Prazeres / Artes

Duas novas exposições a não perder na Underdogs

A 20 de janeiro inauguram, na Underdogs, as exposições de Halfstudio “A Journey” e de Tobias Gutmann,“I can do that too!”, que abordam temáticas contemporâneas ligadas à complexidade da condição humana.

Foto: Tobias Gutmann x “I can do that too!”
13 de janeiro de 2023 | Rita Silva Avelar
Uma das galerias mais cool e dinâmicas da cidade, a Underdogs, estreia duas exposições dedicadas a um dos temas mais complexos de sempre: a condição humana. No espaço principal da Galeria, o regresso do coletivo português Halfstudio "explora o conceito de jornada na sua dimensão enquanto processo de concretização", e no espaço Cápsula, o artista suíço Tobias Gutmann "propõe uma experiência que desafia a autoperceção e questiona a nossa relação com a tecnologia e a inteligência artificial", lê-se no comunicado das exposições.

Criações de Half-Studio: WIP.
Criações de Half-Studio: WIP. Foto: Criações de Half-Studio
A primeira, um projeto de Mariana Branco e Emanuel Barreira feito a partir sobretudo de letteringsign painting, chama-se "A Journey" e vai pedir a intervenção do visitante, convidando-o a experienciar, viver e reviver sentimentos, emoções e estados de espírito, através de um mapeamento demarcado em vinil no chão, "que indica uma trajetória que ilustra as fases por que passamos para chegar à concretização de uma ideia, de um sonho ou de uma transformação, abarcando tanto uma dimensão pessoal como universal". Os artistas criaram peças únicas que espelham a linguagem visual e criativa característica deste coletivo, "usando letras volumétricas e layouts dinâmicos com cores vibrantes e mensagens impactantes que nos revelam a natureza e o tom das diferentes fases da jornada."

Coleção anterior de Tobias Gutmann.
Coleção anterior de Tobias Gutmann. Foto: TobiasGutmann&SaiBot
No caso da segunda, a primeira mostra individual do artista suíço Tobias Gutmann, é feita a partir de inteligência artifical, através do Sai Bot, um robot que produz retratos em tempo real (tendo como base os milhares de desenhos que o artista tem criado desde 2012 no âmbito do seu projeto Face-o-mat). "O visitante que desejar ser desenhado pelo Sai Bot senta-se à sua frente e entra numa interação pessoal com o robot, que fala, fazendo perguntas enquanto processa traços e características, interpretando-os de forma abstrata". Um desafio total, que convida à introspeção e ao estímulo da interpretação pessoal. Tobias Gutmann já passou por instituições como o Centre Pompidou em Paris, o Museu Haus Konstruktiv em Zurique e o MUDAM no Luxemburgo. 
Experiência feita a partir de inteligência artifical, através do Sai Bote.
Experiência feita a partir de inteligência artifical, através do Sai Bote. Foto: Tobias Gutmann

Saiba mais Underdogs, Galeria, Halfstudio, Cápsula, Tobias Gutmann, Sai Bot
Relacionadas

‘The Fabelmans’. Steven Spielberg a gostar dele próprio

Não é que o resto do mundo não goste também do realizador. Como não gostar de quem realizou Tubarão, Os Salteadores da Arca Perdida, ou Apanha-me Se Puderes? A questão é que agora é o próprio a autocontemplar-se - o que é perfeitamente legítimo.

Mais Lidas
Artes 5 novos livros para curiosos e empreendedores

Bem-estar psicológico, criatividade, empatia. Felizmente estes são conceitos que já entram num léxico de um bom empreendedor, atento tanto às dinâmicas mundiais como aos sentimentos. Elegemos os livros que podem ajudar a aperfeiçoar uma visão mais clara dos negócios, partindo dessa perspetiva.

Artes As 10 melhores séries da Netflix segundo os críticos

O universo do streaming pode ser um pouco confuso, ao ponto de não sabermos que série escolher para ver, resultado da tamanha oferta que existe. Como tal, reunimos algumas das melhores séries da Netflix, avaliadas pelos críticos, para descontrair depois de um dia de trabalho ou relaxar numa tarde de fim de semana.

Artes Gina Lollobrigida. A vida da estrela italiana em fotografias

Partiu um dos maiores nomes do cinema italiano, aos 95 anos. Ao longo da sua carreira, Gina Lollobrigida participou em 60 filmes e ganhou sete David di Donatello, considerado o Oscar de Itália. La Lollo, como era conhecida, destacou-se em obras como "Pão, Amor e Fantasia" (1953) e "A Mais Bela do Mundo" (1955). Recordamo-la nesta fotogaleria.