Prazeres / Artes

‘The Fabelmans’. Steven Spielberg a gostar dele próprio

Não é que o resto do mundo não goste também do realizador. Como não gostar de quem realizou Tubarão, Os Salteadores da Arca Perdida, ou Apanha-me Se Puderes? A questão é que agora é o próprio a autocontemplar-se - o que é perfeitamente legítimo.

A carregar o vídeo ...
22 de dezembro de 2022 | Diogo Xavier

O mundo parece rendido, abre-se um site de Cinema e as reações parecem unânimes: "Steven Spielberg realizou o seu melhor filme dos últimos [inserir número à medida da hipérbole e do entusiasmo do autor] anos", "uma obra-prima", "uma declaração de amor ao Cinema e à família".

A parte da "declaração de amor ao Cinema e à família" parece não ter debate possível: The Fabelmans é um coming-of-age movie em que Spielberg olha para si mesmo desde o primeiro contacto que tem com o Cinema até ao momento em que, contra nenhuma expetativa whatsoever, acaba por entrar oficialmente nesse maravilhoso mundo da película em movimento. Isto não é propriamente spoiler, uma vez que os mais atentos saberão que Steven Spielberg viria a tornar-se mais tarde um dos mais profícuos e bem-sucedidos realizadores da Sétima Arte, sendo hoje um dos maiores nomes da história de Hollywood.

 Sam Fabelman ( Gabriel LaBelle) com a mãe Mitzy (Michelle Williams) e o pai Burt (Paul Dano).
Sam Fabelman ( Gabriel LaBelle) com a mãe Mitzy (Michelle Williams) e o pai Burt (Paul Dano). Foto: Universal Studios

O lendário realizador ensaia em The Fabelmans uma série de truques de sábio, daqueles que asseguram que um filme será acolhido exatamente como se pretende - e começa logo pelo prólogo: uma declaração, olhos nos olhos, do próprio dizendo à sua audiência (explicando, por um lado, advertindo, por outro) que aquilo que se segue é "uma carta de amor à sua família", e pronto, é certo e seguro que toda a gente (eu incluído) que escrever sobre o assunto não terá como contornar essa evidência, já que é uma espécie de alínea contratual: "Atenção, que isto que vocês vão ver é o meu filme mais pessoal, portanto tenham isso em conta." Termina esse prólogo com um sentido agradecimento a quem aceitou o desafio de ir ao Cinema - a uma sala de Cinema - ver o filme, contemplar a magia e sentir o ambiente único de um anfiteatro onde se projetam imagens e se comem pipocas. Não há como discordar de que aquele é e continuará a ser o melhor dos sítios para se ver um filme e se sentir a magia dos filmes, e tudo isto apesar das pipocas.

Steven Spielberg nas gravações do filme 'The Fabelmans'.
Steven Spielberg nas gravações do filme 'The Fabelmans'. Foto: Universal Studios

Em The Fabelmans, Spielberg concebe um retrato envolvente e, ao mesmo tempo, contemplativo e analítico do seu crescimento, do seu ambiente, da sua educação judaica e das várias mudanças ao longo da vida. No centro de uma narrativa composta por quadros, como se a cronologia se construísse em capítulos bem definidos, está a relação dos pais e, paralela a esta, a relação do próprio Steven - no filme, Sam (não Sammy: Sam) Fableman - com o Cinema, cuja magia descobre quando é levado a assistir, com apenas 6 anos, a O Maior Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille. A cena em que o comboio abalroa o carro e, em seguida, choca com uma composição parada na linha acaba por ser determinante para a obsessão do pequeno Sam - que começa por focar-se nos acidentes de comboios e que depois é transposta para a incrível possibilidade de gravar e repetir o que acontece.

"A cena em que o comboio abalroa o carro e, em seguida, choca com uma composição parada na linha acaba por ser determinante para a obsessão do pequeno Sam." Foto: Universal Studios

O fascínio pelo recurso a dispositivos capazes de registar imagens e de as repetir criando a ilusão do movimento nasce daí. O pai de Sam (Burt Fabelman, interpretado por Paul Dano), um engenheiro eletrónico que trabalha em computação e no desenvolvimento de computadores, explica ao filho, com detalhe técnico, exatamente como ocorre essa ilusão. A forma como o pai de Spielberg é retratado no filme encerra várias dimensões: se, por um lado, é a metáfora da América progressista de meados do século XX - ele desenvolve computadores, ele antecipa o futuro, ele contribui para esse futuro -, por outro é o estereótipo do pai conservador para quem as artes só podem ser um passatempo, um hobby, nunca uma profissão.

O pai de Sam (Burt Fabelman, interpretado por Paul Dano), um engenheiro eletrónico que trabalha em computação e no desenvolvimento de computadores, explica ao filho, com detalhe técnico, exatamente como ocorre essa ilusão.
O pai de Sam (Burt Fabelman, interpretado por Paul Dano), um engenheiro eletrónico que trabalha em computação e no desenvolvimento de computadores, explica ao filho, com detalhe técnico, exatamente como ocorre essa ilusão." Foto: Universal Studios

Esta postura conservadora atribuída à figura do pai cria um conflito com o filho, Sam/Spielberg, e cava um fosso, que vai crescendo, entre Burt e Mitzy (Michelle Williams), a mulher e mãe dos seus filhos, que tem espírito de artista. Mitzy é pianista e tem uma postura perante a vida completamente diferente do pragmatismo objetivo e técnico, em que tudo tem uma explicação e uma razão, uma causa e um efeito, que caracteriza o marido Burt. Para deixar bem claro que se tratam de espíritos diferentes, o realizador recorre, uma vez mais, a um truque maduro - SPOILER ALERT: perante um tornado que surge a determinada altura, Mitzy decide pegar em três dos quatro filhos (deixa para trás apenas a mais nova) e conduzir até ao meio da tempestade. Que desmiolada, esta Mitzy.

