Prazeres / Sabores

Vinhos para celebrar as vindimas

Num mês em que tradicionalmente acontecem as vindimas – há regiões que as fazem mais cedo e outras mais tarde –, vinhos que evocam uma das atividades mais antigas na agricultura. Dois tintos do Tejo e Douro, três brancos a Sul e a Norte e um açoriano com pontuações únicas.

Foto: Pexels
09 de setembro de 2022 | Augusto Freitas de Sousa

Vinha dos Ultras – 1ºs - Jeirões 2020

Um Arinto dos Açores (com mais de 95%), field blend, numa produção de 867 garrafas. A enologia é de António Maçanita e as uvas provenientes de uma vinha com 60 a 80 anos a 80 metros do mar, onde domina o Arinto dos Açores, mas existem também Verdelho, Boal e Alicante branco. Vindimado à mão, vinificado em inox e em barricas de carvalho francês durante 12 meses. A revista Wine Advocate atribuiu 96 Pontos Parker, a maior nota alguma vez atribuída a um branco português. €295

Vinha dos Ultras – 1ºs - Jeirões 2020
Vinha dos Ultras – 1ºs - Jeirões 2020 Foto: D.R

Cabeça de Toiro Reserva Nature 2018

Um tinto de homenagem à Natureza, da Quinta de S. João Batista, inserida na Reserva Natural do Paul do Boquilobo (por cada garrafa vendida serão doados 0€,50), feito pelo enólogo Nuno Faria a partir das castas Syrah e Touriga Nacional. Um vinho DOC Tejo a pensar no ambiente com a ausência de cápsula e o rótulo constituído por fibras de algodão recicladas. €9,99

Cabeça de Toiro Reserva Nature 2018
Cabeça de Toiro Reserva Nature 2018 Foto: D.R

Gorro Alvarinho 2021

Um vinho branco monovarietal da Portugal Boutique Winery da sub-região Monção e Melgaço proveniente de vinhas de solo granítico influenciado pela Serra D’Arga. Vindima manual em caixas de 20 quilos com desengace total, esmagamento, seguida de prensagem. Estágio em inox sobre as borras finas durante cinco meses. Os responsáveis referem que se pretendeu mostrar o perfil tradicional da casta. €14

Gorro Alvarinho 2021
Gorro Alvarinho 2021 Foto: D.R

Casa da Atela Fernão Pires 2021 

De uma vinha com cerca de 20 anos de idade, instalada em solos arenosos de charneca, pobres e bem drenados em Alpiarça, este branco monocasta com enologia de António Ventura fermentou cerca de 65% em pequena cuba de inox e os restantes 35% em barricas de 500 litros usadas. A casta é das mais expressivas e emblemáticas dos vinhos do Tejo. Teve batonage durante 130 dias. €12,75

Casa da Atela Fernão Pires 2021
Casa da Atela Fernão Pires 2021 Foto: D.R

Rafeiro Branco 2021

Feito na Herdade Monte Branco a partir das castas Arinto e Antão Vaz com enologia de António Ventura e José Figueiredo. Os vinhos confirmam, segundo a casa, a dedicação dos seus criadores e refletem o amor à vinha e à herdade com mais de 200 anos de tradição vinícola. A herdade do Oeste beneficia da influência com variações de temperatura e humidade entre o dia e a noite que determinam a maturação das suas uvas. €6,50

Rafeiro Branco 2021
Rafeiro Branco 2021 Foto: D.R

Restrito Tinto Grande Escolha 2017

Da região do Douro Superior, um DOC com enologia de Carlos Magalhães, feito a partir das variedades Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz. Com uma produção de 2000 garrafas, a vinificação foi feita com desengace, fermentação alcoólica em lagares de granito, com sucessivas pisas a pé a temperatura controlada. Envelhecido em barricas novas de carvalho francês durante 18 meses. €21

Restrito Tinto Grande Escolha 2017
Restrito Tinto Grande Escolha 2017 Foto: D.R
Saiba mais Vinhos, Vindimas, Enoturismo
Relacionadas

João Vicêncio e Nuno Faria. Quem são os enólogos do ano?

Os "Prémios Vinhos do Tejo", atribuídos todos os anos pela Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo), premiaram recentemente empresas e personalidades que se destacaram na região em várias áreas. Entre elas, os enólogos do ano, atribuído à dupla Nuno Faria e João Vicêncio da Enoport Wines. Não tinham ligações às vinhas e ao vinho, mas a relação com o setor mudou tudo.

Vinhos para beber com serenidade

A chuva ainda não se manteve neste mês, mas já assustou algumas vindimas que ainda se fazem pelo país fora. Dois monovarietais brancos do Sul e do Norte e um ‘blend’ duriense, um tinto de vinhas velhas transmontanas e dois mais jovens do Alentejo e Douro compõem a lista de sugestões desta semana.

Vinhos para festejar o equinócio

Neste dia de renovação nada melhor que fazer um brinde à saúde e fraternidade. Dois tintos que prometem surpreender, dois brancos monovarietais e dois rosés com um oceano entre os seus terroirs.

Vinhos que cheiram a outono

Num mês em que se inicia o outono no Hemisfério Norte e a primavera no Hemisfério Sul, vinhos que começam a antecipar a nova estação.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para brindar ao outono dos €6 aos €900

A um dia de entrar em outubro, faz sentido celebrar o mês onde grande parte dos vinhos já foram vinificados com um espumante, neste caso, um blend rosé. Da mesma região demarcada dos verdes, um tinto, dois alentejanos e um do Tejo, também tintos, e uma edição rara de vinho do Porto velho.

Sabores Um chef Michelin em Porto Covo

Joachim Koerper, chef do restaurante Eleven, está também agora no restaurante Alma Nómada e no bar de praia A.MAR, ambos na vila pitoresca a sul. Conheça os petiscos que por lá se podem comer, entre alguns clássicos e novas criações.

Sabores Vinhos para beber com serenidade

A chuva ainda não se manteve neste mês, mas já assustou algumas vindimas que ainda se fazem pelo país fora. Dois monovarietais brancos do Sul e do Norte e um ‘blend’ duriense, um tinto de vinhas velhas transmontanas e dois mais jovens do Alentejo e Douro compõem a lista de sugestões desta semana.