Prazeres / Drive

Está na hora do tudo elétrico? Ou será que é no meio que está a virtude? - parte 2

Depois dos 100% elétricos, uma segunda parte dedicada aos híbridos plug-in. O melhor de dois mundos (motor de combustão + elétrico) e uma fase intermédia, de transição entre a clássica mobilidade dita “térmica” (do motor de combustão interna) e a moderna, elétrica, de que se diz ser o futuro: sustentável, sem emissões, amiga do planeta.

02 de julho de 2021 | Luís Merca


O que é um híbrido plug-in?

É a verdadeira menina dos olhos de todos os construtores – todos têm um modelo destes, ou gostavam de ter, e aqui a ideia é poder circular, ainda em que em distâncias curtas (algumas dezenas de quilómetros) em modo exclusivamente EV (electric vehicle), mas sempre com o motor de combustão presente para assegurar as quilometragens mais longas, as de várias centenas de km.

Como funciona?

Em termos muito simplistas, é um sistema composto por dois motores: um convencional, de combustão interna, normalmente de cilindrada média e a gasolina; e um motor elétrico, alimentado por uma bateria de tamanho médio e cuja capacidade permite percorrer quatro, cinco, seis dezenas de km em modo 100% elétrico. Essa bateria pode ser carregada ligando a viatura a um posto de carregamento público ou a uma tomada doméstica, mas a sua limitada capacidade obriga o híbrido plug-in a ficar-se apenas por pequenas deslocações, normalmente citadinas, em modo 100% elétrico.

Quais as vantagens?

Em relação ao veículo elétrico propriamente dito, desaparece o fantasma da falta de energia – seja porque os ainda escassos postos de carregamento estão longe e demasiado dispersos, seja porque se encontram ocupados, avariados, vandalizados... Apesar da reduzida quilometragem permitida em modo exclusivamente EV, se em cada um dos extremos da viagem média (casa-trabalho ou trabalho-casa) houver um carregador ou a hipótese de ligar o veículo à corrente, perfeito: caso a quilometragem diária não seja superior à média diária estimada (30-40-50 km/dia) pode até dar-se o caso de não precisar de recorrer ao motor de combustão durante vários dias – até que venha a precisar de fazer uma deslocação maior.

Mas há desvantagens...

Não há bela sem senão. Logo à partida, o preço. Dotados de tecnologia complexa e cara, os híbridos plug-in são vendidos bastante acima dos seus congéneres de combustão interna, sendo mesmo mais caros que alguns EV de mais baixo custo. Outro fator negativo a ter em conta é que o consumo de combustível, sempre que se recorre a 100% ao motor dito "térmico", é por norma mais elevado do que num convencional modelo a gasolina ou a gasóleo.

Há hipóteses de desenvolvimento?

A tecnologia das baterias – a mesma que permite cada vez maior quilometragem nos EV – irá decerto continuar a evoluir e possibilitar que se use o híbrido plug-in em modo 100% elétrico durante mais quilómetros. Será de esperar que venha a atingir e até ultrapassar os 100 km com uma única carga da bateria, o que já constituiria um bom valor.

Que futuro para os híbridos plug-in?

Com as legislações dos vários países europeus a colocarem metas altamente ambiciosas, mas ao mesmo tempo difíceis (para não dizer impossíveis) de serem atingidas, a completa transição do motor de combustão para o elétrico, a verificar-se, demorará ainda algumas décadas. O veículo híbrido plug-in tem ainda pela frente algum tempo de vida útil.

Que marcas/modelos existem no mercado?

Muitos – aliás, quase todas as marcas aderiram a este sistema e apresentam modelos para este segmento. A listagem abaixo não pretende ser exaustiva, tratando-se apenas de um apanhado de alguns desses modelos e das suas principais características. Foi estabelecida com base nos seguintes critérios:

1) potência;

2) quilometragem estimada em modo 100% elétrico;

3) consumo – utilizando ambos os motores e não exclusivamente em modo 100% combustão;

4) emissão de CO2;

5) preço-base de venda ao público.

