Estilo / Moda

Como se produz Moda sustentável em Portugal? A ISTO leva-nos a saber

Desde o ano de 2017 que a ISTO exibe a bandeira da sustentabilidade, que é hoje a sua imagem de marca. Assim, e na lógica da transparência que apregoa, convida clientes e curiosos a passar um dia nas fábricas têxteis do norte de Portugal, para conhecer todos os processos de fabrico. Chamou a esta iniciativa Factourism e nós fomos à primeira edição.

A carregar o vídeo ...
21 de outubro de 2022 | Patrícia Barnabé

O dia ainda não tinha rompido, estava noite cerrada, e nós a caminho do norte do país. Foi a última semana de setembro de um verão tardio, uma madrugada fácil, tanto quanto conseguem ser fáceis as madrugadas, e fizemo-nos à estrada recolhendo também no Porto os que se inscreveram para esta pequena aventura: uma marca de Moda portuguesa que acredita num futuro mais verde para a indústria e quer mostrar como o faz partindo da sua t-shirt. A t-shirt que é a peça mais vendida da marca, feita em algodão Supima, o que lhe confere um nível de conforto superior, mas também uma durabilidade e retenção de cor invulgares. Todos sabemos que essa durabilidade é a chave para a quebra do ciclo de consumo desenfreado onde entrámos desde os anos 90 até sermos obrigados a perceber o que isso tem significado para a destruição do planeta.

ISTO, marca de Moda portuguesa sustentável
ISTO, marca de Moda portuguesa sustentável Foto: FACTOURISM

A malha dos jerseys de algodão da t-shirt da ISTO – que significa independent, superb, transparent e organic - é feita na Ferreirotex, depois é lavada e tingida e amaciada, para um toque mais confortável, na tinturaria Iris e na NGS Malhas, cosida, finalizada e empacotada na Junius Têxteis. Este algodão Supima, que representa menos de 1% do algodão plantado no mundo inteiro, é proveniente dos Estados Unidos da América e o seu fio é importado para Portugal. A maioria do algodão orgânico que cá chega vem da Turquia ou da China, a Ferreirotex diz apostar na proveniência de fornecedores mais confiáveis, "onde haja alguma traçabilidade e não haja falsificação de certificados", diz-nos Paulo, o responsável pela tricotagem, "e há uma parte em nós que tem mesmo de confiar: 80% está garantido, mas ninguém me diz que o algodão seja todo 100% orgânico. Até porque, aqui e agora, não temos como saber o nível logístico e organizativo da maioria das empresas que trabalham o orgânico, e se têm uma rigorosa preocupação ambiental e social. Aqui na Europa e nos países ocidentais há uma maior rigidez em relação a esses parâmetros", acrescenta.

"São milhares de agulhas a produzir esta malha para que ela seja como é, uma mistura de algodão e elastano" muito suave e com um toque luxuoso. Claro que existem máquinas para fazer a malha específica dos colarinhos, ou dos punhos das sweatshirts, "e se for uma t-shirt de dupla face, usamos fios diferentes, para faces diferentes", explica Paulo. Também ficamos a conhecer as malhas de algodão com caxemira, de viscose com elastano, com linho, e as mais grossas, a felpa, precisamente para as mesmas sweats, e outras derivações mais finas ou caneladas para desporto, com qualidades extra de conforto e elasticidade. "No caso da ISTO, eles não querem misturar fibras, por isso as malhas e as máquinas que as fazem são separadas do resto da produção." É curioso perceber como as máquinas mais novas mantêm a mecânica das mais antigas, mas são mais rápidas, resistentes e fazem pontos mais complexos, assim como tecidos com larguras maiores. E existem, naturalmente, as especializadas em malhas mais abertas e em malhas mais fechadas. No fim da linha de produção, uma tela iluminada faz "uma espécie de raio X da malha, para perceber se tem riscos ou buracos", explica o responsável desta pequena fábrica de tricotagem. "Para as lycras há ultravioletas, como é mais "clara" precisa de uma luz especial para detetar defeitos criados por alguma agulha aberta, ou um fio com uma espessura e gramagem diferentes." Por isso, fazem meio rolo de tecido para perceber se está tudo bem, e só depois continuam a sua produção. Para se ter uma ideia, na Ferreirotex produz-se entre 350 e 450 metros de tecido num dia médio de trabalho.

