Viver

Esta é a solução para combater a solidão durante a pandemia

Um estudo recente aponta o mindfulness, o Tai Chi e até cães ou focas robóticas como possíveis respostas para melhorar a saúde mental em tempos de covid-19.

Foto: Merrick Morton - © 2013 - Untitled Rick Howard Company LLC / IMDB
06 de abril de 2021 | Marta Vieira

Entre os vários problemas que aumentaram com a pandemia, a solidão e o isolamento social parecem ocupar patamares de destaque, sobreduto nas faixas etárias mais velhas.

Agora, uma investigação da Universidade de Cambridge, ao qual o The Guardian deu destaque, analisou 58 estudos diferentes sobre a solidão, destacando intervenções que poderiam fazer sentido no momento de pandemia vivido. Isto é, técnicas e ações que poderão ser adaptadas a quem está sob confinamento e que, para além disso, se sente sozinho.

A investigação regeu-se por alguns requisitos como a análise limitada a participantes em contexto não hospitalar; a procura de intervenções exequíveis no contexto da covid-19, para reduzir a solidão e/ou isolamento; e ainda a busca por grupos de controlo relevantes.

O investigador Christopher Williams liderou esta revisão sistemática. As suas descobertas, ainda que com algumas limitações, permitiram não só encontrar algumas soluções para este problema atual como apontar para linhas futuras de investigação.

As conclusões parecem indicar que os resultados mais eficazes para combater a solidão e o isolamento implicam a combinação de intervenções tanto psicológicas como educacionais. 

No campo da psicologia a equipa encontrou uma série de terapias úteis, como o mindfulness e a meditação mas também o tai chi ou a terapia do riso. Já na educação, descobriram-se importantes abordagens potenciadoras da integração social e que usam a amizade como recurso. Sempre com foco no bem-estar social do individuo.

Mas também se sugerem técnicas mais fora-da-caixa com efeitos positivos, sobretudo numa população mais idosa, disposta em lares, de onde a maioria destes estudos retirou as suas conclusões. Falamos de cães robóticos de companhia ou focas bebés também robóticas, por exemplo .

No entanto, Christopher Williams e a sua equipa avisam para possíveis limitações da sua investigação como a falta de literatura que foque a problemática da solidão e isolamento nas camadas mais jovens; em minorias éticas; em pessoas economicamente desfavorecidas ou, por exemplo, em pessoas sem acesso a internet ou tecnologia, consideradas analfabetas digitais.

Saiba mais atualidade, estudo, pandemia, Covid-19, solidão, isolamento social, idosos, soluções mindfulness, terapia do riso, tai chi, robots
Relacionadas

Estes objetos de luxo não são o que parecem

E se pudesse ter malas de viagem que substituíssem uma divisão da casa a qualquer momento e em qualquer lugar? Descobrimos as edições especiais perfeitas para ter tudo preparado como um passo de magia.

Mais Lidas