Prazeres / Sabores

Natal à vista. Vinhos especiais, para ocasiões especiais

Não é muito fácil escolher o vinho certo, especialmente nesta altura do ano e com tantas festas, a menos que opte por uma destas propostas que aqui trazemos, à prova do mais exigente dos convidados.

13 de dezembro de 2022 | Bruno Lobo

Os lugares de Ventozelo

A Quinta de Ventozelo lançou recentemente este Loci, tinto de 2020. Nome que em latim significa lugares, pois é disso mesmo que estamos a falar, de um vinho que exprime bem a complexidade e a variedade dos muitos terroirs desta enorme quinta no Douro. Para o conseguir foram buscar Tinta Amarela plantada na vinha duriense, Tinta Roriz à vinhas Dona Zefa, Sousão, às vinhas da Carvalha e do Vale da Mina, Tinto Cão à vinha Colmeal, e Touriga Nacional às vinhas da Serra. Cinco castas, de seis parcelas, para criar um vinho naturalmente complexo e aveludado, com taninos bem redondos, boa acidez e um final muito elegante e prolongado. Talvez não seja um best of de Ventozelo – esse papel ficará para o Essência – mas anda lá perto. Preço: 25 euros.

A Quinta de Ventozelo lançou recentemente este Loci, tinto de 2020
A Quinta de Ventozelo lançou recentemente este Loci, tinto de 2020

O (re)nascer de um Alentejo diferente

Luísa Amorim gere os negócios vínicos da família no Douro e no Dão, mas aqui na Herdade da Aldeia de Cima, na Serra do Mendro, na fronteira entre o alto e o baixo Alentejo criou um projeto muito pessoal, onde procura sublimar tradições seculares e defender a sustentabilidade. Uma herdade boutique, como tão bem se percebe pela adega, pequena e superiormente equipada para criar vinhos de topo como os dois Garrafeira lançados este ano, um Garrafeira Tinto 2019 e Garrafeira branco 2020. Duas representações muito especiais, intemporais e clássicas, com um tinto robusto, e ao mesmo tempo muito sofisticado, mais um branco que descrevíamos acima de tudo como harmonioso. Para ostentar esta classificação de Garrafeira, a CVRA obriga a que os vinhos tenham de estagiar pelo menos 30 meses, 12 dos quais em garrafa, no caso dos tintos, e 12 meses, seis do quais em garrafa, no caso dos brancos, e mesmo assim depois ainda tem de aprovar essa qualidade superior. É um investimento, mas que compensou, e de que maneira. Preço: 42 euros o branco, 90 euros o tinto.

A Herdade da Aldeia de Cima, na Serra do Mendro, lançou o Garrafeira branco 2020 e Garrafeira tinto 2019.
A Herdade da Aldeia de Cima, na Serra do Mendro, lançou o Garrafeira branco 2020 e Garrafeira tinto 2019. Foto: DR

Três foi a conta que as Servas fez

Encontrar um Petit Verdot, alentejano, de vinhas velhas, causa admiração. Mas é o que temos aqui, tendo a equipa da Herdade das Servas conseguido a proeza enxertando a casta numa antiga vinha que, de outro modo, acabaria por ser arrancada, porque "nem todas as vinhas velhas merecem ser preservadas," como nos explica Luis Serrano Mira. Foi um processo complicado, mas assim acrescentamos harmonia e complexidade a este Verdot que de Petit só tem o nome. E não chega a solo, pois vem muito bem acompanhado por outros dois monocastas, um Touriga Nacional muito frutado, volumoso e rico, e um Alicante Bouschet de taninos bem integrados, complexo, estruturado. São os três de 2017, e podem ser comprados por separado ou na trilogia. Será o nosso conselho, pelo menos para a primeira vez. Depois logo compram o(s) que mais gostar. Preço: 17,50 euros cada.

Os monocastas da Herdade das Servas
Os monocastas da Herdade das Servas Foto: DR

A Dona Matilde tem Calços Largos

Com os Calços Largos 2020, a Dona Matilde cometeu aquilo que muitos consideram uma heresia, mas que para outros é uma novidade bem-vinda: um vinhas velhas sem estágio em madeira. Tipicamente usa-se a madeira para descansar o vinho, amaciar taninos e conferir algumas notas características, como baunilhas ou caramelos, mas ao dispensar este passo a equipa de enologia conseguiu um vinho muito mais próximo da vinha. Era o pretendido, porque estamos a falar de uma vinha incrível, com quase 80 anos e mais de 30 castas a comporem o Field Blend. O Calços Largos estagiou assim 18 meses em cubas de inox, e revela uma exuberância aromática incrível, enchendo depois a boca com surpreendente elegância. A família Barros será a primeira a fazer um vinhas velhas sem estágio em madeira, no Douro, mas a julgar pelo resultado não serão os únicos por muito mais tempo. Preço: 40 euros.

O Calços Largos 2020, lançado pela Dona Matilde.
O Calços Largos 2020, lançado pela Dona Matilde. Foto: DR

Duas novidades de Peso

A Herdade do Peso tem duas novas caras que se juntam assim a uma gama mais conhecida pelos Sossego e Trinca Bolotas. Dois vinhos de uma frescura incrível, o Herdade do Peso Parcelas 2018 e o Herdade do Peso Revelado 2019. Neste último caso um blend de Alicante Bouschet, Touriga Nacional e Syrah, representando também os vários solos desta herdade na Vidigueira. Já o Parcelas é um vinho ainda mais especial, que procura refletir, em cada ano, o talhão que melhor se exprimiu nessa temporada. Em 2018 a escolha recaiu na Parcela 21, de Alicante Bouschet, e resultou num "vinho com muita garra" como diz o enólogo Luis Cabral de Almeida. Longo e sedoso. O melhor será começar pelo Revelado (15 euros) e daí seguir para o Parcelas (50 euros).

O Herdade do Peso Parcelas 2018 e o Herdade do Peso Revelado 2019.
O Herdade do Peso Parcelas 2018 e o Herdade do Peso Revelado 2019.
Saiba mais Touriga Nacional, Ventozelo, Herdade do Peso Parcelas, Calços Largos, Tinta Amarela, Serra do Mendro, Douro, Alentejo, Parcela, Petit Verdot, Garrafeira Tinto, Alicante, Dona Matilde
Relacionadas

Vinhos que aproximam familiares e amigos

Num mês em que se iniciam os preparativos para as festas que se aproximam, um brinde à fraternidade e solidariedade. Um branco a Oeste e dois tintos: um alentejano sem preconceitos e um clássico do Douro. Ainda dois brancos do Alentejo que utilizam uma casta do Norte e, a fechar, uma celebração com 50 anos de história.

Vinhos para receber o solstício de inverno

Esta é a altura em que se aproxima o dia mais curto do ano, a noite mais longa e o dia em que o sol está mais próximo. Um tinto exclusivo do Douro, outro tinto, um branco e um Porto, todos da mesma região, e ainda um espumante “verde” e um abafado do Tejo.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para beber no mês mais curto do ano

Foi uma imposição do imperador romano César Augusto que um dos dias de fevereiro passasse para agosto porque antes o mês tinha 29 dias (30 nos anos bissextos). Enfim, é empo suficiente para provar três tintos do Douro, Dão e Alentejo, um champanhe clássico, um Porto de Favaios e um branco de Monção e Melgaço.