"Uma tela iluminada faz uma espécie de raio X da malha, para perceber se tem riscos ou buracos", explica o responsável desta pequena fábrica de tricotagem." Foto: FACTOURISM

"O camião descarrega aqui a malha", seguimos todos, fábrica fora, atrás de Nuno Cunha e Silva, o CEO da NGS malhas, até onde vamos assistir ao tingimento e acabamento da malha que, sabemos nós, é a fase mais poluente do processo de confeção têxtil. É a que gasta mais água e energia e a que produz os resíduos tóxicos que poluem rios no mundo mais pobre, por isso ficamos particularmente curiosos. "Os rolos são desenrolados aqui e unidos numa só peça, numa espécie de tubo, para entrarem nas máquinas de tingimento e lavagem", diz. É simples e é a primeira vez que vemos dois rapazes em frente a uma máquina de costura. Seguimos para a zona das grandes máquinas, responsáveis por aqueles processos, e empoleiramo-nos para espreitar o grande tambor em centrifugação. Reparamos que elas expelem os "excessos" da lavagem, os excessos do algodão dos tecidos, como pequenos fios e penugens, que depois solidificam numa espécie de espuma, que irá juntar-se aos sacos de restos de corte dos têxteis, e depois será recolhida por empresas de reciclagem para outro destino, como solas para calçado desportivo, por exemplo.

"As máquinas mais novas mantêm a mecânica das mais antigas, mas são mais rápidas, resistentes e fazem pontos mais complexos Foto: FACTOURISM

As malhas são "amaciadas e secadas" e depois voltam a ser "abertas para assegurar a sua estabilidade e que as medidas são as certas, que está tudo controlado para seguirem para a confeção", ou seja, de que a coloração está homogénea e "a gosto", explica Nuno. Observamos enormes máquinas que as estendem, esticam e voltam a enrolar em longos tubos, que são embalados. Neste caso, seguem para a Junius, que vai fazer as t-shirts da ISTO, mas a maioria vai para exportação, para a Europa, em especial França, mas também Estados Unidos. Quando chegamos à sala de corantes, perguntamos pelos mais naturais que já vimos serem utilizados noutras fábricas nacionais, e o jovem CEO diz que esse é o caminho que quer percorrer, mas que a fixação da cor destes novos processos ainda é difícil. Acrescenta que 20% da energia elétrica que a sua fábrica utiliza provém de painéis solares, enquanto atravessamos a sala de amostras, são centenas de pequenos tecidos coloridos pendurados. O grupo desta primeira edição do Factourism desagua numa grande varanda sobre as traseiras onde observamos três pontos de tratamento de águas: as fábricas são obrigadas a devolver ao rio a água que utilizaram, já devidamente limpa.

Depois de almoçar um dos pratos típicos no norte, seguimos para a Junius, que pertence ao grande grupo Valérius Têxteis, dos mais comprometidos com a sustentabilidade, no nosso país. É deles o projeto 360º que faz a separação de todas as matérias-primas e transforma os restos das fábricas nacionais, e não só, em novo fio ou, quando não é possível, em papel de algodão. A Junius foi a primeira fornecedora da ISTO, e é sua a produção da peça propriamente dita, e o seu acabamento antes de chegar às lojas e a nossa casa. Fazem a receção do tecido, testam-no, fazem a modelagem, o corte, a costura, o acondicionamento e a embalagem, que observamos em passo lesto e em fascínio com aquele batalhão de mulheres concentradas nas suas grandes mesas de trabalho e nas suas máquinas de costura que mal respiram. Até a zona onde passam a ferro é bela, um formigueiro colorido e compenetrado sob uma luz dura e branca. Alguns elementos da equipa mostram-nos, cheios de brio, os detalhes do seu trabalho.

Confeção das t-shirts, na Junius Têxteis
Confeção das t-shirts, na Junius Têxteis Foto: FACTOURISM

"É um grande orgulho para nós saber que os nossos clientes apoiam a marca e têm vontade de conhecer mais do que está por detrás dos nossos produtos", escreve-nos Pedro Palha, o sócio mais visível da ISTO entre os seus três fundadores, dias depois. Foi ele quem acompanhou o grupo, ao lado da diretora de marketing Leonor Ferreira Lopes. Queria um feedback dos participantes desta primeira experiência. "Foi um dia de aprendizagem e já estamos a pensar na próxima oportunidade de repetir esta experiência", sobre a qual terão novidades, no seu site, em breve. Ficamos com a sensação de ter ido numa visita de estudo, é uma excelente ideia levar os portugueses a conhecer a sua excelente indústria têxtil, que dá cartas internacionalmente e, acima de tudo, saber exatamente o que vestimos e de onde vem cada peça até chegar ao nosso armário. Um dia, tudo isto será um mantra natural, será mesmo uma exigência de cada um de nós.

Saiba mais Moda, Sustentabilidade, ISTO, Factourism
Relacionadas

Antoine Griezman: "Não sigo tendências, apenas o meu gosto natural"

Em entrevista à Mango Man - e em jeito de celebração por ser o novo rosto da coleção da marca - o futebolista francês revelou quais são as dicas de estilo que segue, a grande paixão que sente pela sua família e o hobby a que não consegue resistir quando tem tempo livre.

Mais Lidas
Moda Testámos os melhores ténis para o inverno

Com o regresso das férias é também tempo de voltar aos treinos e planear da melhor forma a nova época de corrida, quer seja numa vertente mais lúdica ou de competição. Fomos, assim, testar alguns dos modelos mais conhecidos do mercado, porque é pelo calçado que se começa.