Volkswagen Passat Variant GTE: potência 218 cv, autonomia em modo elétrico 57 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 30 g/km, preço-base € 46 315.
Volkswagen Passat Variant GTE: potência 218 cv, autonomia em modo elétrico 57 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 30 g/km, preço-base € 46 315. Foto: D.R.
Volvo V60 Recharge T8 hybrid plug-in: potência 390 cv, autonomia em modo elétrico até 57 km, consumo combinado 1.8 litros/100km, emissão CO2 41 a 46 g/km, preço-base € 60 020.
Volvo V60 Recharge T8 hybrid plug-in: potência 390 cv, autonomia em modo elétrico até 57 km, consumo combinado 1.8 litros/100km, emissão CO2 41 a 46 g/km, preço-base € 60 020. Foto: D.R.
Volvo XC40 Recharge T5 TwEn: potência 262 cv, autonomia em modo elétrico 45 a 55 km, consumo combinado 2.1 litros/100km, emissão CO2 47 a 57 g/km, preço-base € 47 080.
Volvo XC40 Recharge T5 TwEn: potência 262 cv, autonomia em modo elétrico 45 a 55 km, consumo combinado 2.1 litros/100km, emissão CO2 47 a 57 g/km, preço-base € 47 080. Foto: D.R.
Toyota Prius Plug-in 1.8 Hybrid: potência 122 cv, autonomia em modo elétrico 40 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 29 g/km, preço-base € 44 290.
Toyota Prius Plug-in 1.8 Hybrid: potência 122 cv, autonomia em modo elétrico 40 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 29 g/km, preço-base € 44 290. Foto: D.R.
Renault Mégane Sport Tourer Híbrido Plug-in: potência 160 cv, autonomia em modo elétrico 65 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 29 a 32 g/km, preço-base € 38 050.
Renault Mégane Sport Tourer Híbrido Plug-in: potência 160 cv, autonomia em modo elétrico 65 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 29 a 32 g/km, preço-base € 38 050. Foto: D.R.
Renault CAPTUR HÍBRIDO PLUG-IN: potência 160 cv, autonomia em modo elétrico 65 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 29 a 32 g/km, preço-base € 33 840.
Renault CAPTUR HÍBRIDO PLUG-IN: potência 160 cv, autonomia em modo elétrico 65 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 29 a 32 g/km, preço-base € 33 840. Foto: D.R.
Range Rover Velar P400e: potência 404 cv, autonomia em modo elétrico 53 km, consumo combinado 2.2 litros/100km, emissão CO2 49 g/km, preço-base € 74 803.
Range Rover Velar P400e: potência 404 cv, autonomia em modo elétrico 53 km, consumo combinado 2.2 litros/100km, emissão CO2 49 g/km, preço-base € 74 803. Foto: D.R.
Range Rover Evoque P300e: potência 309 cv, autonomia em modo elétrico 53 km, consumo combinado 2.0 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 56 457.
Range Rover Evoque P300e: potência 309 cv, autonomia em modo elétrico 53 km, consumo combinado 2.0 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 56 457. Foto: D.R.
Peugeot 508 GT Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 46 095.
Peugeot 508 GT Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 46 095. Foto: D.R.
Peugeot 3008 Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 29 g/km, preço-base € 44 025.
Peugeot 3008 Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.3 litros/100km, emissão CO2 29 g/km, preço-base € 44 025. Foto: D.R.
OPEL GRANDLAND X HYBRID4: potência 300 cv, autonomia em modo elétrico 57 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 47 550.
OPEL GRANDLAND X HYBRID4: potência 300 cv, autonomia em modo elétrico 57 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 47 550. Foto: D.R.
Land Rover Discovery Sport P300e: potência 309 cv, autonomia em modo elétrico 64 km, consumo combinado 2.0 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 57 016.
Land Rover Discovery Sport P300e: potência 309 cv, autonomia em modo elétrico 64 km, consumo combinado 2.0 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 57 016. Foto: D.R.
Kia Sorento 1.6 T-GDI 6DCT 7L  PHEV 4WD: potência 265 cv, autonomia em modo elétrico 70 km, consumo combinado 1.6 litros/100km, emissão CO2 38 g/km, preço-base € 55 950.
Kia Sorento 1.6 T-GDI 6DCT 7L PHEV 4WD: potência 265 cv, autonomia em modo elétrico 70 km, consumo combinado 1.6 litros/100km, emissão CO2 38 g/km, preço-base € 55 950. Foto: D.R.
Kia XCEED 1.6 GDI 6DCT PHEV TECH: potência 141 cv, autonomia em modo elétrico 59 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 33 000.
Kia XCEED 1.6 GDI 6DCT PHEV TECH: potência 141 cv, autonomia em modo elétrico 59 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 33 000. Foto: D.R.
Ford Kuga 2.5 Duratec PHEV: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.2 litros/100km, emissão CO2 26 g/km, preço-base € 42 211.
Ford Kuga 2.5 Duratec PHEV: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 56 km, consumo combinado 1.2 litros/100km, emissão CO2 26 g/km, preço-base € 42 211. Foto: D.R.
DS 7 CROSSBACK E-TENSE 225: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 55 a 72 km, consumo combinado 1.6 litros/100km, emissão CO2 31 a 36 g/km, preço-base € 52 150.
DS 7 CROSSBACK E-TENSE 225: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 55 a 72 km, consumo combinado 1.6 litros/100km, emissão CO2 31 a 36 g/km, preço-base € 52 150. Foto: D.R.
Citroën C5 Aircross Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 55 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 39 017.
Citroën C5 Aircross Hybrid: potência 225 cv, autonomia em modo elétrico 55 km, consumo combinado 1.4 litros/100km, emissão CO2 32 g/km, preço-base € 39 017. Foto: D.R.
BMW X5 xDrive45e: potência 394 cv, autonomia em modo elétrico 77 a 88 km, consumo combinado 1.7 litros/100km, emissão CO2 39 g/km, preço-base € 88 550.
BMW X5 xDrive45e: potência 394 cv, autonomia em modo elétrico 77 a 88 km, consumo combinado 1.7 litros/100km, emissão CO2 39 g/km, preço-base € 88 550. Foto: D.R.
BMW 225xe Active Tourer: potência 220 cv, autonomia em modo elétrico 52 a 55 km, consumo combinado 1.7 litros/100km, emissão CO2 39 g/km, preço-base € 42 480.
BMW 225xe Active Tourer: potência 220 cv, autonomia em modo elétrico 52 a 55 km, consumo combinado 1.7 litros/100km, emissão CO2 39 g/km, preço-base € 42 480. Foto: D.R.
Audi Q5 TFSIe: potência 299 cv, autonomia em modo elétrico 56 a 62 km, consumo combinado 1.9 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 63 546.
Audi Q5 TFSIe: potência 299 cv, autonomia em modo elétrico 56 a 62 km, consumo combinado 1.9 litros/100km, emissão CO2 44 g/km, preço-base € 63 546. Foto: D.R.
Audi A3 Sportback TFSIe2: potência 204 cv, autonomia em modo elétrico 78 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 34 g/km, preço-base € 38 320.
Audi A3 Sportback TFSIe2: potência 204 cv, autonomia em modo elétrico 78 km, consumo combinado 1.5 litros/100km, emissão CO2 34 g/km, preço-base € 38 320. Foto: D.R.
Saiba mais economia, negócios e finanças, indústria metalomecânica e engenharia, automóvel, volvo, citroen, volkswagen, bmw, audi, land rover, ds, kia, range rover, ford, opel, peaugeot, toyota
Relacionadas

