Prazeres / Drive

Buggy elétrico... mas será que pode ir à praia?

Pode, mas se calhar será boa ideia evitar a proximidade da linha de água... O que dizer deste ícone dos anos 60 e 70, o Buggy, que passa a ter uma versão EV?

A carregar o vídeo ...
02 de setembro de 2022 | Luís Merca

Bruce Meyers (1926-2021)

Engenheiro mecânico, artista plástico, fabricante de barcos e surfista: um B.I. adequado para um californiano que viria a ser o pai do Buggy. No início dos anos 60, Meyers decidiu aproveitar o châssis-plataforma do bom e velho Volkswagen "Carocha" (na altura já era "velho" mas continuava a ser bom) e por cima dele fabricou um carro para corridas no deserto – as dunas da praia, que viriam a integrar o nome Dune Buggy (bicharoco das dunas, em tradução livre), viriam mais tarde.

Buggy 100% elétrico
Buggy 100% elétrico Foto: Meyers Manx Inc

E porquê o VW? Porque estava disponível em largos números, porque a sua arquitetura permitia ancorar por cima do châssis uma carroçaria feita de fibra de vidro – material que Meyers dominava, já que anteriormente tinha fabricado um pequeno catamaran – e porque era barato. A plataforma do "Carocha", uma vez liberta da carroçaria, trazia tudo o que era preciso: motor, caixa de velocidades, suspensões e rodas. A motorização era o fiável 4-cilindros boxer (cilindros opostos) da marca de Wolsburg, nas cilindradas 1.2, 1.3, 1.5 e 1.6 litros. Ah, outra coisa: era fácil de montar. Entre 1964 e 1971, a empresa B.F. Meyers & Co. fabricaria cerca de seis mil kits que os clientes, se preferissem, podiam montar eles próprios sobre as ditas plataformas da VW.

O que se passou a seguir?

As apertadas normas de segurança impostas nos EUA no início da década de 70 viriam a cortar os planos de continuar a fabricar o Buggy, que perdeu a homologação, mantendo apenas as unidades já fabricadas/montadas a possibilidade de continuar a circular. Numa tentativa de salvar o modelo, Bruce Meyers diversificou a oferta, com distâncias entre eixos maiores que a original, numa tentativa de agradar à "DGV" norte-americana. Mas como se transpõe uma duna com uma distância entre eixos maior? Não transpõe. O Buggy ficar-se-ia pelas páginas da história Automóvel da segunda metade do século XX e tornar-se-ia um ícone de uma geração – o que, convenhamos, não é coisa pouca.

Buggy 100% elétrico
Buggy 100% elétrico Foto: Meyers Manx Inc

Uma versão 100% elétrica?

Bruce Meyers viria a ressuscitar a empresa – rebatizando-a Meyers Manx Inc. – e vendeu-a a um fundo que agora se prepara para lançar uma versão 100% elétrica. A carroçaria já não será fabricada em fibra de vidro, mas sim de carbono, o que não abona nada o preço final do novo modelo.

Também a plataforma do "Carocha" dará lugar a uma estrutura monobloco em alumínio. A substituir o motor flat-four original, dois motores elétricos (potência combinada 205 cavalos) serão instalados sobre o eixo traseiro, e entre este e o dianteiro repousará uma bateria de 20 kWh (ou de 40 kWh, a permitirem, respetivamente, 240 ou 480 km de autonomia). Quanto a datas: em 2023 sairá uma série pré-produção de 50 unidades, prevendo-se o início da produção em série em 2024. Quanto ao preço: ainda não está definido, mas a Meyers Manx aceita depósitos de reserva de 500 dólares, como sinal, e depois se verá em quanto ficará o Buggy EV.

Buggy 100% elétrico
Buggy 100% elétrico Foto: Meyers Manx Inc
Saiba mais Automóveis, EV, Dune Buggy, Volkswagen, Carocha
Relacionadas

Está na hora do tudo elétrico? – parte 1

O mundo automóvel vive em constante e acelerada mudança. De gadget mais ou menos curioso, o veículo elétrico evoluiu e tornou-se presença habitual na paisagem citadina. Mas terá chegado a altura de abandonar em definitivo o motor de combustão interna? Nesta primeira parte do artigo, analisemos a oferta atual de modelos 100% elétricos.

Está na hora do tudo elétrico? Ou será que é no meio que está a virtude? - parte 2

Depois dos 100% elétricos, uma segunda parte dedicada aos híbridos plug-in. O melhor de dois mundos (motor de combustão + elétrico) e uma fase intermédia, de transição entre a clássica mobilidade dita “térmica” (do motor de combustão interna) e a moderna, elétrica, de que se diz ser o futuro: sustentável, sem emissões, amiga do planeta.

Um Mustang de ligar à corrente? Sim, mas...

Descansem os puristas: o coupé e o cabrio Mustang ainda existem, estão bem e recomendam-se. Entretanto, está desvendado o mistério: por que carga de água foram dar este nome mítico a um EV? Deram e até nem deram mal.

Fiat 500: ‘la dolce vita’ aos 65 anos

Símbolo de uma Itália que se reerguia dos escombros da guerra, há seis décadas e meia este modelo assinalava também o renascimento do gigante industrial Fabbrica Italiana Automobili di Torino.

Mais Lidas
Drive Gasolina ou gasóleo? Eis a questão

Com os preços dos combustíveis de pernas para o ar – gasóleo mais caro que gasolina – a Mazda respondeu a esta pergunta "shakespeareana". Vejamos o que nos diz o teste a este CX-5 2.0, um gasolina que se comporta (quase) como um diesel.