Lugares

Japão, Bahamas e Irlanda: os cruzeiros vão mudar em 2020

O Caribe ainda reina supremo quando se trata de cruzeiros, mas há um mundo totalmente novo para explorar. Portos clássicos como as Bahamas estão a recuperar, novos itinerários estão a ser abertos no Japão para os Jogos Olímpicos de 2020 e há diversas opções de luxo nas Seychelles. Confira três destinos para 2020.

Windstar Cruises
Windstar Cruises Foto: D.R.
01 de janeiro de 2020 | Bloomberg

Japão

Lembra-se quando os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro dormiam em cruzeiros e os intitularam de "hotéis flutuantes"? Tóquio fará o mesmo em 2020. De 24 de julho a 9 de agosto, a cidade fretou pelo menos um navio de grande porte para servir como hotel flutuante em resposta à falta de quartos em terra firme. Mas é melhor seguir uma rota mais tradicional: dois dos navios da Royal Caribbean Cruises, de Xangai, o "Spectrum of the Seas" e o "Voyager of the Seas", oferecerão itinerários durante a noite no novo terminal de Tóquio. Passageiros com ingressos podem facilmente chegar aos eventos e depois navegar para outras partes menos agitadas do país.

Bahamas

Normalmente, as rotas de cruzeiros dependem muito das Bahamas. Não é apenas Nassau, a capital, um porto de escala frequente, mas várias empresas organizaram travessias em torno das ilhas. No ano passado, no entanto, os papéis mudaram. Depois de o furacão Dorian ter devastado a Grand Bahama (também um porto de cruzeiros) e as ilhas Abaco, menos visitadas, as empresas de cruzeiros ajudaram a fornecer suprimentos para reparar os estragos e fizeram grandes doações. No rescaldo da tempestade, estão a ajudar a revitalizar toda a economia do turismo nas Bahamas.

A Royal Caribbean está a abrir a segunda fase do seu Perfect Day, avaliado em 250 milhões de dólares, na ilha CocoCay em janeiro. A Norwegian Cruise Line Holdings aumentou as ofertas do seu Great Stirrup Cay, um oásis chique no estilo de South Beach, onde pode gastar até 1.100 dólares por dia numa villa privada com ar condicionado, convenientemente localizada perto de um bar Moet & Chandon.

Kinsale, Irlanda

As linhas de cruzeiro aproveitam a tendência do turismo de DNA, e as cidades portuárias de West Cork, incluindo a histórica cidade pesqueira Kinsale, tentam ficar com uma fatia do bolo. As promoções concentraram-se em atrair pequenas expedições e navios boutiques e estão a valer a pena. No ano passado, a linha francesa Ponant enviou um navio; este ano, está a enviar quatro. A linha Ultraluxury Seabourn também está de olho neste nicho.

As atrações nas proximidades incluem um trilho de 5,9 quilómetros em torno dos penhascos oceânicos de Old Head of Kinsale, onde o "Lusitania" naufragou após ser atingido por um submarino alemão em 1915. Também há um forte em forma de estrela construído por Carlos II. E, se descobrir através de uma pesquisa genealógica que é parente da famosa Anne Bonny, capitã pirata do século XVIII, especula-se que ela terá nascido em Kinsale.

Saiba mais Japão, Tóquio, Irlanda, Bahamas, Royal Caribbean Cruises, Kinsale, economia, negócios e finanças, turismo
Relacionadas

As 5 tendências de viagem para 2020

Das escolhas dos destinos aos transportes, o ano que aí vem pede sugestões sustentáveis e cada vez mais amigas do ambiente. Mas há mais, muito mais!

As 7 pistas de esqui mais loucas do mundo!

São as mais íngremes, alucinantes, aterradoras (e, por vezes, fatais) “rampas de lançamento” para os esquiadores mais temerários. E bem piores do que qualquer rebuscada “montanha-russa” para os inexperientes.

Mais Lidas
Lugares As casas dos magnatas da tecnologia

A maioria dos titãs do mundo da tecnologia tiveram começos humildes e difíceis, mas não se deixe enganar: hoje milionários, muitos têm casas sumptuosas, embora outros gostem de se manter modestos.

Lugares Até os ricos ficam em terra por causa do novo coronavírus

Empresas de jatos particulares têm recusado clientes ricos, pois as proibições de viagens relacionadas com o coronavírus limitam a capacidade de operação. Isto apesar do cada vez maior número de pessoas dispostas a desembolsar até 150 mil dólares para garantir uma vaga nos aviões.

Lugares Os refúgios dos playboys e dos magnatas

Paris, Cap d’Antibes, Veneza, Rio de Janeiro, Capri, Gstaad, Mustique, Sain-Tropez ou Acapulco eram alguns dos redutos ou refúgios de sonho de estrelas de cinema, de herdeiros, de magnatas, de aristocratas e de playboys, nas décadas de 1950 a 1970. A aviação comercial foi crucial para o desenvolvimento das viagens de luxo dos happy few, antes que esses lugares míticos tivessem ficado abarrotados de turistas e os aviões se tivessem transformado em meros autocarros aéreos.