Viver

Diploma ou aptidões? O que importa para os empregos do futuro

De acordo com um estudo feito nos EUA, 93% dos freelancers com uma licenciatura afirmou que as formações em que participaram já no mercado de trabalho foram mais úteis do que a universidade.

Michael Gladis, Vincent Kartheiser, Rich Sommer, e Aaron Staton na série "Mad Men" (2007)
Michael Gladis, Vincent Kartheiser, Rich Sommer, e Aaron Staton na série "Mad Men" (2007) Foto: IMDb
18 de março de 2020 | Vitória Amaral

O ritmo acelerado da inovação tecnológica e socioeconómica está a transformar as indústrias, mudando também as competências de que os trabalhadores necessitam e encurtando, ao longo deste processo, a vida útil daquelas até à data adquiridas pelos mesmos. Nos setores em maior mutação como, por exemplo, a robótica, em vez de substituir completamente as categorias profissionais, a reestruturação do setor tende a substituir tarefas específicas anteriormente executadas, libertando os trabalhadores para se focarem em diferentes objetivos e aprenderem rapidamente as competências básicas da sua nova função.  

O estudo, intitulado Freelancing in America, realizado em 2018 mas apenas publicado na passada quarta-feira, revelou que os freelancers (atualmente o segmento que cresce com maior velocidade dentro do mercado de trabalho) dão mais valor à aquisição contínua e infinda de competências: dos 6 001 trabalhadores norte-americanos com diploma universitário que foram questionados, 93% diz que as formações feitas no trabalho foram mais úteis do que o conhecimento adquirido na universidade, enquanto 79% afirmaram que a universidade foi de facto útil para o seu emprego atual. Destes, 70% eram freelancers a tempo inteiro que afirmaram ter participado em formações profissionais nos últimos seis meses, comparado a apenas 49% de quem trabalha a tempo inteiro fora do freelancing.

Este é o quinto estudo conduzido pelas empresas Edelman Intelligence, a Upwork e a organização Freelancers Union. As novas conclusões apontam para algo mais abrangente do que o mercado de trabalho, consequência da mudança tecnológica dos últimos anos.

De um ponto de vista geral, os diplomas ainda são vistos como carimbos de competência garantida. Tendem a criar uma sensação de segurança, perpetuando a ilusão de que o trabalho- e o conhecimento que requer- é estático, o que nos dias que correm não é. Um relatório do World Economic Forum (WEF) realizado em 2016 revelou que "em muitas indústrias e países, as ocupações ou especialidades mais procuradas não existiam há 10 ou 5 anos, e o ritmo de mudança só tende a acelerar".

Essa mesma mudança veio para ficar. Segundo a WEF, 65% das crianças que hoje entram na escola primária vão acabar em empregos que ainda não existem. Estas novidades não são exclusivamente académicas, basta olhar para os nossos pais e avós que tiveram, em média, um emprego durante toda a vida, enquanto a tendência atual é de passar por vários ao longo da vida. As previsões da WEF apontam mesmo para que se tenham vários trabalhos em simultâneo.

E as empresas estão e entrar na onda. No ano passado, a PwC iniciou um programa piloto que permitia a pessoas com o ensino secundário trabalhar como contabilistas e consultores em gestão. Igualmente, o site de emprego Glassdoor publicou uma lista de 15 empresas que não pedem um diploma, que incluía gigantes da tecnologia como a Apple, IBM ou a Google. O site ainda afirmou que "há cada vez mais empresas que oferecem empregos bem pagos para quem prosseguiu estudos alternativos ou tem apenas o diploma do secundário".

No entanto, a universidade está longe de ser um desperdício de tempo e dinheiro. A diferença é que cada vez mais se está a tornar num mercado direcionado para as capacidades, e nenhuma universidade poderá isolar os seus estudantes da imprevisibilidade que o progresso tecnológico nos traz. Com ou sem diploma, a mentalidade de que o processo de aprendizagem nunca termina é algo a considerar.

Saiba mais freelance, trabalho, mercado, competências, soft skills
Relacionadas

11 regras para trabalhar em casa (e não dar em maluco)

A sua empresa prepara-se para o mandar trabalhar para casa – se é que já não foi – mas fazê-lo pode não ser muito fácil, especialmente para quem não está habituado. Aqui ficam 11 regras para ser (ainda) mais produtivo.

Mais Lidas
Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.