Viver

Elon Musk celebra compra do Twitter enquanto Tesla perde milhões

A fabricante de automóveis elétricos Tesla perdeu pelo menos 128 mil milhões de dólares na bolsa de valores, avançou a Forbes.

Elon Musk no evento 'Pessoa do Ano' da Time, 2021
Elon Musk no evento 'Pessoa do Ano' da Time, 2021 Foto: Getty Images
27 de abril de 2022 | Ana Filipa Damião

Dois dias após Elon Musk ter comprado o Twitter por 44 mil milhões dólares as consequências já estão à vista, pelo menos no que se refere às ações da Tesla. Com base num relatório da Forbes, a empresa fundada pelo multimilionário perdeu cerca de 128 mil milhões de dólares na bolsa de valores (mais de 12%) nesta terça-feira, 26, o que estará relacionado com a compra da rede social. Um dia após o derradeiro anúncio, cada ação da Tesla estava cotada em cerca de 900 dólares, uma descida de 20% desde 4 de abril, quando Musk revelou ser o maior acionista do Twitter, avançou o site da NBC News.

Ao que tudo indica, os acionistas da Tesla temem que o multimilionário se distraia com a recente aquisição e que deixe de dar a devida atenção ao negócio dos automóveis elétricos, especialmente agora que outros nomes, como a Mercedes ou a BMW, oferecem modelos semelhantes.  

Para adquirir a plataforma de comunicação social, o norte-americano prometeu pagar 21 mil milhões de dólares do próprio capital, em conjunto com um empréstimo de 12,5 mil milhões de dólares financiado pelo grupo Morgan Stanley, garantido através da venda de ações da Tesla, o que representa mais uma preocupação para os acionistas da empresa, ainda de acordo com a NBC News. Contudo, há quem relembre que a situação atual assemelha-se a uma outra que teve lugar há apenas alguns meses, quando o homem mais rico do mundo vendeu igualmente parte das suas ações da Tesla, dinheiro que a mesma acabou por recuperar.

Saiba mais Elon Musk, Tesla, Twitter
Relacionadas
Mais Lidas
Viver Opinião. Deixem o Ronaldo em paz

A três dias do começo do Mundial do Catar e a uma semana da estreia de Portugal, frente ao Gana, a polémica está novamente instalada: Ronaldo é um ativo tóxico ou o ás de trunfo da Seleção?