Prazeres / Sabores

O génio do Alentejo numa garrafa

É entre o alto e o baixo Alentejo, mas temperado pela brisa amena do Atlântico, que nasce o Garrafeira branco 2019, na Herdade Aldeia de Cima, um produtor surpreendente…

Adega onde a marca armazena o vinho
Adega onde a marca armazena o vinho Foto: Inês D´Orey
31 de julho de 2021 | Bruno Lobo

Chamaram-lhe Garrafeira, apesar de vir numa simples garrafa. Será por ser tão bom que vale por muitas?

Na verdade, o termo começou informalmente, para designar os vinhos mais especiais, tão bons que mereciam ser guardados "na garrafeira". Com o tempo acabou por ganhar um cunho legal, e hoje as Comissões Vitivinícolas Regionais (CVR) apenas permitem essa menção nos vinhos que apresentem "características organolépticas destacadas" e tenham, no caso dos tintos, um envelhecimento mínimo de 30 meses, 12 dos quais, pelo menos, em garrafa de vidro, e 12 meses nos brancos, 6 dos quais, pelo menos, em garrafa de vidro.

Mas não ficamos aqui ¬ ou seria fácil para qualquer produtor deixar um dos seus vinhos estagiar e poder usar essa designação. O processo é mais complexo e obriga, desde logo, a utilizar um lote especial, "com a classificação pelo menos de Grande Reserva", como nos contou Luisa Amorim, responsável pela Herdade da Aldeia de Cima, projeto que lançou com o marido, Francisco Rêgo, depois de 20 anos de experiência na gestão da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, no Douro, e mais recentemente da Taboadella, no Dão, propriedades da família Amorim. Luísa refere-se às "características organolépticas destacadas" de que fala a legislação, mas nem assim o processo de certificação fica completo, porque após o estágio uma câmara de provadores da CVR volta a avaliar o resultado, e só então emite um parecer. "É um risco muito grande para o produtor", afirma, "que só assume quem está muito confiante no resultado".

Balseiros onde a marca HAC amadurece os vinhos
Balseiros onde a marca HAC amadurece os vinhos Foto: Inês D´Orey

Na Aldeia de Cima tinham razões para isso. Apesar de ser um projeto recente, a equipa tem uma vasta experiência no terreno e conhecia bem a qualidade das uvas e das castas escolhidas. "A Antão Vaz é uma casta que identifica muito bem a Vidigueira", explica Jorge Alves, o enólogo que também lidera os projetos no Douro e no Dão, e que aqui é secundado por António Cavalheiro. A Antão Vaz "é uma casta ancestral da região, e está ultra adaptada ao terroir". Tem a maior presença no lote, contando para 70% do vinho. Segue-se o Arinto, com 25%, que não só acrescenta alguma acidez refrescante à maior exuberância de aromas da Antão Vaz, como geralmente produz vinhos que envelhecem bem em garrafa ¬ uma característica importante num Garrafeira. Por fim, temos um pequeno toque ¬ ainda mais mineral ¬ de Alvarinho, sendo que "Antão Vaz e Arinto fermentaram juntos em balseiros de 3000 litros, o que lhe conferiu uma grande singularidade", acrescenta ainda o enólogo.

Esta utilização de balseiros promete vir a tornar-se numa marca de assinatura da HAC, que fez um grande investimento neste género de barricas gigantes de carvalho francês. O tamanho permite uma integração mais subtil da madeira, uma evidência que Jorge Alves enumera: "numa barrica de 500 litros temos cerca de 300 cm2 de madeira por litro, mas num balseiro de 3000 litros essa presença não chega a 40 cm2." E tem outro benefício, pois assim os vinhos estão mais protegidos do oxigénio, a micro oxigenação é mais lenta, "e é isso que vai fazer com que envelheçam tão bem em garrafa."

A colheira de 2019 estagiou nove meses nestes balseiros, antes de ser engarrafada em junho de 20. Passou mais 12 meses de estágio em garrafa, "12 luas completas" brinca o enólogo, e chegou ao mercado em junho. Ambos, Jorge Alves e António Cavalheiro, gostam de classificar o seu trabalho como "enologia de contemplação", no sentido em que interferiram muito pouco, dando a maior amplitude para que estes solos e castas revelassem o seu carácter exclusivo. E, ao mesmo tempo, deixando evidenciar o equilíbrio mais natural que estes grandes balseiros conseguem proporcionar. Mas um vinho assim também não nasce do acaso, e para além da contemplação houve aqui um trabalho minucioso de relojoeiro, afinando com precisão os elementos, porque o génio do Alentejo está mesmo aqui, guardado em cada garrafa.

HAC Garrafeira branco 2019
HAC Garrafeira branco 2019 Foto: D.R

Foram produzidas 5820 garrafas de 75cl, com um PVP de 42 euros, e 115 magnum, com um PVP de 82 euros.

Reserva Branco 2019
Reserva Branco 2019 Foto: D.R

Para além do Garrafeira, a HAC lançou também um Reserva do mesmo ano, e com as mesmas castas ¬ ainda que não nas mesmas proporções: Antão Vaz 45%, Arinto 45% e Alvarinho 10%. Desta vez foram Arinto e Alvarinho quem estagiou junto, e o Antão Vaz por si, todos em barricas tradicionais de 500l. A assemblage ocorreu cerca de um mês mais tarde, e o resultado está muito redondo e harmonioso.  Um vinho que só não tem mais destaque por culpa do Garrafeira. PVP 15,20 euros.

Saiba mais Alentejo, Garrafeira, Herdade da Aldeia de Cima, Douro, vinicultura, CVR, HAC, Alentejo
Relacionadas

Mercado de vinhos: as escolhas da semana

O verão é muitas vezes aproveitado pelas casas de vinho para lançar novos produtos no mercado. Vinhos de vários tipos e qualidade, para bolsas distintas e momentos diferentes. Fica uma seleção com alguma informação fornecida pelos próprios produtores.

Mais Lidas
Sabores As carnes mais nobres chegaram a Cascais

Inaugurado este verão, o restaurante Latina Grill apresenta uma seleção ímpar de carnes maturadas e de corte premium. O chef André Sá Correia é o líder desta proposta gastronómica que se destaca por mais razões do que apenas um bom naco.

Sabores 6 vinhos para desfrutar num primeiro encontro

Vinhos lançados recentemente por casas conhecidas e outras nem tanto. Portugal continua a produzir o néctar dos Deuses com qualidade em todas as regiões demarcadas, e com ofertas para todos os gostos e carteiras. A começar por um espumante, tal como os restantes, com informações dos produtores e enólogos.

Sabores “Boas uvas são a chave para um bom vinho”

Nascido na Noruega, Ole Martin Siem admite ser metade português, albergando uma enorme paixão pelas pessoas, gastronomia e clima do nosso país. Em entrevista, o fundador da marca 'Vicentino' contou à Must o processo que o levou até ao vinho e a razão de escolher Portugal para plantar a sua vinha.