Viver

Trabalhar em casa pode ser mais eficiente

E feliz. Não somos nós a dizê-lo, mas sim várias pesquisas que comprovam que esta é uma forma eficaz de aumentar a produtividade. Especialmente em plena.

Foto: Roberto Nickson | Unsplash
12 de março de 2020 | Aline Fernandez

"Olá, estou ausente da redação…" As mensagens automáticas do e-mail profissional começam quase todas da mesma maneira. Mas e se o famoso out of the office fosse a norma? Uma pesquisa da Universidade de Sydney, Austrália, que reuniu 47.264 trabalhadores, descobriu que estes seriam mais felizes e mais produtivos se tivessem escritórios particulares. Dar flexibilidade e permitir que os funcionários trabalhem em casa deveria então ser a estratégia de management mais inteligente de todas – porque, convenhamos, oferecer um escritório particular é economicamente inviável. E são muitos os bónus, já que este é um movimento de fácil implementação, reduz os custos e, com o aumento rápido e permanente da produtividade, aumentariam as receitas.

Posto isto, deve estar a perguntar a si próprio porque sai de casa todos os dias para ir trabalhar, certo? A questão é que são muito poucas as estratégias de gestão que correspondem a estes critérios, embora muitas funcionem perfeitamente numa apresentação antiquada de PowerPoint, elas deixam a desejar quando postas em prática: controlo exagerado dos funcionários e horas extrapoladas do correspondente à folha de pagamento.

A cultura empresarial fala muito em aumentar a produtividade, mas são poucas a empresas que permitem que os seus funcionários trabalhem remotamente. Em plena pandemia de coronavírus – com cada vez mais casos confirmados em Portugal – reunimos cinco boas razões para realizar as suas funções de casa, caso tal seja possível:

  1. Reduz os custos das instalações

Começamos pelo óbvio. Permitir que os funcionários trabalhem em casa pode ser a melhor maneira de obter custos mais baixos com as instalações de um escritório open space sem comprometer a produtividade. De casa, cada um tem os seus móveis e paga as contas de água e luz.

  1. Serão menos dias descontados por licença e doença

Segundo o Bureau of Labor Statistics dos EUA, cerca de 2,8 milhões de dias úteis são perdidos a cada ano devido ao absentismo. Para algumas empresas, essa ausência pode representar uma perda de 1 milhão de dólares, cerca de 890000 de euros todos os dias.

Geralmente as pessoas são mais propensas a trabalhar de casa quando estão doentes, porque economizam o stress de andar de um alado para o outro e de interagir com outros funcionários. Numa crise epidémica do coronavírus este facto fica mais em evidência, quando alguém se mantém confinado não transmite doenças ou germes aos colegas de trabalho, o que pode ser uma grande batalha em escritórios open space, onde um único espirro pode lançar milhões de gotículas no ar.

  1. Reduz as taxas de rotatividade de funcionários.

O custo da rotatividade de funcionários é grande. Calcula-se que, a depender do recrutamento, o valor da contratação e do treino de um substituto após a saída de um trabalhador pode custar até dois anos completos de salário desse funcionário. Num estudo publicado pela Harvard Business Review, os funcionários do call center do site de viagens chinês Ctrip tiveram a opção de se voluntariar para trabalhar em casa durante nove meses. A empresa dividiu-se pela metade, e o estudo concluiu que os funcionários que trabalharam de casa relataram uma satisfação no trabalho muito maior e "a taxa de rotatividade caiu para metade", afirma o professor da Universidade de Stanford Nicholas Bloom.

Além disso, o trabalho remoto pode facilitar à equipa dos Recursos Humanos o recrutamento de novos funcionários. Se pensar que os jovens candidatos às vagas são Millennials ou da geração Y (nascidos entre 1981 – 1996), a tarefa será mais fácil – já que, de acordo com um estudo de 2018 da Universidade de Akron, em Ohio, nos Estados Unidos da América, "41% deles afirmam que preferem a comunicação via eletrónica, em vez de pessoalmente ou por telefone."

Outra pesquisa divulgada pela Gallup em fevereiro deste ano constatou consistentemente que " horários flexíveis e oportunidades de trabalhar em casa desempenham um papel importante na decisão de um funcionário de aceitar ou deixar um emprego", escreveu a agência de pesquisas num relatório sobre essas e outras descobertas no local de trabalho.

