Prazeres / Sabores

Vinhos para conquistar Quintilis

Era o quinto mês do calendário romano, mas o nome foi alterado para julho à conta do imperador romano Júlio César que, além das conquistas, consta que também lhe agradava o vinho. Neste território com memórias do império, três brancos do Douro e um do Alentejo, um tinto alentejano sui generis e um rosé de Lisboa de uma casa com fama nos rosados.

Obra 'A morte de Júlio César', de Vincenzo Camuccini (1771-1844)
Obra 'A morte de Júlio César', de Vincenzo Camuccini (1771-1844) Foto: Getty Images
01 de julho de 2022 | Augusto Freitas de Sousa

Casa Velha Grande Reserva branco 2019

Da região de Favaios, Douro, este vinho, com enologia de Miguel Ferreira, Celso Pereira e Filipe Carvalho, é feito a partir das castas Viosinho, Gouveio e Arinto vindimadas à mão. São submetidas a uma maceração pelicular pré-fermentativa de 72 horas a baixa temperatura. Passou por um processo de clarificação natural e a fermentação alcoólica decorreu em barricas de carvalho francês e também em pequenas cubas de inox. Estagiou 12 meses em cubas de inox. €15

Casa Velha Grande Reserva Branco 2019
Casa Velha Grande Reserva Branco 2019 Foto: D.R

Grafite Branco 2020

Da casa Churchill’s com enologia de John Graham e Ricardo Pinto Nunes, com as castas Rabigato e Viosinho, este vinho do Douro foi produzido a partir de uvas colhidas em propriedades localizadas nas sub-regiões do Cima-Corgo e Douro Superior, no vale do Douro. O nome é uma homenagem à assinatura artística dos enólogos, que a casa garante que se dedicam a produzir estes vinhos da forma mais natural possível. €13,50

Grafite Branco 2020
Grafite Branco 2020 Foto: D.R

Manuel Correia Colheita Branco 2019

Um vinho do Douro de São João da Pesqueira com as variedades Malvasia Fina, Viosinho, Gouveio, Cercial e Moscatel Galego. Na vinificação o desengace foi total, seguido de uma ligeira prensagem. A fermentação ocorreu em cubas de inox com controlo de temperatura. Estagiou seis meses em cubas de inox. €6,50

Manuel Correia Colheita Branco 2019
Manuel Correia Colheita Branco 2019 Foto: D.R

Mainada Baga Tinto 2020

Um monocasta baga feito no Alentejo da empresa Mainova sediada no Vimieiro, Arraiolos. Os novos rótulos são inspirados nos mapas mundiais das telecomunicações e a ideia é incitar a que as pessoas saiam das suas loucuras do dia-a-dia e aproveitem os momentos à mesa. Vinhos com enologia de António Maçanita e Sandra Sarria com vindima manual, noturna e com seleção em mesa. O enchimento da cuba é feito por gravidade e a fermentação espontânea. Estágio em cuba de inox. €22,60

Mainada Baga Tinto 2020
Mainada Baga Tinto 2020 Foto: D.R

3.000 Rosas Rosé 2020

Um rosé que é uma homenagem do Casal de Sta. Maria ao seu fundador Bodo von Bruemmer que plantou três mil rosas nos jardins da quinta. O vinho provém de parcelas exclusivamente dedicadas à produção de rosé desde 2017 e é feito com as castas Touriga Nacional, Pinot Noir e Syrah. Metade fermenta em barricas usadas e novas de carvalho francês e o restante em cuba de inox. Estagia em borras finas cerca de seis meses. €13.50

3.000 Rosas Rosé 2020
3.000 Rosas Rosé 2020 Foto: D.R

Casa Relvas DOC Vidigueira Branco 2021

Num ano com um inverno frio e chuvoso e um verão mais ameno no Alentejo, a maceração na vinha foi lenta. Apesar do vasto historial da casa, este é o seu primeiro DOC Vidigueira. Um branco produzido a partir das variedades Antão Vaz, Arinto e Perrum, entre outras, com vindima manual e desengaço total. A fermentação foi feita a temperaturas controladas em cubas e estagiou três meses sobre as borras. €9

Casa Relvas DOC Vidigueira 2021
Casa Relvas DOC Vidigueira 2021 Foto: D.R
Saiba mais vinhos, julho, Douro, verão
Relacionadas

Vinhos para viajar pelo verão

No dia em que o navegador Vasco da Gama inicia a primeira viagem marítima da Europa à Índia, abrem-se os horizontes mas para viagens mais curtas e amenas. Um blend exclusivo que comemora bodas de prata no Alentejo e um rosé clássico. Ainda quatro brancos dos Açores, Tejo, Douro e verdes.

Vinhos para entrar de férias em grande

No mês de férias por excelência as opções passam a ser numerosas e variadas. Um branco do Alentejo e dois do Norte, um deles feito a duas mãos. Um tradicional duriense que mistura sub-regiões e um rosé bio. A terminar um alentejano feito com cuidado.

Do champanhe ao aperol. Bebidas frescas para aproveitar o verão

É natural que durante os meses de calor se alterem os hábitos da comida e bebida. De férias ou a trabalhar são as bebidas frescas e os pratos leves que ganham a preferência dos consumidores. Champanhe com gelo, “blanc de blancs”, receitas secretas, inovações e tradição. Opções que celebram o verão.

Vinhos para festejar o maior dia do ano

Quando o Sol atinge a sua posição mais alta no céu, no maior dia do ano, 21 deste mês, também se comemora o dia europeu da música. Razões mais do que suficientes para brindar com dois verdes brancos ou dois tintos do Alentejo e Douro. Ainda no Douro, um branco biológico e um moscatel vegan.

Vinhos para reconfortar a alma

Não há como contrariar a tendência dos brancos durante o calor. Há quem beba os tintos mais frescos e muitos adequam-se, mas desta vez a seleção é apenas de castas brancas. Três “douros” distintos, um premiado do Tejo e um verde que comemora 120 anos. Um conforto para o corpo… e alma.

Vinhos para levar na mala de férias

Num mês tradicionalmente de descanso impõem-se propostas para os tempos mais livres. Em busca da diversidade, um clarete do Bruno Aleixo, uvas tintas que se transformaram num branco e num rosé, no Douro, um branco com mar, um verdadeiro tinto quase esquecido do Dão e dois moscatéis velhos para aficionados do futebol.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para experimentar sem medos (incluindo um com 16,5% de álcool)

O São Martinho já lá vai, mas neste mês ainda se fazem aguardentes e, no vinho, escoam-se os excessos da chuva para não prejudicar as cepas. Dois tintos alentejanos da mesma casta para comparar e um outro clássico da região. A norte, uma produção exclusiva, um branco de excelência e um conhaque com nome e história.