperta nos meses de Verão. Um verde rosé com castas da região, um alentejano com assinatura artística e outro vegan, e ainda três brancos do Douro para descobrir novos desafios.

Foto: Unsplash
18 de julho de 2022 | Augusto Freitas de Sousa

Dama do Monte Branco 2020

A nova marca da Herdade Grande, através das pinturas de António Saiote, homenageia a mulher alentejana que os responsáveis definem como uma nobre força de trabalho que é igualmente génese e âncora da família. Feito com as castas Verdelho, Viosinho e Antão Vaz, este vinho da família Lança estagiou em borras finas e batonnage durante seis meses. €8.90 

Dama do Monte Branco 2020
Dama do Monte Branco 2020 Foto: D.R

Três Bagos Reserva Branco 2021

Com a assinatura da casa Lavradores de Feitoria, a mais recente novidade duriense é um blend típico feito com castas autóctones do Douro: Viosinho, Gouveio e Rabigato. As uvas foram colhidas em várias quintas ao longo das três sub-regiões Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior. Com enologia de Paulo Ruão, o vinho fermentou em inox e em barricas, onde também estagiou durante seis meses. €8,49

Três Bagos Reserva Branco 2021
Três Bagos Reserva Branco 2021 Foto: D.R

Poças Fora da Série Plano B 2021

O mais recente lançamento da casa produtora de Vinho do Porto e Douro, feito a partir de uma mistura das castas Gouveio e Rabigato no Douro Superior. O plano era fazer um vinho monocasta Rabigato, mas decidiram avançar com um plano alternativo, daí o Plano B. A enologia é de André Pimentel Barbosa, que estagiou o vinho em barricas usadas de carvalho francês com 300 litros de capacidade durante 10 meses. €20

Poças Fora da Série Plano B 2021
Poças Fora da Série Plano B 2021 Foto: D.R

Naperão Rosé 2021

Um vinho da Adega Cooperativa de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez da coleção Naperão, DOC Verde, com enologia de José Antas Oliveira. Produzido em solo granítico e arenoso a partir das castas Vinhão (40 %), Borraçal (30 %) e Espadeiro (30 %), de vinhas com uma idade média de 25 anos. O vinho é mantido em cubas de inox para posteriormente ser estabilizado e engarrafado. €2,95

Naperão Rosé 2021
Naperão Rosé 2021 Foto: D.R

Casa Velha Gouveio 2021

A Adega de Favaios apostou na casta Gouveio por a considerar com elevado potencial daquela zona de planalto do Douro. Com enologia de Miguel Ferreira, Celso Pereira e Filipe Carvalho, a fermentação é longa (de 15 a 20 dias) e feita em cubas de inox. O estágio ocorre durante cinco meses também em inox. Deste branco foram produzidas 2000 garrafas. €5,75

Casa Velha Gouveio 2021
Casa Velha Gouveio 2021 Foto: D.R

Mainova Branco 2021

Vinhos vegan de pouca intervenção como de resto acontece com todas as referências da Herdade da Fonte Santa no Vimieiro (Alto Alentejo). Um vinho regional alentejano produzido com as castas Arinto, Verdelho e Antão Vaz e vindimado manualmente durante a noite. Estagiou em inox e 10% em barricas de carvalho francês. A enologia é de António Maçanita e Sandra Sarria. €9,85

Mainova Branco 2021
Mainova Branco 2021 Foto: D.R
Saiba mais Prazeres, Inspiração, Sabores, Vinhos, Verão
Relacionadas

Do champanhe ao aperol. Bebidas frescas para aproveitar o verão

É natural que durante os meses de calor se alterem os hábitos da comida e bebida. De férias ou a trabalhar são as bebidas frescas e os pratos leves que ganham a preferência dos consumidores. Champanhe com gelo, “blanc de blancs”, receitas secretas, inovações e tradição. Opções que celebram o verão.

Será este o cocktail mais refrescante do verão?

O bartender Fernão Gonçalves mostra como criar, em casa, uma bebida refrescante para os dias mais quentes. Este cocktail com a soda Why Not Soda é vegan, tem baixa percentagem de álcool e é uma homenagem a Portugal, com um toque cítrico e rico. Aprenda a fazer.

Vinhos para viajar pelo verão

No dia em que o navegador Vasco da Gama inicia a primeira viagem marítima da Europa à Índia, abrem-se os horizontes mas para viagens mais curtas e amenas. Um blend exclusivo que comemora bodas de prata no Alentejo e um rosé clássico. Ainda quatro brancos dos Açores, Tejo, Douro e verdes.

Vinhos para reconfortar a alma

Não há como contrariar a tendência dos brancos durante o calor. Há quem beba os tintos mais frescos e muitos adequam-se, mas desta vez a seleção é apenas de castas brancas. Três “douros” distintos, um premiado do Tejo e um verde que comemora 120 anos. Um conforto para o corpo… e alma.

Vinhos para entrar de férias em grande

No mês de férias por excelência as opções passam a ser numerosas e variadas. Um branco do Alentejo e dois do Norte, um deles feito a duas mãos. Um tradicional duriense que mistura sub-regiões e um rosé bio. A terminar um alentejano feito com cuidado.

Vinhos para levar na mala de férias

Num mês tradicionalmente de descanso impõem-se propostas para os tempos mais livres. Em busca da diversidade, um clarete do Bruno Aleixo, uvas tintas que se transformaram num branco e num rosé, no Douro, um branco com mar, um verdadeiro tinto quase esquecido do Dão e dois moscatéis velhos para aficionados do futebol.

Vinhos para enfrentar as temperaturas de verão

Um rosé feito com todo o cuidado em Estremoz com a versatilidade de se pode beber sozinho ou durante a refeição. Os restantes brancos, dos Açores, do Alentejo, do Douro e de Côttes de Provence, são ideais para enfrentar a canícula. A concluir um espumante completamente fora da caixa.

Mais Lidas
Sabores Vinhos jovens ou envelhecidos?

Numa altura em que se comemora o Dia Internacional da Juventude, há sugestões de vinhos – onde a idade importa – para novos consumidores e para os mais conhecedores.

Sabores Bons vinhos para atualizar a garrafeira em agosto

As vinícolas não podem parar e há quem lance novidades. Um branco e um rosé, ambos reservas, um do Douro e outro do Dão, um espumante de Vinhão dos verdes, um branco que já é quase um clássico e dois vinhos do Porto para fechar em beleza.