Dadas as evidências, mais funcionários norte-americanos estão a trabalhar remotamente e estão a fazê-lo por períodos mais longos. No ano passado, segundo uma pesquisa com mais de 15000 adultos, 43% deles passaram pelo menos algum tempo a trabalhar longe do escritório, o que representa um aumento de 4% desde 2012. "Os funcionários estão a pressionar as empresas a quebrar as estruturas e políticas estabelecidas há muito tempo que tradicionalmente influenciam os seus dias de trabalho", lê-se no estudo da Gallup, uma empresa de pesquisa.

  1. Reduz os custos com os trabalhadores

As despesas para além do ordenado são um desafio para as pequenas empresas, consumindo até 30% da receita bruta de e mais (muito mais) se se tratar de uma startup ou pequena empresa. Trabalhar em casa elimina muitas horas e custos por semana gastos com deslocamento e alimentação.

  1. Aumentará consideravelmente a produtividade dos funcionários

No mesmo artigo da Harvard Business Review mencionado em cima, concluiu-se que "as pessoas que trabalharam em casa completaram 13,5% mais chamadas [do call center] do que a equipa do escritório – o que significa que a empresa recebeu quase um dia de trabalho extra por semana [com estas pessoas]", ressalta Nicholas Bloom.

Já no estudo da Gallup, descobriu-se que os funcionários que trabalham em casa três a quatro dias por semana têm 33% mais hipóteses de se "sentirem envolvidos" e são 15% menos propensos a sentirem-se "não envolvidos" do que os funcionários que reportam ao escritório a cada dia. "Apesar do tempo adicional longe de gerentes e dos colegas de trabalho, é provável que todos os funcionários concordem firmemente que alguém no trabalho se preocupa com eles como pessoa, incentiva o seu desenvolvimento e conversou com eles sobre o seu progresso", lê-se no relatório.

A maioria das indústrias, no entanto, ainda não adotou a ideia. Os mais propensos a aceitarem o trabalho remoto são as indústrias financeira, de seguros e imobiliária. Nessas áreas, e entre 2012 e 2016, os funcionários que trabalham remotamente de vez em quando aumentou pelo menos 8% e totaliza já 47% de todos os colaboradores. Recorde que, em 2013, a Yahoo recebeu muita atenção na imprensa quando procurou trazer de volta aos escritórios os seus trabalhadores. Em outubro do ano passado, a Aetna, gigante dos seguros conhecida por adotar trabalho remoto, fez o mesmo.

Saiba mais home office, trabalhar, casa, remoto, flexibilidade, produtividade
Relacionadas

Bill Gates, o homem que quer salvar o mundo

Foi fantástico fazer programação, gerir a Microsoft e ganhar 98 mil milhões de dólares quando tinha 40 anos, mas não se compara ao que Bill Gates faz agora ao salvar milhões de vidas. E é um homem sensível que pode chorar com facilidade. Fomos à Etiópia com o filantropo, a fim de descobrir o que realmente o motiva – e o que faz para relaxar após um período de trabalho ou de tensão.

Conduza uma reunião de trabalho sem perder tempo

A vida são dois dias. Uma reunião mal preparada e conduzida podem ser três ou mais. Descubra como evitar o desperdício de tempo e de energia, e consiga conduzir reuniões eficazes com resultados que falam por si.

11 regras para trabalhar em casa (e não dar em maluco)

A sua empresa prepara-se para o mandar trabalhar para casa – se é que já não foi – mas fazê-lo pode não ser muito fácil, especialmente para quem não está habituado. Aqui ficam 11 regras para ser (ainda) mais produtivo.

10 Ideias originais para um Dia do Pai em quarentena

Se seguiu as recomendações de distância social e confinamento para evitar o novo coronavírus, provavelmente não foi a tempo de comprar um presente ao seu pai. Contudo, há muito que pode ser feito para celebrá-lo.

Mais Lidas
Viver Sexo casual é bom e recomenda-se?

Vergonhoso e sem importância, é com esta fama às costas que tem vivido o termo (e a prática) referente a sexo ‘casual’. No geral, são vários os motivos apontados. Em particular e visto à lupa, esta escolha parece não representar nada de errado. Formalismos à parte, é claro.

Viver O Fim da Humanidade?

A inteligência artificial já está a ficar com os nossos trabalhos. Irá libertar-nos, escravizar-nos ou exterminar-nos? O Professor Stuart Russell, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, acredita que estamos numa encruzilhada perigosa.

Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.