Prazeres / Sabores

Mex Battles. As "lutas" de cocktails a que queremos assistir, no Mex Factory

A 28 de dezembro, o restaurante de Alcântara recebe um rival mexicano para disputar uma vitória: quem faz os melhores cocktails?

Foto: Mex Factory
13 de dezembro de 2022 | Ana Filipa Damião

Era dia de jogo. Sabíamos porque, em vez de passearem despreocupadamente pelas ruas de Lisboa, a aproveitar os últimos raios de sol do dia, o andar dos transeuntes era apressado, como se cada um procurasse um café onde ver a bola. O cenário era semelhante à entrada do Lx Factory, em Alcântara, um antigo centro industrial virado hub criativo que, por norma, está apinhado de turistas e locais, mas que naquele dia parecia vazio. "Melhor ainda", pensámos nós, à medida que nos dirigiamos para o nosso destino final - o restaurante Mex Factory.

O frio que se fazia sentir na na rua dissipou-se de imediato uma vez dentro do estabelecimento, provavelmente graças ao aquecimento central, embora prefiramos acreditar que se deveu à receção calorosa, ambiente acolhedor e energia positiva que nos esperava. Apontamentos em laranja contrastavam com a madeira do teto e com os tijolos expostos e com o betão das paredes, com inúmeras referências à cultura mexicana, e destaque para os "luchadores" que em tempos combateram no México. 

Mex Factory
Mex Factory Foto: Mex Factory
Mex Factory
Mex Factory Foto: Mex Factory

E se as máscaras dos lutadores não fossem indicação suficiente para entender onde nos encontrávamos, o ringue de lucha libre (ringue de luta livre) no centro da sala deitou por terra qualquer dúvida que ainda pudessemos ter, a par da esplanada e do Frida bar, em homenagem à icónica artista, das caveiras mexicanas um pouco por todo o lado e da figura da Nossa Senhora de Guadalupe pintada nas paredes.

Ringue de lucha libre
Ringue de lucha libre Foto: Mex Factory
Frida Bar
Frida Bar Foto: Mex Factory

Noites temáticas

Aberto há cinco anos, o Mex Factory aposta agora numa nova iniciativa - as Mex Battles. As colaborações entre restaurantes ou jantares a quatro mãos têm vindo a ganhar popularidade nos últimos tempos, mas por norma acontecem com figuras de renome do universo gastronómico e não com nomes menos conhecidos, explicou-nos Luís Roquette, um dos sócios. "Não se pode estagnar nesta área, senão estamos tramados" e havia ali uma falha a colmatar, disse. Assim, a segunda batalha amigável, cujo objetivo é promover a cultura e a gastronomia mexicana, acontece já esta semana, no dia 28 de dezembro a partir das 18h30, e conta com o restaurante Paco Bigotes como seu "rival". Os grandes protagonistas da noite? Cocktails.

André Marques, do Paco Bigotes, e Luís Roquette, do Mex Factory.
André Marques, do Paco Bigotes, e Luís Roquette, do Mex Factory. Foto: Mex Factory

Afinal, aproximamo-nos a passos largos da quadra natalícia e um bom serão entre amigos e produtos de qualidade é sempre bem vindo perante as festas familiares, muitas vezes stressantes. Dentro do ringue, os eleitos de cada estabelecimento irão preparar duas categorias de cocktails, um à base de tequila e outro de mezcal, seguidos de uma degustação de tequilas -nas versões blanco, repousado e añejo - das marcas Avión e Altos (€15 euros por três shots).

Cocktail Cosecha (€8) do Paco Bigotes.
Cocktail Cosecha (€8) do Paco Bigotes. Foto: Mex Factory

As criações do Paco Bagotes incluem o Cosecha (€8), com tequila infusionada e xarope de chipotle, em homenagem à colheita do milho, um ingrediente chave da gastronomia mexicana. Uma apresentação divertida que nos surpreendeu pela positiva; e o Tulum Rider (€8,50), inspirado nos típicos tacos Al Pastor, com mezcal e tequila infusionados com coentros, sumo de lima, xarope de chipotle e um toque de ananás.

Cocktail Tulum Rider (€8,50) do Paco Bigotes.
Cocktail Tulum Rider (€8,50) do Paco Bigotes. Foto: Mex Factory

Na outra ponta do ringue, o Mex Factory apresenta o Cantarito (€8), uma homenagem aos clássicos com tequila repousado e sumos de laranja, lima e toranja, mais agave para adocicar. Cítrico e suave, para quem tem um paladar mais doce; e o Perrón (€8,50), um cocktail de autor que combina mezcal e tequila repousado, para suavizar, sumo de lima, clara de ovo para um toque sour, ginger beer e um "cheirinho" de chili picante. Definitivamente para os mais aventureiros em termos de tolerância. 

Cocktail Perrón (€8,50) do Mex Factory.
Cocktail Perrón (€8,50) do Mex Factory. Foto: Mex Factory

Não menos importante - a comida

Para acompanhar os primeiros cocktails de tequila, já depois de forrarmos o estômago com totopos (tiras de milho), guacamole e pico de gallo, deliciámo-nos com uns magníficos nachos de carne e queijo cheddar derretido, quesadillas vegetarianas e de porco e ainda uma surpreendente tostada de salmãoUma espécie de ceviche com mais atitude.

Tacos Coliflor Crujiente
Tacos Coliflor Crujiente Foto: Mex Factory

 Já para a ronda de mezcal, optámos por uma mão cheia de tacos. Os de couve-flor são muito bons, vegan e, curiosamente, bastante populares; cuidado com os de camarão porque são picantes; os de porco marinado em chipotle são um clássico e os de peixe fresco panado revelaram-se uma agradável (e crocante) surpresa. A sugestão mais recente da casa são os tacos de Birria, com ensopado de aba e bochecha de novilho.

Tacos de Birria
Tacos de Birria Foto: Mex Factory

Degustações terminadas, chegou a altura de pedir aquele cafezinho obrigatório no fim da refeição, neste caso usado como desculpa para acompanhar um pastel de chocolate, que mais se assemelha a uma fatia de tarte e que se derrete na boca. 

Pastel de chocolate
Pastel de chocolate Foto: Mex Factory

Onde? Lx Factory, Alcântara. Quando? 28 de dezembro, das 18h30 às 24h. As Mex battles são de entrada livre.

Saiba mais Mex Factory, Lx Factory, Restaurante, Gastronomia, Cozinha Mexicana, Alcântara, Mex Battles
Relacionadas

Noites de pole dance e o melhor do México à mesa

Na iminência de completar uma década, o restaurante Las Ficheras regressa às origens e agita o verão na capital, mais precisamente no Cais Sodré, com novos sabores na carta e Sasha como protagonista de um serão que segue com DJs e boa música.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para beber no mês mais curto do ano

Foi uma imposição do imperador romano César Augusto que um dos dias de fevereiro passasse para agosto porque antes o mês tinha 29 dias (30 nos anos bissextos). Enfim, é empo suficiente para provar três tintos do Douro, Dão e Alentejo, um champanhe clássico, um Porto de Favaios e um branco de Monção e Melgaço.