Prazeres / Drive

Ter um SUV está in

A moda dos SUV não pára, mesmo nas marcas mais exclusivas. Urus, Bentayga ou Velar são nomes de SUV exclusivos que significam potência e luxo nas alturas.

Foto: Lamborghini
04 de maio de 2020 | João Tomé

Os SUV estão mesmo na moda. E se a moda, para alguns, podia parecer passageira, há uns anos, quando o Nissan Qashqai começou a tornar-se um sucesso de vendas mundial, hoje sabemos que os SUV são uma tendência que continua a crescer de forma vertiginosa. Ah, e são cada vez mais abrangentes e luxuosos. Ao contrário do que vemos na moda, em que as tendências mudam de estação para estação, no mundo automóvel, os SUV estão a tornar-se reis e senhores dos carros com sex appeal. Só em 2017 foram lançados, em Portugal, 27 novos SUV e as vendas tiveram um crescimento de 50% neste tipo de modelos. E o que são os SUV? Os Sports Utility Vehicle são uma espécie de jipes domesticados, mais prontos para a cidade, embora tenham uma posição de condução alta e uma altura ao solo elevada. Vamos nas alturas! Há várias variantes, tamanhos, segmentos e estilos, ao ponto de existirem mesmo os SUV Coupé, com ar mais desportivo, como o BMW X6 ou o Mercedes GLC. Em 2015, os SUV já significavam 22,9% das vendas mundiais de automóveis e, em 2017, bateram o recorde, com 36,8% das vendas – cerca de 25 milhões de carros. Estima-se que, até 2031, o total atingirá os 42 milhões por ano.

Lamborghini Urus: Super SUV

Pertence a uma marca de superdesportivos que se estreia no maravilhoso mundo desses veículos. O Urus deve o seu nome a uma espécie já extinta de gado que viveu na Europa e na Ásia. Nomes à parte, a marca dos touros enraivecidos colocou no Urus um explosivo motor V8 bi-turbo de 4.0 litros capaz de debitar 641 cv de potência. O feroz modelo atinge os 100 km/h em 3,6 segundos e os 200 km/h em meros 12,8 segundos. A velocidade máxima é de 305 km/h. Números dignos de um Lamborghini que não descura as linhas arrojadas a que a marca italiana nos habituou. O condutor pode escolher seis modos de condução que variam entre o Strada (estrada), Sport, Corsa (pista), Neve, Terra e Sabbia (areia). O Urus fica, neste caso, mais alto e suave. Para desenvolver o lado mais desportivo do modelo, a Lamborghini fez testes intensos no traçado de Nurburgring, na Alemanha. 

Lamborghini Urus
Lamborghini Urus Foto: Lamborghini

Bentley Bentayga: Gentleman’s SUV

A Bentley aventurou-se no mundo dos SUV, em 2016, com o Bentayga e, na altura, era apelidado de SUV mais luxuoso do mundo. Hoje tem novos rivais. E a marca reclama o título de SUV Diesel mais rápido: o motor V8 com três compressores, dois turbos e 435 cv de potência atinge os 270 km/h e faz dos 0 a 100 km/h em 4,8 segundos, apesar das 2,4 toneladas de peso. O luxo é omnipresente e é fácil acrescentar 100 mil euros ao preço com opcionais, isto se não acrescentarmos no pulso o relógio de automóvel mais caro do mundo. O Mulliner Tourbillon, concebido para este modelo pela Breitling, custa 150 mil euros e é o mais complexo dos mecanismos relojeiros, que inclui oito diamantes. O interior deste SUV é um hino ao requinte, combinando o estilo clássico (não falta madeira e couro) com as tecnologias mais avançadas. Os bancos têm todos ventilação e massagem e na fila de bancos traseiros há dois tablets de 10,2 polegadas com acesso à Internet. A aparelhagem é ágil q.b., tem uma aparelhagem com 18 altifalantes e 1800 watts. 

Bentley Bentayga: Gentleman’s SUV
Bentley Bentayga: Gentleman’s SUV Foto: Bentley

Range Rover Velar

Não está no nível de exclusividade do Lamborghini ou do Bentley, mas tem argumentos fortes para ombrear com pesos pesados como o Mercedes-Benz GLE ou o novo Maserati Levante. É "primo" do Jaguar F-Pace e do mais pequeno E-Pace, ou não partilhassem alguns componentes e fossem do mesmo grupo. A marca, com sede em Coventry, no Reino Unido, mostra o que vale no Velar através de um design arrojado e atractivo, respeitando os valores clássicos da marca. Com uma caixa automática de oito velocidades ZF e sistema de tração integral, com o motor a gasolina 2.0 de 300 cv, o Velar faz dos 0 aos 100 km/h em seis segundos. O tamanho médio, abaixo dos cinco metros de comprimento, também ajuda a torná-lo bem ágil nas curvas, num modelo de um conforto notável, com bancos com ventilação e massagem. Não falta uma suspensão adaptativa, a mesma do F-Pace, que reduz a altura do veículo acima dos 105 km/h para lhe dar melhor aerodinâmica. No interior, destaque para os dois ecrãs tácteis, um deles inclui um verdadeiro computador, com 60 GB de disco para guardar o que quisermos e Internet 4G. 

