Prazeres / Sabores

Esta dieta é conhecida por prolongar a esperança de vida para lá dos 100 anos

Rica em peixe e frutos do mar, legumes e hidratos de processamento lento, a dieta de Okinawa esconde inúmeros benefícios para a saúde.

Foto: Pexels
14 de janeiro de 2022 | Ana Filipa Damião

Okinawa. Além de uma ilha japonesa, também é o nome dado à dieta única dos habitantes que lá vivem. Nos últimos anos, a dieta de Okinawa tem vindo a competir com a mediterrânica pelos seus benefícios nutricionais e de saúde.

A ilha é um verdadeiro paraíso para os mais idosos. É uma das cinco zonas azuis do mundo, locais onde a população regista uma maior esperança de vida, normalmente até ou para cima dos 100 anos. Lá, há 42 centenários por 100 mil habitantes, três vezes mais que em França, avança o site da revista Madame Figaro. E ao que tudo indica, estes indivíduos são menos suscetíveis de ter cancro, diabetes ou problemas cardiovasculares.

Mas afinal, no que consiste? "Estes centenários não comem produtos processados, ricos em sais, e comem pouca carne e produtos láteos", afirmou Sybille Naude, nutricionista e coautora do livro Dieta de Okinawa, ao site da revista Madame Figaro. Por sua vez, optam por vegetais sazonais, fontes essenciais de vitaminas e fibra e com baixo teor calórico, e por peixes ricos em gorduras insaturadas, ideais para um bom sistema cardiovascular. Contudo, há que ter cuidado com a ingestão de frutos do mar. Se tiver uma predisposição genética para problemas de tiroide, a sobrecarga de iodo pode causar um desequilíbrio hormonal. Quanto aos hidratos de carbono, estes são de processamento lento, como arroz, massa de trigo, batata doce e feijão azuki. O tofu, as algas marinhas, a sopa miso, a especiaria curcuma e o chá verde são também muito consumidos. 

Sopa de peixe
Sopa de peixe Foto: Pexels

Outra questão a se ter em conta relativamente à dieta de Okinawa é a quantidade de comida ingerida. Os japoneses regem-se por um conceito dietético denominado hara hachi bun, que consiste em satisfazer apenas 80% da fome. Ou seja, parar "imediatamente antes de se atingir a saciedade", explicou Naud. Por norma, isto traduz-se na ausência de sobremesa -  eliminando os doces, perdemos peso e reduzimos o risco de diabete tipo 2. "Os okinawanos comem muita comida semi-cozida ou crua, o que encoraja a mastigação lenta e por isso sacia o corpo mais rapidamente", acrescentou a nuticionista.

Estudos recentes mostram resultados positivos quanto à dieta em questão. As conclusões sugerem uma melhoria dos marcadores de saúde metabólicos como melhoria do colesterol, dos parâmetros hepáticos, da pressão arterial, etc, e uma perda considerável de gordura abdominal.

Saiba mais gastronomia, dieta de okinawa, japão
Relacionadas

Vinhos imortais, naturais, velhos e novos

Uma das sugestões passa por vinhas que ao contrário do resto do país não foram dizimadas pela filoxera. E por isso, só se pode falar numa região: Colares. Um tinto natural invulgar e outro de assinatura e três brancos de outras tantas regiões. Para provar pausadamente com a família e amigos.

Vinhos provocadores, modernos e tradicionais

Vinhos para gostos muito ecléticos. Um vinho branco natural, ousado, com um rótulo artístico que o Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) demorou a aprovar, quatro tintos de três regiões diferentes, mas um deles “pouco” tinto. Um branco clássico, mas com selo vegan de uma casa que dispensa apresentações.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para brindar ao outono dos €6 aos €900

A um dia de entrar em outubro, faz sentido celebrar o mês onde grande parte dos vinhos já foram vinificados com um espumante, neste caso, um blend rosé. Da mesma região demarcada dos verdes, um tinto, dois alentejanos e um do Tejo, também tintos, e uma edição rara de vinho do Porto velho.

Sabores Um chef Michelin em Porto Covo

Joachim Koerper, chef do restaurante Eleven, está também agora no restaurante Alma Nómada e no bar de praia A.MAR, ambos na vila pitoresca a sul. Conheça os petiscos que por lá se podem comer, entre alguns clássicos e novas criações.