Viver

Messi: a história do jogador em números

O argentino chegou esta semana a França para assinar o novo contrato e já se sabe quanto vai ganhar por ano.

 Lionel Messi com Nasser Al Khelaifi, presidente do PSG, e Leonardo depois da conferência do clube.
Lionel Messi com Nasser Al Khelaifi, presidente do PSG, e Leonardo depois da conferência do clube. Foto: @PSG_inside
13 de agosto de 2021 | Ana Damião

Depois de 21 anos no FC Barcelona, Lionel Andrés Messi Cuccittini avança para uma nova jornada, desta vez no Paris Saint-German.

De acordo com a Forbes, o argentino que irá jogar com o número 30 durante as próximas duas épocas contará com um salário anual de 40 milhões de euros, passando a ser o jogadores mais bem pago da equipa francesa.

A escolha do número 30 para a camisola não foi aleatória. No início da sua longa estadia no Barcelona, jogava com o número 30 visto que o 10 pertencia a Ronaldinho. Só depois do brasileiro sair do clube é que o número 10 se tornou a imagem de marca de Leo Messi.

Com uma extensa carreira, estreou-se em jogos oficiais pela equipa argentina com apenas 17 anos. Cinco anos mais tarde, ganhava a primeira das seis Bolas de Ouro e o prémio da FIFA de melhor jogador de futebol do ano.

Tornou-se capitão em 2011, época em que bateu o recorde de mais golos marcados. Durante os anos no FC Barcelona, participou em dez Ligas, oito Super Copas espanholas e quatro Champions. Antes de sair do clube, ganhou ainda a World Cup Sub-20 e a America´s Cup 2021.

Até à chegada de Messi, Neymar era quem mais recebia no PSG, com um salário de 36,8 milhões de euros a entrar na conta bancária todos os anos, seguido de Kylian Mbappé (18 milhões) e de Sergio Ramos, ex-capitão do Real Madrid (15 milhões de euros). No fim da lista encontramos Marquinhos e Mauro Cardi com um salário de 10 milhões por ano e ainda Marco Verrati com 6 milhões.

Se é certo que o jogador será uma mais valia para o Paris Saint German, também o é que o Barcelona ficou a perder.

Segundo um relatório da consultora Brand Finance, o clube pode perder 137 milhões de euros, cerca de 11% do valor estimado da marca. Outros 77 milhões perdidos estarão relacionados com receitas comerciais e 43 milhões com a venda de t-shirts e merchadising.

A nova camisola do craque que tinha sido colocada à venda no início do dia por €115 à unidade, esgotou no espaço de uma hora nas lojas oficiais do PSG.

Saiba mais Leo Messi, FC Barcelona, Paris Saint German, futebol, milionários, ricos, desporto, economia, negócios e finanças, Neymar, Ronaldinho
Relacionadas
Mais Lidas