Prazeres / Lugares

Azores Wine Company, a nova erupção vínica de António Maçanita

A Azores Wine Company de António Maçanita abre a sua adega na ilha do Pico, onde pode adormecer depois de se perder nos seus brancos de excelência e acordar sobre o azul turquesa.

António Maçanita acaba de inaugurar o hotel e adega da Azores Wine Company, na ilha do Pico, Açores.
António Maçanita acaba de inaugurar o hotel e adega da Azores Wine Company, na ilha do Pico, Açores. Foto: Francisco Nogueira
19 de agosto de 2021 | Patrícia Barnabé

Há cinco anos, o premiado enólogo António Maçanita juntou-se a Filipe Rocha e a Paulo Machado para fundar, em 2014, a Azores Wine Company e revolucionar a produção vinícola na ilha do Pico. Talentosa produtora de néctares graças ao seu terroir vulcânico de onde saem verdelhos e arintos frescos, com toques de fumo e de mar, esta ilha encantada dos Açores sofreu uma nova erupção desde que estes três apaixonados se juntaram.

António Maçanita, Paulo Machado e Filipe Rocha, fundadores da Azores Wine Company.
António Maçanita, Paulo Machado e Filipe Rocha, fundadores da Azores Wine Company. Foto: Francisco Nogueira

Maçanita tem uma costela açoriana, cresceu a ir de férias a São Miguel, tentou plantar uma vinha no ano zero, quando tinha apenas 20 anos. Filipe formou-se em turismo e hotelaria em Ponta Delgada e organizava o festival gastronómico 10 Fest Açores quando convidou António a dar formação de vinhos em São Miguel, em 2008, e este foi meter o nariz na terra. Descobriu a casta Terrantez quase ao abandono, porque não rendia grande vinho, e já teria morrido não fosse um projeto dos Serviços de Desenvolvimento Agrário de São Miguel ao qual se aliou propondo depois comercializar a maior parte da produção. De uma adega de 50 metros quadrados, meia dúzia de cubas de aço e muito improviso saiu a primeira garrafa, em 2010. Foi o tiro de partida na demanda que tem feito para melhorar o vinho da região e reposicioná-lo no mercado.

Azores Wine Company
Azores Wine Company Foto: Francisco Nogueira
O pequeno e charmoso hotel tem apenas seis quartos.
O pequeno e charmoso hotel tem apenas seis quartos. Foto: Francisco Nogueira

Assim se juntou ao grupo Paulo Machado, da Insula Vinus, de cuja adega saíram duas edições especiais de arintos dos Açores já com a magia de António Maçanita. Em 2015, os três empresários compraram 50 hectares e recuperaram as vinhas, também ao lado dos proprietários locais, em cerca 125 hectares do Pico, e dois anos depois as vinhas despontaram: o Verdelho da região, equivalente ao da Madeira, as castas únicas de Arinto dos Açores e o de Terrantez do Pico. E ainda duas tintas antigas, Malvarisco e Saborinho, que plantaram enquanto lutaram para recuperar a cultura do tradicional vinho de cheiro. Consta que as uvas dos Açores estão hoje entre as mais caras de Portugal, a ombrear elogios com as dos campos americanos de Napa Valley, ou dos renomados franceses das regiões da Borgonha e de Champagne.

Verdelho Original, Arinto dos Açores e Terrantez do Pico, vinhos da Azores Wine Company.
Verdelho Original, Arinto dos Açores e Terrantez do Pico, vinhos da Azores Wine Company. Foto: Francisco Nogueira
A zona de provas da adega.
A zona de provas da adega. Foto: Francisco Nogueira

A sonhar com uma adega para brancos de topo, a Azores Wine chamou a portuguesa SAMI Arquitectos, de Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira, que viveram no Pico, e o atelier britânico DRHR de Daniel Rosbottom e David Howarth. Com um investimento de três milhões de euros, estes arrancaram com a obra em 2018 e ficou pronta em plena pandemia, na vindima de 2020: um cubo de cobertura inclinada que lembra os antigos tanques (e recolhe cerca de 1500 m3 de água por ano para rega) revestido a pedra recolhida no terreno que lembra os currais que protegem as vinhas da região. E homenageia os antigos conventos com um claustro interior, o ponto que liga as barricas do vinho às várias salas de provas e espaços para eventos - e aos seis quartos. É uma adega e um pequeno e charmoso hotel.

Restaurante da Azores Wine Company.
Restaurante da Azores Wine Company. Foto: Francisco Nogueira

Como é tradiçã0, as adegas são espaços acolhedores, de convívio e provas que frequentemente oferecem estadia aos seus visitantes, neste caso são cinco apartamentos T0 e um T2 e todos beneficiam da bela paisagem protegida sobre o solo negro e vulcânico a sul que termina no mar. A nova adega mal se vê da estrada, mas avista a montanha que dá nome à ilha e um oceano imenso a perder de vista, um azul profundo que se estende até aos contornos do Faial e da ilha de São Jorge.

Saiba mais António Maçanita, São Miguel, Filipe Rocha, Paulo Machado, Azores Wine Company, Pico, Açores, vinicultura, turismo, hotel, provas de vinho
Relacionadas

Mercado de vinhos: as escolhas da semana

O verão é muitas vezes aproveitado pelas casas de vinho para lançar novos produtos no mercado. Vinhos de vários tipos e qualidade, para bolsas distintas e momentos diferentes. Fica uma seleção com alguma informação fornecida pelos próprios produtores.

É fã de enoturismo? Tem de visitar estas adegas na Beira Interior

As Casas de Alpedrinha, na Beira Interior, garantem-lhe não só uma estadia descontraída como também uma experiência inigualável, com um roteiro de vistas às melhores adegas da região e às minas desativadas de estanho e volfrâmio, onde vinhos maturam a uma profundidade de 50 metros.

Mais Lidas
Lugares Já há casas no meio do oceano. São as Sea Pods

Imagine viver por cima do mar, numa casa flutuante, com vista privilegiada… a ajudar o ambiente. Parece um sonho, mas é uma realidade. São casas criadas pela empresa Ocean Builders que demonstram o potencial do design futurístico, clean e orgânico – e também como viver no meio do oceano pode ser mais confortável do que em terra.