Prazeres / Drive

Quanto custa realmente um carro de Fórmula 1?

Uma vez que são construídos à mão, fazer uma estimativa do valor dos automóveis mais velozes do mundo não é fácil. Mas prometemos tentar.

A carregar o vídeo ...
17 de junho de 2022 | Ana Francisca Oliveira

Os monolugares da Fórmula 1 são uma obra de arte de evolução mecânica. Feitos com os melhores materiais, cada peça é pensada para garantir o máximo desempenho possível. Ainda que pareça um pouco contraditório, a combinação da leveza e da rigidez do carro é fundamental para garantir a velocidade, mas também a segurança dos pilotos em caso de acidente. As peças são feitas totalmente à medida e colocadas à mão pelos melhores engenheiros e mecânicos do mundo. Mas isto não é surpreendente, já que a Fórmula 1 é conhecida por ser um dos desportos mais caros de sempre.

Mercedes-AMG Petronas Motorsport
Mercedes-AMG Petronas Motorsport Foto: Fórmula 1

Em 2022, a FIA (Federação Internacional de Automóveis) estabeceleu um orçamento limite ( que inclui viagens, estadas, equipamento, etc) para evitar grandes discrepâncias entre equipas, sendo que cada uma apenas pode investir 140 milhões de euros no total. A decisão gerou algumas complicações, já que os automóveis são compostos por cerca de 14,500 peças. Com dois condutores por equipa (um carro para cada), o componente mais importante, o motor, pode chegar aos cinco milhões de dólares, enquanto o chassi de fibra de carbono, para proteger os pilotos, chega a ter um custo de mais de 1 milhão.

Scuderia Ferrari
Scuderia Ferrari Foto: Ferrari

A aerodinâmica é, assim, essencial para atingir as altas velocidades (que por vezes ultrapassam os 300 km/h) e para isto são utilizadas as asas dianteira e traseira, que possuem o sistema DRS, introduzido na Fórmula 1 em 2011. Este sistema hidráulico reduz a resistência aerodinâmica, facilitando as ultrapassagens em pista, sendo que cada asa tem um valor entre os 150 e 200 mil dólares.

Red Bull Racing
Red Bull Racing Foto: Getty Images

O centro elétrico encontra-se no volante e, atualmente, os pilotos utilizam-no não só para conduzir como para alterar as mudanças - sem surpresas, pode ter custos que rondam os 100 mil euros. Já a transmissão, na traseira do carro, está conectada ao sistema hidráulico da embraiagem e pode chegar aos 170 mil dólares. Por fim, o sistema de segurança Halo, presente em todos os monolugares, acrescenta uns meros 17 mil dólares ao preço da máquina. Depois de vários acidentes, como a morte de Ayrton Senna, em 1994 ,e de Anthoine Hubert, em 2019, este último na Fórmula 2,a segurança dos pilotos tornou-se um ponto fulcral nas corridas. O valor final? Uns espantosos oito milhões de dólares para cada automóvel. Não admira que os pilotos fiquem aborrecidos cada vez que têm o mais pequeno toque.

Saiba mais Prazeres, Atualidade, Drive, Carros, Fórmula 1
Relacionadas

Fórmula 1: glória ou vergonha?

Um campeonato do mundo decidido na última volta da última corrida, alguém poderia desejar melhor? Se calhar sim... talvez que a Fórmula 1 não se tivesse juntado ao futebol, à política e à religião, tornando-se um tema “tóxico”, pouco ou nada transparente e impossível de se discutir de uma forma racional e desapaixonada.

Será que Mick Schumacher é tão bom como o pai?

Filho do heptacampeão de Fórmula 1 Michael Schumacher, tem muitas expectativas a que corresponder. Campeão de F2 de 2020 e juntando-se à Haas na F1, que hipóteses tem o jovem Schumacher de seguir as pisadas do pai?

Mais Lidas
Drive Gasolina ou gasóleo? Eis a questão

Com os preços dos combustíveis de pernas para o ar – gasóleo mais caro que gasolina – a Mazda respondeu a esta pergunta "shakespeareana". Vejamos o que nos diz o teste a este CX-5 2.0, um gasolina que se comporta (quase) como um diesel.

Drive Mazda2, híbrido mais híbrido não há

A silhueta inconfundível de um... Toyota Yaris (?) abriga a alma do Mazda2 híbrido. Não é ‘plug-in’, autocarrega-se em andamento, mas neste test-drive comprovou ser uma ótima estratégia. A Mazda levou o conceito híbrido ao extremo: é mesmo igualzinho a outro carro, é quase um híbrido duas vezes.

Drive Fiat 500: ‘la dolce vita’ aos 65 anos

Símbolo de uma Itália que se reerguia dos escombros da guerra, há seis décadas e meia este modelo assinalava também o renascimento do gigante industrial Fabbrica Italiana Automobili di Torino.