Estilo / Relógios e Jóias

O regresso dos luxuosos relógios dos anos 70

A década de 70 está na moda com uma nova interpretação do luxo desportivo e colorido, uma tendência que a relojoaria nunca abandonou. Por isso, os relógios são o acessório do momento.

Steve McQueen no Les Mans com um TAG Heuer, 1971
Steve McQueen no Les Mans com um TAG Heuer, 1971 Foto: D.R.
21 de fevereiro de 2020 | Bruno Lobo

Os anos de 1970 estavam por todo o lado durante a mais recente semana de moda de Paris. Nas passerelles com nomes como Chloé, Céline ou Louis Vuitton, nas ruas, onde editoras de moda e influencers passeavam longos jeans brancos, calças boca de sino, de xadrez (ou boca de sino e de xadrez ao mesmo tempo), botas de cano alto, vestidos de seda plissados ou de ganga, óculos de aviador XL, trench coats e lenços ao pescoço. Tout-Paris aderiu à tendência nouvelle bourgeoise, incluindo a Bell & Ross que a partir da sede, junto à Avenue Kleber, revelou o BR05, a sua interpretação daqueles anos. A inspiração foi tão óbvia que não faltou quem se apressasse a gritar "Cópia!", ou a sussurrar "Nautilus dos pobres" porque a influência do famoso relógio da Patek Philippe era por demais evidente, embora não fosse complicado descortinar elementos de outros grandes clássicos da época, como o Royal Oak, da Audemars Piguet.

As críticas não foram inteiramente justas, até porque tendo um preço a rondar os €4.500, o Bell & Ross é, sem dúvida, mais democrático do que um Nautilus, de €60.000, mas não é definitivamente para "pobres". Além disso, em relojoaria nunca será difícil descobrir semelhanças entre diferentes modelos.

Pouco depois, foi a vez da Chopard revelar a coleção Alpine Eagle, baseada num modelo antigo e em aço com a bracelete integrada na caixa, como é apanágio da época, provando que os anos de 1970 estão mesmo de volta, se é que alguma vez foram a algum lado.

A década foi particularmente catastrófica para a indústria relojoeira e o quartzo por pouco não relegou a tradicional indústria mecânica para os livros da história, só que num panorama generalizado de falências e de despedimentos, algumas marcas escolheram arriscar, gerando uma das épocas mais criativas em termos de design com novos formatos de caixa e novas combinações de cores e de mostradores. Foi durante esses anos que o nome de Gerald Genta se tornou famoso. Já tinha criado modelos icónicos antes, como os Omega Constellation, em 1959, e voltou a fazê-lo, mais tarde, com o Pasha, de Cartier, em 1985, mas o seu trabalho durante esta década não tem paralelo. A ele se deve, entre outros modelos, o referido Nautilus, da Patek Philippe, em 1976, ou o redesign do Ingenieur, da IWC, nesse mesmo ano. Antes, em 1972, desenhou o Royal Oak, da Audemars Piguet (AP), e com este relógio inventou uma nova categoria, o relógio desportivo de luxo, onde estes se inserem. Hoje em dia parece óbvio, mas na altura existiam dois tipos de relógios, os elegantes em ouro e os relógios utilitários em aço para as classes menos favorecidas. O Royal Oak era em aço, sim, mas custava mais do que muitos relógios da Audemars no metal precioso. O sucesso foi de tal forma estrondoso que muitos outros modelos e marcas se lhe seguiram: a Vacheron Constantin apressou-se a lançar a génese da linha Overseas, a Girard Perregaux os Laureato, a IWC a refazer o Ingenieur ou a Patek a criar o Nautilus. E estamos apenas a citar os modelos que perduraram no tempo até aos nossos dias.

Audemars Piguet, Royal Oak

O Royal Oak (RO) é considerado o "primeiro relógio desportivo de luxo", um atributo que ninguém disputa. Desenhado por Geral Genta, em 1972, ganhou a alcunha de "jumbo" porque os 39 mm da caixa original eram considerados enormes para a altura. Hoje é um muito apreciado downsizing. O RO impôs-se pelo design inovador, marcado por uma caixa octogonal com oito parafusos (inspirados nos capacetes dos mergulhadores), pelo mostrador em tapisserie (entrelaçado) e pela perfeita integração entre caixa e bracelete em aço. Desde então o destino da AP ficou intimamente ligado a este modelo e mesmo que, nos anos subsequentes, se tenham adicionado novas complicações, materiais inovadores e acrescentado outra coleção (a Royal Oak Offshore), o modelo atual difere muito pouco desse jumbo original.

Audemars Piguet, Royal Oak
Audemars Piguet, Royal Oak Foto: D.R.

 



Bell & Ross, BR05

Se a inspiração nos modelos dos anos 1970, sobretudo no Nautilus, parece evidente, é claro que continua a existir uma linguagem comum com os outros modelos da Bell & Ross, como os BR 01 e BR 03. Ou seja, confirma-se que é muito mais do que uma mera cópia.

Bell & Ross, BR05
Bell & Ross, BR05 Foto: D.R.

