Prazeres / Sabores

Myndru, um alentejano surpreendente e gastronómico para uma época especial

O Myndru, nascido na Herdade Aldeia de Cima, é um vinho que os antigos podiam ter feito. Mas é também um vinho de incrível elegância e modernidade, perfeito para uma ocasião única.

Vinho Myndru
Vinho Myndru Foto: Aldeia de Cima
22 de dezembro de 2021 | Bruno Lobo

"O lote? O lote foi feito pelo senhor Fernando", brinca o enólogo Jorge Alves, referindo-se ao antigo proprietário de uma vinha velha, plantada no sopé da Serra do Mendro e recentemente adquirida por Luisa Amorim e Francisco Rêgo. É aqui, neste território muito particular, um daqueles tesouros que o nosso Portugal vínico ainda guarda, que nasce o Myndru.

Vinhas velhas, com castas típicas como o Alfrocheiro e a Tinta Grossa, que a equipa de enologia da Aldeia de Cima sublimou, com "muito pouca intervenção, mas afinamentos cirúrgicos e certeiros". Afinal, o prazer está nos pormenores, e o mais visível terá mesmo sido a inclusão de um pouco de Baga ao lote original que estava no terreno. Esta trouxe mais frescura e acidez natural, complementando muito bem o vigor do Alfrocheiro e o aroma exótico da Tinta Grossa. O lote, afinal, parece que foi mesmo feito a meias...

Cevadeira
Cevadeira Foto: Aldeia de Cima

A Aldeia de Cima tem uma das mais bonitas e bem equipadas adegas da região, um laboratório perfeito para fazer evoluir os vinhos e, neste caso, estagiaram 12 meses em ânforas de gesso de 1000 litros, e de barro de 150 litros, sem madeira como se fazia antigamente na região. E se o Alfrocheiro costuma ser uma casta de cor forte, teve aqui pouca maceração, já que o resultado é um vinho de cor suave e muito agradável à vista. No nariz é vivo e na boca sobressaem as notas térreas, que ligam tão bem com a carne. Mas é também um vinho "de contemplação", como também contava Jorge Alves, enólogo da Aldeia de Cima (e também da Taboadella e da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo), sugerindo assim que ficaria muito bem a solo, para ir apreciando. Na dúvida, um vinho para ir bebendo demoradamente, em amena cavaqueira à mesa e bem acompanhado por uns petiscos.

Myndru, o vinho de um Alentejo ancestral

HAC Myndru 2019
HAC Myndru 2019 Foto: Aldeia de Cima

Trata-se de um vinho de uma elegância muito especial, resultado de um microterroir de vinhas velhas, capazes de produzir apenas quantidades muito reduzidas. Por isso só existem 2000 garrafas, o que só acentua a sua preciosidade. €70 

Herdade Aldeia de Cima Reserva Tinto 2019

 HAC Reserva Tinto 2019
HAC Reserva Tinto 2019 Foto: Aldeia de Cima

Se os seus gostos vão para um vinho de perfil clássico, com poder e concentração, então a escolha deve recair no Reserva da Aldeia de Cima. Com Trincadeira, Alfrocheiro, Alicante Bouschet e Aragonês, é um vinho que mais facilmente associamos ao Alentejo, apesar da frescura evidente. € 15,20

Saiba mais Myndru, Serra do Mendro, Aldeia de Cima, Alentejo
Relacionadas

Dos €9 aos €5000, vinhos para preparar o Natal

A dias da chegada do inverno, o vinho é sinónimo de conforto e prazer, em casa com a família, com amigos num bar ou restaurante numa ordem que se pode sempre inverter. Dois tintos do Alentejo, mas de terroirs diferentes, dois premiados na Bairrada e no Tejo, um tinto “da casa” e um Porto exclusivo. Para provar e saborear.

Era uma vez Pedro & Inês - e um rosé cor de sangue

O Hotel Quinta das Lágrimas em Coimbra celebra um quarto de século com um brinde muito especial: um vinho do Dão, em edição limitada, faz uma belíssima entrada de Natal. Apreciá-lo mais tarde, é outra possibilidade, afinal, os rosés também se guardam…

6 vinhos para celebrar o fim de ano

Uma seleção que conta com dois vinhos feitos a partir de uma única casta, mas de regiões bem diferentes. Uns “autênticos” do Dão e do Douro, e um alentejano que desafia o habitual. Ainda um Porto que comemora duas décadas de atividade.

Branco, tinto ou rosé? Os destaques do início do ano

Numa altura de frio e de menos trabalho no campo, a poda nas vinhas não pode esperar. Técnicas que potenciam a qualidade como a do tinto na região que tem dado que falar: beira interior. Dois rosés do Tejo e Douro, um branco também duriense, um licoroso do Pico e um espumante de uma casa centenária.

Mais Lidas
Sabores Branco, tinto ou rosé? Os destaques do início do ano

Numa altura de frio e de menos trabalho no campo, a poda nas vinhas não pode esperar. Técnicas que potenciam a qualidade como a do tinto na região que tem dado que falar: beira interior. Dois rosés do Tejo e Douro, um branco também duriense, um licoroso do Pico e um espumante de uma casa centenária.

Sabores Vinhos para começar com o pé direito

Numa altura em que se fazem promessas e se pensa no futuro, a frase de Benjamim Franklin vem a calhar: “Toma conselhos com o vinho, mas toma decisões com a água”. Para a primeira parte, as propostas são dois tintos e um branco do Douro e do Alentejo, dois brancos bem díspares e um tinto.