"Mitzy é pianista e tem uma postura perante a vida completamente diferente do pragmatismo objetivo e técnico, em que tudo tem uma explicação e uma razão, uma causa e um efeito, que caracteriza o marido Burt." Foto: Universal Studios

No meio de tudo isto, ou em paralelo, ou cruzado, dependendo da perspetiva e do momento do filme em que nos encontremos, há Bennie Loewy (um Seth Rogen entre o piloto automático e a contenção que lhe tira toda a graça), o amigo da família, colega de Burt desde os primeiros trabalhos, que é uma espécie de tio emprestado de Sam Fabelman.

Bennie Loewy (Seth Rogen, no lado esquerdo) é o amigo da família, uma espécie de tio emprestado de Sam Fabelman.
Bennie Loewy (Seth Rogen, no lado esquerdo) é o amigo da família, uma espécie de tio emprestado de Sam Fabelman. Foto: Universal Studios

É neste ambiente, e ao longo das várias fases da família Fabelman - fases que são determinadas pela evolução da carreira do pai Burt, que uma vez mais reflete o próprio desenvolvimento tecnológico americano -, que Sam/Spielberg vai filmando a sua adolescência desde muito cedo e, mais tarde, pequenos filmes de ficção escritos e realizados pelo próprio. A passagem por Phoenix, Arizona, e a mudança para a Califórnia (ambas verídicas) são retratadas em home movies, ao mesmo tempo que o pequeno Sam vai realizando as suas ficções, inspiradas, por exemplo, nas películas de John Ford. 

"A passagem por Phoenix, Arizona, e a mudança para a Califórnia (ambas verídicas) são retratadas em home movies." Foto: Universal Studios

O mais interessante nestas passagens e nestes elementos é que, sim, de facto, são mesmo autobiográficos - e, neste ponto, Steven Spielberg parece escrever, também, uma carta a si mesmo. Talvez uma carta a dar a si próprio os parabéns por ser tão brilhante e desde tão cedo. Os prémios que ganhou, ainda jovem, com os filmes que realizou de câmara na mão - terá realizado 15 a 20 filmes, no total, no registo mais independente que se possa imaginar -, são cristalizados e imortalizados em The Fabelmans, num exercício que tem tanto de legítimo quanto de autocongratulante.

É neste ambiente que Sam/Spielberg vai filmando a sua adolescência desde muito cedo e, mais tarde, pequenos filmes de ficção escritos e realizados pelo próprio.
É neste ambiente que Sam/Spielberg vai filmando a sua adolescência desde muito cedo e, mais tarde, pequenos filmes de ficção escritos e realizados pelo próprio. Foto: Universal Studios

Tudo visto, tudo somado e tudo contado, estamos perante uma obra que deixa sentimentos mistos. O que tem de interessante, o olhar cândido do próprio sobre os primórdios do seu percurso e as suas origens, acaba por ser, a espaços, beliscado pelo excesso de consciência cinematográfica - ok, talvez isso não seja, em si, um pecadilho, mas parece tirar genuinidade à história. Talvez o horizonte devesse ter sido corrigido mais cedo - e esta não pode ser explicada para não estragar a experiência a quem for ver ao Cinema (vão: ir ao Cinema valerá sempre a pena).

Saiba mais The Fabelmans, Steven Spielberg, Cinema
Relacionadas

Temos de falar sobre 'West Side Story', de Steven Spielberg

O premiado cineasta apresentou ao mundo a sua versão de um dos mais aclamados musicais de todos os tempos – talvez mesmo a mais inclusiva até agora. Muito para lá da história de amor nuclear, aqui fala-se de preconceito, violência e poder. Um espelho dos tempos modernos, atualmente nos cinemas portugueses.

Duas novas exposições a não perder na Underdogs

A 20 de janeiro inauguram, na Underdogs, as exposições de Halfstudio “A Journey” e de Tobias Gutmann,“I can do that too!”, que abordam temáticas contemporâneas ligadas à complexidade da condição humana.

5 cenas de filmes icónicos que quase não aconteceram

O cinema tem o poder de eternizar falas e momentos como poucas Artes o fazem. Do diálogo entre Joe Pesci e Ray Liotta em Goodfellas, ao monólogo de Robert DeNiro em Taxi Driver, saiba que há sempre espaço para improviso.

Mais Lidas
Artes 5 novos livros para curiosos e empreendedores

Bem-estar psicológico, criatividade, empatia. Felizmente estes são conceitos que já entram num léxico de um bom empreendedor, atento tanto às dinâmicas mundiais como aos sentimentos. Elegemos os livros que podem ajudar a aperfeiçoar uma visão mais clara dos negócios, partindo dessa perspetiva.

Artes As 10 melhores séries da Netflix segundo os críticos

O universo do streaming pode ser um pouco confuso, ao ponto de não sabermos que série escolher para ver, resultado da tamanha oferta que existe. Como tal, reunimos algumas das melhores séries da Netflix, avaliadas pelos críticos, para descontrair depois de um dia de trabalho ou relaxar numa tarde de fim de semana.

Artes Gina Lollobrigida. A vida da estrela italiana em fotografias

Partiu um dos maiores nomes do cinema italiano, aos 95 anos. Ao longo da sua carreira, Gina Lollobrigida participou em 60 filmes e ganhou sete David di Donatello, considerado o Oscar de Itália. La Lollo, como era conhecida, destacou-se em obras como "Pão, Amor e Fantasia" (1953) e "A Mais Bela do Mundo" (1955). Recordamo-la nesta fotogaleria.