Estilo

Como um perfume inspirou um colar de diamantes sem preço

Há 100 anos surgiu o primeiro frasco de Nº5, possivelmente o mais emblemático perfume da casa francesa – e da perfumaria. A fragrância inspira agora um colar de Alta Joalharia.

Foto: Chanel
11 de maio de 2021 | Joana Moreira

Apenas algumas gotas de Chanel Nº5 e nada mais. Terá sido essa a resposta de Marilyn Monroe a um repórter perante a questão do que usava para dormir. A ousadia da atriz norte-americana ficou célebre, tão célebre quanto o perfume, que se tornou um dos mais populares do mundo.

Agora, a propósito do centenário do seu lançamento, a marca decidiu fazer uma coleção de joalharia com 123 peças em homenagem à icónica fragrância. Entre elas está um colar de diamantes com 55,55 quilates, em diamantes e ouro branco. E está lá tudo: a silhueta retangular, a tampa, as referências que evocam o frasco que remonta a 1921. E, claro, o número da sorte, no peso (55,55) e no fecho do colar, um enorme 5 cravado com pequenos diamantes. A predileção pelo algarismo 5 vem desde o tempo de Gabrielle Chanel, fundadora da marca, que via no número algo de especial. Além de ser assumidamente o seu algarismo favorito, o perfume Chanel Nº5 foi também a quinta fragrância no repertório da marca. Foi também, como de resto várias das coleções da criadora, apresentada publicamente a 5 de maio.

De todas as peças criadas a propósito do centenário do perfume, é este colar o que está a gerar mais burburinho. É que o diamante central no colar em questão é agora o maior e mais valioso diamante numa peça de alta joalharia da maison. Além das dificuldades em acertar no peso, pelo preciosismo em atingir o 55,55, também o design da pedra foi trabalhado ao pormenor para que replicasse as proporções do frasco e fosse facilmente reconhecível enquanto inspiração da joia.

Colar de diamantes com 55,55 quilates, em diamantes e ouro branco, Chanel
Colar de diamantes com 55,55 quilates, em diamantes e ouro branco, Chanel Foto: Chanel

Apesar de todo o aparato em torno do colar – a marca garante que não entrará em competições de tamanho de diamantes – de nada valerá apostar no preço. Nem no da etiqueta nem do potencial leilão. Isto porque a peça não estará a venda. "É um marco histórico na história da Alta Joalharia da Chanel, e seria uma pena reservá-lo para apenas a um cliente", explicou Marianne Etchebarne, diretora geral do departamento de marketing da divisão de fine jewelry e relojoaria da marca, ao jornal The Telegraph. "Uma vez vendidas, nunca se vêem as joias. Por isso decidimos mantê-lo (o colar) como parte da história criativa da Chanel, para partilhar com muitas pessoas por todo o mundo", frisou.

Colar de diamantes com 55,55 quilates, em diamantes e ouro branco, Chanel
Colar de diamantes com 55,55 quilates, em diamantes e ouro branco, Chanel Foto: Chanel

Descartando-se a hipótese de venda, é certo que a peça estará habitualmente onde está parte do arquivo histórico e de património da marca francesa, na Place Vendôme, em Paris. Ocasionalmente, é possível que a peça surja num pescoço de alguma das celebridades embaixadoras da marca. Resta saber que ocasiões estarão à altura.

Saiba mais Chanel Nº5, Marilyn Monroe, artes, cultura e entretenimento, diamantes
Relacionadas

O Diabo está nos detalhes

Brad Pitt usa colares longos, Timothée Chalamet adora anéis, Harry Styles não dispensa as pérolas e Johnny Deep é fã de correntes e pulseiras. As joias sempre fizeram parte do guarda-roupa masculino e voltam agora a ser fundamentais.

O regresso dos luxuosos relógios dos anos 70

A década de 70 está na moda com uma nova interpretação do luxo desportivo e colorido, uma tendência que a relojoaria nunca abandonou. Por isso, os relógios são o acessório do momento.

Mais Lidas
Estilo Quer ser mais produtivo? Faça estas 11 coisas

Não interessa o que faz ou onde trabalha, todos nós estamos à procura de formas de ser mais produtivos no nosso dia-a-dia, por isso reunimos 11 formas de o fazer (mas esqueça desde já os litros de café e as pilhas de listas).

Beleza & Bem-Estar Qual a melhor hora para acordar no outono?

O final do horário de verão costuma ser sinónimo de menos energia, menos vontade de sair, e para alguns, sinónimo de depressão sazonal. Mas graças a um novo estudo, este outono pode ser diferente. Descubra a que horas é deve acordar, segundo os especialistas.