 

Patek Philippe, Nautilus

O Nautilus foi desenhado em 1976 e, na altura, não faltaram comparações com o RO. Como o designer era o mesmo não podia ser acusado de plágio, mas o relógio não foi muito bem recebido para os lados da Audemars Piguet. Ainda assim, os dois modelos parecem bastante diferentes, pois se o Royal Oak se define pelas linhas retas e de arestas polidas, o Nautilus flui mais suave e curvilíneo. Ganhou também a alcunha de "jumbo" e por maioria de razão, pois tinha uma caixa de 42 mm. Com o tempo tornou-se a coleção desportiva da Patek e o seu estatuto é tão grande que quem quiser adquirir um, como o Calendário Anual apresentado em Basileia, tem de passar por uma longa lista de espera.

Patek Philippe, Nautilus
Patek Philippe, Nautilus Foto: D.R.

Vacheron Constantin, Overseas

Em relojoaria também existe uma Santíssima Trindade, composta por três históricas marcas: Vacheron, Patek e Audemars. Com o sucesso dos RO e os planos para apresentar o Nautilus, a Vacheron Constantin não podia ficar atrás dos seus rivais mais diretos e, em 1977, apresentou o modelo 222 porque nesse ano celebravam o 222.º aniversário. Erradamente, muitos atribuíram o design a Gerald Genta, quando na realidade foi desenhado por Jörg Hysek. Em 1996, o 222 evoluiu para a linha Overseas, mas o código genético continua bem evidente. 

Vacheron Constantin, Overseas
Vacheron Constantin, Overseas

 

Girrard Perregaux Laureato

A Girrard Perregaux foi outro nome histórico que apresentou um desportivo, logo em 1975. O Laureato esteve vinte anos em produção, renasceu em 2017, e é já a coleção com mais referências da marca, tanto para homem como para mulher.

Girrard Perregaux Laureato
Girrard Perregaux Laureato Foto: D.R.

Chopard, Alpine Eagle

Em 1980, no limiar da década, Karl-Friedrich Scheufele (hoje copresidente da Chopard, a par da irmã Caroline) desenhava o seu primeiro relógio, o St. Moritz. A Alpine Eagle é a reinterpretação desse modelo, feita não por ele, mas pelo filho, que assim se estreou nestas artes.

Chopard, Alpine Eagle
Chopard, Alpine Eagle Foto: D.R.

Chopard Happy Diamonds

Durante a citada década, a Chopard criou uma das suas assinaturas mais impressionantes com a coleção Happy Diamonds: diamantes que brincam, soltos, no mostrador ao longo do dia. A coleção continua presente e a ideia expandiu-se para a coleção Happy Sport – mais um grande símbolo do luxo desportivo.

Chopard Happy Diamonds
Chopard Happy Diamonds Foto: D.R.

Piaget Possession

Nos anos 70 ninguém criou relógios bracelete como a Piaget, seja no modelo Polo original, no masculino, seja nas muitas versões femininas, onde a marca de La Côte-aux-Fées brincava com as pedras coloridas no mostrador em perfeita sintonia com o espírito da época. De então e de agora, razão pela qual esses modelos voltaram a ser recriados na linha Possession.

Piaget Possession
Piaget Possession Foto: D.R.




TAG Heuer, Mónaco

Em 1969, a TAG Heuer, então apenas Heuer, lançava um dos seus modelos mais importantes, o Mónaco, que viria a afirmar-se na década seguinte "levado ao pulso" por ícones, como Steve McQueen, que não o dispensavam nas pistas de corrida. Apesar de lhe faltar alguns dos códigos da época, como o design integrado, partilha uma caixa fora do comum e mostradores coloridos, como se pode ver pelo modelo original e pela edição comemorativa lançada este ano, inspirada (naturalmente) nos seventies.

TAG Heuer, Mónaco
TAG Heuer, Mónaco Foto: D.R.




IWC, Ingenieur 

O Ingenieur nasceu em 1954, mas em 1976 o seu redesign foi entregue a Gerald Genta que adotou a caixa redonda do modelo original à sua nova filosofia. O resultado é um dos IWC mais procurados por colecionadores e a base para a recriação apresentada o ano passado.   

IWC, Ingenieur 
IWC, Ingenieur  Foto: D.R.
Saiba mais Bell & Ross, Céline, Royal Oak Offshore, Happy Diamonds, Louis Vuitton, Chloé, Paris, Tout-Paris, Avenue Kleber, Nautilus, Patek Philippe, Piaget Possession, Audemars Piguet, TAG Heuer
Relacionadas

O relógio favorito dos Óscares

A Rolex está ligada ao cinema há décadas: da presença dos seus relógios em filmes icónicos até ao apoio prestado pela casa suíça aos jovens realizadores através de um programa de mentores. Conheça esta história de amor entre duas formas de “contar” o tempo.

Mais Lidas
Relógios e Jóias Tradição e modernidade

Há mais de um século em busca da excelência, a Rolex tem contado a sua história a par da ligação ao mundo das artes e do desporto. É o caso do ténis, um desporto nobre e símbolo de charme.