Prazeres / Sabores

Vinhos para começar 2023 em grande

Algumas propostas para um começo de ano mais reconfortante: dois tintos do Alto Alentejo e dois monocasta ainda alentejanos, um tinto biológico do Douro e, a fechar, um branco do Tejo.

Foto: Freepik
06 de janeiro de 2023 | Augusto Freitas de Sousa

Julian Reynolds Grande Reserva 2014

Um tinto do Alto Alentejo proveniente da Herdade da Figueira de Cima, a uma altitude de 400 metros e influência climática da Serra de São Mamede. O enólogo Nelson Martins selecionou 80% de Alicante Bouschet, 10% de Syrah e 10% de Cabernet Sauvignon. Cada variedade é recolhida em separado e a fermentação ocorre por castas. Estágio em tonéis de carvalho francês Séguin Moreau durante 18 meses. €32

Julian Reynolds Grande Reserva 2014.
Julian Reynolds Grande Reserva 2014. Foto: D.R

Mainova Tinto 2020

Um tinto feito a partir das castas Alicante Bouschet, Touriga Nacional e Baga da Herdade da Fonte Santa na zona do Alto Alentejo. A vindima foi manual, noturna, para caixas de 20 quilos. Na adega, as uvas passaram pela mesa de escolha antes de fermentar espontaneamente em cubas. Estagiou oito meses em barricas de carvalho francês usadas. Houve pouca intervenção em todo o processo e baixo sulfuroso. €12,50

Mainova Tinto 2020.
Mainova Tinto 2020. Foto: D.R

São Luiz Biológico Colheita Tinto 2021

O primeiro vinho biológico da Sogevinus Fine Wines. Com 35% de Touriga Nacional, 35% de Touriga Franca e 30% da casta Tinta Roriz, este tinto com enologia de Ricardo Macedo provém de uvas de produção biológica certificada no Douro. Houve desengace total e esmagamento das uvas e a fermentação alcoólica decorreu em cubas de inox durante 12 dias. Maceração pelicular por mais cinco dias. Parte do envelhecimento decorreu em barricas de carvalho francês de 300 litros. €9,99

São Luiz Biológico Colheita Tinto 2021.
São Luiz Biológico Colheita Tinto 2021. Foto: D.R

Marquesa de Alorna Grande Reserva Branco 2019

Com enologia de Martta Reis Simões, este DOC Tejo resulta da seleção das melhores castas em cada ano. Seis castas divididas entre a Charneca (sob regime de produção integrada) e a zona de transição entre a Lezíria e a Charneca (parcelas mais jovens). As uvas foram colhidas manualmente e a fermentação em barricas novas de carvalho francês de 225 e 300 litros, permanecendo sobre as borras finas durante 10 meses com batonnage. Após o engarrafamento, o vinho estagia em garrafa por um período mínimo de um ano. €29,99

Marquesa de Alorna Grande Reserva Branco 2019.
Marquesa de Alorna Grande Reserva Branco 2019. Foto: D.R

Casa Relvas Vinha da Mina Touriga Franca 2021

Um tinto monovarietal produzido a partir de uvas da Vinha da Mina, tal como o Aragonez da casa, com uma produção de 13 mil garrafas. Os responsáveis referem que, em 2002, a Casa Relvas foi pioneira na plantação da casta Touriga Franca no Alentejo. A vindima ocorreu mecanicamente durante a noite e as uvas foram totalmente desengaçadas. Maceração pré-fermentativa a frio e pós-fermentativa durante 5 a 10 dias em cuba de inox. Este tinto estagiou 12 meses em tonel. €14

Casa Relvas Vinha da Mina Touriga Franca 2021.
Casa Relvas Vinha da Mina Touriga Franca 2021. Foto: D.R

Herdade da Lisboa Cabernet Sauvignon 2020 

Um tinto que faz parte da coleção de três monocasta lançada pela Família Cardoso com o Alvarinho, Baga e este tinto da variedade Cabernet Sauvignon, todos criados nos últimos dois anos pela equipa de enologia e viticultura. A fermentação alcoólica é feita nos lagares de inox, com pisa mecânica e, após a prensagem, o vinho é trasfegado para estagiar por mais 12 meses em barricas novas de carvalho francês de 300 e 500 litros. Caixa com duas garrafas: €65

Herdade da Lisboa Cabernet Sauvignon 2020.
Herdade da Lisboa Cabernet Sauvignon 2020. Foto: D.R
Saiba mais Vinhos, 2023, entrepares
Relacionadas

6 vinhos para brindar a 2023

Espera-se que o novo ano traga boas notícias para as vinhas de Norte a Sul de Portugal. Dois tintos blend a Norte e a Sul, um branco com madeira, um blanc de noir alentejano e um monocasta da mesma região. O brinde ao novo ano pode ser com um moscatel com 70 anos de vida.

6 vinhos para aquecer a alma

Num mês que se prevê rigoroso, os trabalhos no campo nunca param. É a altura da poda, uma das operações mais delicadas e importantes para o crescimento das uvas. Só para quem sabe. Quatro tintos do Alentejo, Lisboa e Douro, um branco alentejano da Madeira e um duriense feito de tradição e terroir.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para beber no mês mais curto do ano

Foi uma imposição do imperador romano César Augusto que um dos dias de fevereiro passasse para agosto porque antes o mês tinha 29 dias (30 nos anos bissextos). Enfim, é empo suficiente para provar três tintos do Douro, Dão e Alentejo, um champanhe clássico, um Porto de Favaios e um branco de Monção e Melgaço.