Viver

Mark Lanegan, o rock salvou-lhe a vida e tornou-o imortal

De “melhor amigo de Kurt Cobain” a “sucessor de Tom Waits”, passando por “antigo presidiário” ou “ex-toxicodependente”, seriam muitos os epitáfios possíveis para um dos maiores anti-heróis da história do rock.

Foto: Getty Images
24 de fevereiro de 2022 | Miguel Judas

O percurso musical de Mark Lanegan confunde-se com grande parte da história do rock alternativo americano das últimas três décadas e querer resumi-lo, na hora do seu desaparecimento, a mera figura (mais ou menos) secundária do Grunge é a maior injustiça que lhe poderia ser feita. É caso para dizer que o rock lhe salvou a vida.

Depois de ter estado preso durante um ano, por crimes relacionados com droga, foi num curso de prevenção para a toxicodependência que Mark Lanegam conheceu Van Conner, o baixista com quem viria a formar os Screaming Trees. E foi enquanto líder desta banda, na viragem das décadas de 80 para 90, que se tornou num dos protagonistas do renascimento do rock, por via do grunge. Histórias recordadas no livro de memórias Sing Backwards And Weep, editado há pouco mais de um ano e dedicado a este período, que o próprio classificou como "muito sombrios", aquando da última passagem por Portugal, em outubro de 2019, ao recordar a morte dos amigos Kurt Cobain (dos Nirvana) e Layne Staley (dos Alice in Chains), das quais, confessou, "nunca recuperou totalmente".

"Foram anos muito negros para mim, durante os quais fiz muitas coisas de que não me orgulho", assumiu, recordando os tempos de toxicodependência e criminalidade, quando chegou a viver na rua, como sem-abrigo. Seria Courtney Love, a viúva do velho amigo Kurt Cobain, de quem era "uma espécie de irmão mais velho", a levá-lo para uma clínica de reabilitação, que lhe permitiu "renascer" enquanto pessoa e artista. "Perdi dois dos meus melhores amigos nessa altura, o Kurt Cobain e o Layne Staley, que eram das pessoas mais talentosas que alguma vez conheci. Ao contrário de mim, eles não sobreviveram e foi por isso que tentei ser o mais honesto possível no livro, porque apesar do sucesso, foram tempos muito duros. Foi um amigo que me convenceu a fazê-lo e não me arrependo, mas nunca mais quero lá voltar", contou.

Além dos Screaming Trees, que o elevaram ao estatuto de figura tutelar do grunge, fez parte dos Mad Season e dos Queen of the Stone Age, colaborou com nomes como Twilight Singers, Mondo Generator ou Moby e assinou ainda diversos álbuns em conjunto com Isobel Campell (antiga vocalista dos Belle and Sebastian) e Greg Dulli, dos The Afghan Whigs, com quem formou a dupla The Gutter Twins. Foi no entanto a solo que a sua voz rouca de barítono, mais sobressaiu, através de uma extensa (e bastante variada) discografia em nome próprio, que lhe valeu a comparação a mestres como Tom Waits ou Leonard Cohen.

Para a história ficou também a participação no último álbum dos portugueses Dead Combo, de quem acabaria por se tornar amigo pessoal, tendo atuado em diversos espetáculos da banda de Tó Trips e Pedro Gonçalves, incluindo um no festival Paredes de Coura, também em 2019. "Se estivesse sempre a fazer o mesmo, isso não seria desafiante para mim enquanto artista. Nunca tive qualquer problema em assumir as minhas variadas influências musicais, mesmo que isso resulte em álbuns bastante diferentes, como os que tenho feito ao longo da minha carreira a solo", referiu então.

O último capítulo da profícua carreira a solo foi Straight Songs of Sorrow, um disco editado em 2020 e ainda influenciado pela escrita das dolorosas memórias. Faleceu esta semana, aos 57 anos, de causa desconhecida. Houve quem escrevesse que o seu desaparecimento marcava o fim de uma era, muito embora Mark Lanegan nunca tenha vivido de glórias passadas. E, na hora da partida, talvez seja esse o maior elogio que lhe possa ser feito, o modo como sempre se soube reinventar, sem nunca deixar de ser quem foi. E, agora, tal como Kurt ou Stanley, também Mark se tornou imortal.

Saiba mais Mark Lanegan, Grunge, Screaming Trees, Kurt Cobain, Layne Staley, artes, cultura e entretenimento
Relacionadas

Temos de falar sobre 'West Side Story', de Steven Spielberg

O premiado cineasta apresentou ao mundo a sua versão de um dos mais aclamados musicais de todos os tempos – talvez mesmo a mais inclusiva até agora. Muito para lá da história de amor nuclear, aqui fala-se de preconceito, violência e poder. Um espelho dos tempos modernos, atualmente nos cinemas portugueses.

Adeus, Hollywood. 9 atores que se reformaram antes de tempo

Será Hollywood o local encantado onde todos os artistas aspiram chegar? Acredite ou não, há quem prefira enveredar por outros caminhos, afastando-se das luzes da ribalta. Reunimos algumas estrelas de cinema que escolheram deixar o grande ecrã (e os filmes que levaram a tal decisão).

Mais Lidas
Viver A vida de Vladimir Putin em fotografias

É hoje líder de um dos países mais poderosos do mundo, mas nem sempre foi assim. Nasceu em outubro de 1952, em Leninegrado, hoje São Petersburgo. Durante o percurso académico, ingressou no Partido Comunista da União Soviética, onde ficou até à sua ilegalização. Com 23 anos obteve o diploma do curso de Direito e integrou os serviços secretos KGB. Foi nomeado vice-presidente do gabinete presidencial russo em 1997. Dois anos depois alcançava o cargo de primeiro ministro e, passadas duas décadas, ainda se mantém no poder. Tem atualmente 70 anos.