Viver

Duches de água fria. Benéficos para a saúde ou mito urbano?

É um dos temas tendência na comunidade científica, dado a sua ligação profunda com a saúde, tanto física como mental. E agora que está mais calor, questionamo-nos sobre ele.

Foto: Pexels
13 de julho de 2022 | Ana Filipa Damião

Com as temperaturas a aumentar, não é de estranhar que prefiramos tomar banho com a água mais fria, para não mencionar os benefícios de saúde que são associados à prática em questão. Mas será que conseguimos dar um passo extra, ultrapassar o choque térmico, e começar a tomar duches de água gelada regularmente? Matt Fuchs, jornalista no Washington Post, decidiu aceitar o desafio e, inclusive, comentar a sua experiência, isto porque começou a sentir-se deprimido e sem energia. Afinal, não perdia nada em tentar.

Primeiro que tudo, Fuchs falou com vários especialistas. Segundo David Sinclair, biólogo na Universidade de Harvard, a "imersão fria", ou crioterapia, faz bem à saúde a longo prazo. Os nossos antepassados viveram durante milhares de anos ao ar livre, em climas frios, e por isso o seu metabolismo conseguia adaptar-se a temperaturas desconfortáveis, altas ou baixas. No entanto, o ser humano do século XXI vive com outros luxos, nomeadamente ar condicionado, não recorrendo, assim, à dita capacidade de adaptação.

A hipótese de Sinclair parte de um princípio denominado Hormese, ou seja, a ação estimulante de uma substância que, quando em maior concentração, tem uma ação inibitória ou o efeito benéfico decorrente da exposição a uma quantidade pequena de uma substância tóxica. Simplificando, é colocar em prática o termo "o que não mata, torna-nos mais fortes".

De seguida, Fuchs recorreu aos conhecimentos de Anna Lembke, professora e psiquiatra em Standford, que em vez de prescrever medicamentos aos doentes que sofrem de vícios, recomenda estes duches, pois ajudam a tolerar a abstinência. "O corpo responde à água fria através da regulação de moléculas que nos fazem sentir bem como dopamina, serotonina e norepinefrina". Por fim, falou com o fisiologista Heather Massey, que lhe explicou que embora não existam muitos estudos, trata-se de um tema emergente.

Investigações concluíram que, de facto, há uma ligação entre a exposição ao frio e o aumento de "neurotransmissores do bem-estar". A noradrenalina, por exemplo, ajuda a combater a ansiedade depressão, sendo ainda responsável pelo aumento do nível de glóbulos brancos no organismo, fulcrais para um bom sistema imunitário. Já a dopamina é essencial para nos sentirmos motivados. O choque que sentimos ao entrar na água é a resposta natural do corpo ao súbito arrefecimento da pele, o que faz com que o ritmo da nossa respiração e batimentos cardíacos aumente. Mas à medida que nos expomos mais, estes mecanismos de defesa começam a relaxar", afirma Massey.

Redução do stress, melhoria no descanso à noite, diminuição de dores, recuperação muscular, limpeza de artérias bloqueadas, estimulação da circulação sanguínea, diminuição da pressão arterial e diminuição de tecido adiposo (aquele que estimula o corpo a gerar mais energia para o manter quente e, daí, queima mais calorias) fazem também parte do "pacote" de vantagens

Com a teoria estudada, será que Fuchs passou a ser fã desta prática? As primeiras vezes não foram fáceis, muito menos agradáveis, mas habituou-se gradualmente à temperatura. "À medida que me vestia, senti uma profunda sensação de alívio a espalhar-se pelo meu corpo." Conclusão: se dá jeito, vamos em frente.

Saiba mais Saúde, banho, água fria, experiência, mito, depressão, ansiedade, felicidade
Relacionadas

Truques para disfarçar uma ressaca (que resultam mesmo)

Decididamente não devia ter bebido tanto ontem à noite. Ou feito tanto disparate… Mas agora ninguém precisa realmente de saber o estado lastimável em que se encontra, e para isso basta seguir estes cinco pequenos truques.

Sete praias fluviais para ir a banhos no interior

Quem disse que as férias no campo não podem ser também sinónimo de praia? Em rios, ribeiras ou barragens, são inúmeros os locais onde se pode ir a banhos e porque o fim do verão ainda está longe, aqui ficam algumas sugestões de norte a sul.

Surfar ondas gigantes e águas gélidas é HOT!

A Nazaré, com as ondas de 30 metros e com a água fria no inverno, é um lugar de eleição para quem surfa no limite. Ainda assim, é um paraíso comparada com lugares onde os surfistas estão rodeados de neve, de icebergues e de pinguins.

Mais Lidas
Viver Opinião. Deixem o Ronaldo em paz

A três dias do começo do Mundial do Catar e a uma semana da estreia de Portugal, frente ao Gana, a polémica está novamente instalada: Ronaldo é um ativo tóxico ou o ás de trunfo da Seleção?