Prazeres / Sabores

Vinhos para experimentar sem medos (incluindo um com 16,5% de álcool)

O São Martinho já lá vai, mas neste mês ainda se fazem aguardentes e, no vinho, escoam-se os excessos da chuva para não prejudicar as cepas. Dois tintos alentejanos da mesma casta para comparar e um outro clássico da região. A norte, uma produção exclusiva, um branco de excelência e um conhaque com nome e história.

Foto: Unsplash
18 de novembro de 2022 | Augusto Freitas de Sousa

Quinta Nova Vinha Centenária Ref P28/P21 – 2019

Da família Amorim com enologia de Jorge Alves e Sónia Pereira, este tinto é feito com a casta Tinta Roriz (75%) e vinha centenária (25%). Os responsáveis referem que há sempre um olhar especial sobre uma pequena e antiga parcela de Tinta Roriz. As referências no rótulo são à 1ª parcela de plantação monovarietal Tinta Roriz no Douro (P28) e à vinha centenária (P21). Estagiou 12 meses em carvalho francês. €90

Quinta Nova Vinha Centenária Ref P28/P21 – 2019
Quinta Nova Vinha Centenária Ref P28/P21 – 2019

Casa Relvas Vinha de São Miguel - Alicante Bouschet 2021

Um tinto feito a partir da casta Alicante Bouschet com uvas provenientes da vinha de São Miguel, no Redondo, plantada em 2003 junto à barragem da herdade. A vindima foi mecânica feita durante a noite, o desengaço total e a maceração pré-fermentativa a frio durante 48h. Fermentação em cubas de inox e estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês. €14

Casa Relvas Vinha de São Miguel - Alicante Bouschet 2021
Casa Relvas Vinha de São Miguel - Alicante Bouschet 2021

Herdade Grande Alicante Bouschet 2020

Um monocasta Alicante Bouschet que a casa assume ter-se deixado dominar, uma vez que o vinho alcançou 16,5% de álcool. O enólogo Diogo Lopes diz que o ano foi perfeito para a casta que foi vindimada manualmente com seleção em mesa de escolha. As uvas foram desengaçadas e a fermentação feita em lagares de inox de pequenas dimensões. Estagiou em barricas de carvalho francês durante 12 meses. €27

Herdade Grande Alicante Bouschet 2020
Herdade Grande Alicante Bouschet 2020

Quinta do Monte d’Oiro Reserva Tinto 2017

Um vinho que a casa habituou o mercado a conhecer pela sua aposta na casta Syrah. Do produtor José Bento dos Santos e do filho Francisco, este reserva tem apenas uma mistura de 10% da casta Viognier. Com enologia de Graça Gonçalves e apoio técnico de Grégory Viennois, estas uvas provém de parcelas distintas de Syrah, fermentadas em inox com maceração prolongada. Estagiou de 18 a 20 meses em barricas de carvalho francês. €35

Quinta do Monte d’Oiro Reserva Tinto 2017
Quinta do Monte d’Oiro Reserva Tinto 2017

Taboadella Grande Villae 2020

Da quinta em Silvã de Cima, Sátão, esta é uma produção de cerca de 4500 garrafas, um branco do Dão que reúne as castas Encruzado, Bical e vinhas velhas. Um clássico que expressa o terroir com enologia de Jorge Alves e Rodrigo Costa. A vindima foi manual e o estágio de nove meses em barrica nova de carvalho francês de 500 litros. €38

Taboadella Grande Villae 2020
Taboadella Grande Villae 2020

Hennessy XO

Um conhaque que os responsáveis consideram ter um estilo ousado e colorido e que mistura motivos tradicionais com uma estética moderna. Apesar das novidades, esta aguardente de vinho originária da região de Cognac surge em 1870. Nesse ano foi feito um conhaque especial para a família e amigos, usando uma aguardente antiga a que chamaram XO ("Extra Old"). €275

Hennessy XO
Hennessy XO

 

Saiba mais Vinhos, Aguardente, Alentejano, Vinho branco, Conhaque, Hennessy
Relacionadas

Vinhos para preparar o final do outono

Num período em que as vinhas ganham cores antes de perderem as folhas, um abafado para aquecer a alma e o corpo, dois tintos a norte e um clássico a sul, uma parceria franco-portuguesa e um vinho “do outro mundo”.

Vinhos para surpreender (e alguns com potencial de guarda)

Na última semana do mês, o lançamento de um vinho do Dão que faz corar de vergonha os “reserva” que vão saindo todos os anos. Um transmontano com um posicionamento acima do comum, dois brancos do Alentejo e Douro, um tinto de Mértola e um espumante dos verdes.

Vinhos para antecipar os dias frios

A cerca de um mês para o início do Inverno, com as vinhas a descansar, começa-se a preparar o tempo que pede brindes caseiros. Um tinto de parcela do Douro e, da mesma região, um monocasta. Um branco topo de gama do Oeste e dois tintos de Alenquer e de Pias. Um espumante de Bucelas fecha o ciclo.

Vinhos para contrariar o mau tempo e descontrair

Aproxima-se o tempo mais frio e as chuvas, que nesta altura são tudo menos “mau tempo”. Dois espumantes a Norte e a Sul, dois tintos com as mesmas latitudes, um Moscatel premiado e um branco com assinatura Reynolds.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para antecipar os dias frios

A cerca de um mês para o início do Inverno, com as vinhas a descansar, começa-se a preparar o tempo que pede brindes caseiros. Um tinto de parcela do Douro e, da mesma região, um monocasta. Um branco topo de gama do Oeste e dois tintos de Alenquer e de Pias. Um espumante de Bucelas fecha o ciclo.