Está na hora do tudo elétrico? – parte 1

O mundo automóvel vive em constante e acelerada mudança. De gadget mais ou menos curioso, o veículo elétrico evoluiu e tornou-se presença habitual na paisagem citadina. Mas terá chegado a altura de abandonar em definitivo o motor de combustão interna? Nesta primeira parte do artigo, analisemos a oferta atual de modelos 100% elétricos.

BMW iX, cognome O (tão) Desejado

O recém-apresentado iX representa para a BMW o pão para a boca que já tardava desde que o pequeno e já “antigo” i3 foi lançado. A partir de agora, o construtor bávaro volta a ter um modelo 100% elétrico para combater o “inimigo americano” (Tesla) e o “inimigo do costume” (Mercedes, através da sua nova divisão elétrica EQ), que já não vão poder ficar a rir da marca da hélice.

Mais Lidas
Drive BMW iX, cognome O (tão) Desejado

O recém-apresentado iX representa para a BMW o pão para a boca que já tardava desde que o pequeno e já “antigo” i3 foi lançado. A partir de agora, o construtor bávaro volta a ter um modelo 100% elétrico para combater o “inimigo americano” (Tesla) e o “inimigo do costume” (Mercedes, através da sua nova divisão elétrica EQ), que já não vão poder ficar a rir da marca da hélice.