Prazeres / Sabores

Vinhos para esquecer as segundas-feiras

Há quem diga que janeiro equivale às segundas-feiras, mais difícil, custoso e demorado. Nada como desmontar a perceção com três tintos durienses todos da região do Cima Corgo, e mais dois que descem pelo Dão até ao Alentejo. Para concluir, um branco dos verdes com uma casta típica.

Foto: Unsplash
20 de janeiro de 2023 | Augusto Freitas de Sousa

Grainha Reserva Tinto 2021

Já com a nova imagem, este tinto da casa Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo com enologia de Jorge Alves e Mafalda Machado, nasce nas terras altas do Cima Corgo feito com as castas Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Barroca e Touriga Nacional. Em modo de produção integrada, com vindima manual, foi elaborado sem colagem, 100% desengaçado e estagiou 11 meses em barricas de carvalho francês (70% usadas e 30% novas). €14,99

Grainha Reserva Tinto 2021
Grainha Reserva Tinto 2021 Foto: D.R

Ravasqueira Premium Tinto 2014

Um regional alentejano feito com as variedades Syrah, Touriga Nacional, Touriga Franca, Aragonês e Alicante Bouschet pela equipa de enologia de David Baverstock e Vasco Rosa Santos. Viticultura de precisão em 2014 com uvas vindimadas manualmente. Tapete de escolha, maceração a frio em lagares e fermentação longa de 12 dias. Estágio de 24 meses em barricas novas de carvalho francês e posterior estágio de um ano em garrafa. €55

Ravasqueira Premium Tinto 2014
Ravasqueira Premium Tinto 2014 Foto: D.R

Quinta do Pôpa Vinhas Velhas 2017

Da sub-região do Cima Corgo, no Douro, da série vinhos de parcela, definida pela família Ferreira em parceria com a equipa de enologia, um tinto com mais de 21 castas distintas de vinhas com 90 anos. As uvas foram desengaçadas e seguiram, sem esmagamento, para o lagar, onde foram pisadas a pé, onde ocorreu a fermentação. O estágio dividiu-se em: 65% do lote estagiou em barricas novas durante sete meses e 20% em barricas usadas durante 10 meses, todas de carvalho francês e de 225 litros. Os restantes 15% em cubas de inox. €29,90

Quinta do Pôpa Vinhas Velhas 2017
Quinta do Pôpa Vinhas Velhas 2017 Foto: D.R

Barão do Hospital Loureiro 2021 

Um vinho DOC Verde feito com as castas Loureiro (85%) e Alvarinho (15%). Proveniente de solos graníticos, este branco foi vindimado manualmente em caixas de 15 quilos. As uvas foram arrefecidas, seguindo-se um suave desengace e maceração pelicular durante algumas horas a baixa temperatura. Após a prensagem, o mosto foi clarificado por decantação e fermentado a temperatura controlada, mantendo-se o vinho sobre as borras finas. €8,49

Barão do Hospital Loureiro 2021 
Barão do Hospital Loureiro 2021  Foto: D.R

Taboadella Alfrocheiro Reserva 2020 

Um monocasta do Dão da família Amorim, elaborado exclusivamente com a casta Alfrocheiro com enologia de Jorge Alves e Rodrigo Costa e viticultura de Ana Mota. As uvas foram 100% desengaçadas por vibração e o estágio ocorreu 20% em barrica nova de 500 litros de carvalho francês e os restantes 80% em barrica de segundo ano de 500 litros de carvalho francês, durante nove meses. Foram produzidas 10 mil garrafas. €16,99 

Taboadella Alfrocheiro Reserva 2020 
Taboadella Alfrocheiro Reserva 2020  Foto: D.R

Quinta de São Luiz Vinha Rumilã Grande Reserva Tinto 2017

Um vinho da casa-mãe Kopke proveniente de uma pequena parcela centenária, com enologia de Ricardo Macedo. A produção muito reduzida destas vinhas velhas com mais 100 anos foi combinada com um estágio de dois anos em madeira e outros dois em garrafa. Uma edição numerada de 1.223 garrafas com colheita manual e uvas selecionadas na própria vinha. A fermentação alcoólica decorreu sem esmagamento dos bagos e com 20% de engaço em cascos de rotativos de 500 e 600 litros. €70

Quinta de São Luiz Vinha Rumilã Grande Reserva Tinto 2017
Quinta de São Luiz Vinha Rumilã Grande Reserva Tinto 2017 Foto: D.R
Saiba mais Vinhos, Enoturismo, Janeiro
Relacionadas

6 vinhos para aquecer a alma

Num mês que se prevê rigoroso, os trabalhos no campo nunca param. É a altura da poda, uma das operações mais delicadas e importantes para o crescimento das uvas. Só para quem sabe. Quatro tintos do Alentejo, Lisboa e Douro, um branco alentejano da Madeira e um duriense feito de tradição e terroir.

Mais Lidas
Sabores Vinhos para beber no mês mais curto do ano

Foi uma imposição do imperador romano César Augusto que um dos dias de fevereiro passasse para agosto porque antes o mês tinha 29 dias (30 nos anos bissextos). Enfim, é empo suficiente para provar três tintos do Douro, Dão e Alentejo, um champanhe clássico, um Porto de Favaios e um branco de Monção e Melgaço.