Range Rover Velar
Range Rover Velar Foto: Range Rover

Volvo XC90

O XC90 deu à Volvo, desde 2016, uma série de prémios um pouco por todo o mundo. Uns pelo design, outros como melhor SUV e outros, ainda, como melhor SUV de luxo, dos Estados Unidos à Alemanha, passando pela Índia, pelo Brasil e pela China. Foi carro do ano na Suécia (claro!) e para várias publicações dos Estados Unidos. Distinções à parte, o que é que o XC90 tem? Não lhe falta espaço, até porque usa uma nova plataforma que consegue aproveitar, ao máximo, os 4,95 metros do XC90. Depois, os senhores da marca sueca dedicaram-se não só a colocar tecnologia de segurança notável como a tornar o interior verdadeiramente luxuoso. Rival directo do BMW X5, do Range Rover Sport ou do Audi Q7, este XC90 não só tem um design luxuoso e distintivo no exterior como dedica uma atenção aos pormenores no interior notável. Destacamos o painel de instrumentos, que é um ecrã de 12,3 polegadas que não sofre com os reflexos, e o ecrã táctil, de nove polegadas, ao alto, que funciona como um verdadeiro tablet e permite controlar quase tudo no SUV. 

Volvo XC90
Volvo XC90 Foto: Volvo

 

Mercedes-Benz GLS/GLC

Esta marca apostou forte nos SUV, nos últimos tempos. Existem de todos os tamanhos, desde o GLA ao maior GLE. Pelo meio, existem variantes como o GLC, o SUV coupé da marca, o rival directo do BMW X6. Luxo não falta, até porque a Mercedes tem sabido usar o design moderno a favor dos seus modelos.

Mercedes-Benz GLS/GLC
Mercedes-Benz GLS/GLC Foto: Mercedes

Tesla Model X

O Model X está entre o SUV e o monovolume ou crossover. Ou seja, não lhe falta espaço, nem potência, rapidez e tecnologia inovadora, como é apanágio da marca de Elon Musk.

Porsche Cayenne/Macan

A Porsche tem o seu Cayenne, desde 2003, que foi alvo de muitas críticas na altura, por parte dos fãs puristas da marca. Mais recentemente, tornou-se mais agressivo no design, mais luxuoso e digno dos pergaminhos da marca desportiva alemã que lançou, há três anos, o SUV mais pequeno, o Macan.

Porsche Cayenne
Porsche Cayenne Foto: Porsche



Lexus RX/NX

A Lexus tem uma tradição longa em SUV. O RX foi o primeiro, mas só ganhou um design e um interior verdadeiramente luxuosos desde 2012. Três anos depois foi lançado o NX, um tratado de design desportivo japonês que também já ganhou vários prémios.

 
Outros modelos: Maserati Levante; BMW X5; Audi Q5 e Q7; Alfa Romeo Stelvio; Jeep Grand Cherokee; Jaguar F-Pace e E-Pace.

 

 

Saiba mais moda, SUV, marcas, exclusivas, populares, luxo
Relacionadas

Os luxos dos jogadores de futebol

Mansões que valem milhões, carros topo de gama, jatos privados e capas de telemóvel no valor de 35 mil euros — assim gastam as suas fortunas os melhores jogadores do mundo. Mas existe, também, um lado solidário que os craques da bola nunca esquecem. E isso, sim, é “jogar bonito”.

Belos, fashion e desejados

Carros há muitos. Mas estes são tão desejados, quanto são fashion e entusiasmantes. Aston Martin, Bugatti, Porsche, Audi e Lamborghini. Tudo ao dispor, desde que dinheiro não seja um problema.

Mais Lidas
Drive O novo Ferrari Roma é uma obra-prima

Atribuíram-lhe o nome de Ferrari Roma e é o automóvel perfeito para quem gosta de obras-primas. O novo modelo alia os traços clássicos icónicos com os do exclusivo 250 GTO e a modernidade e a potência dos desportivos da atualidade. Uma delícia de arte e engenho italiano.

Drive O personalizador dos carros dos famosos

O leitor é um jogador de futebol da primeira liga e acaba de gastar um quarto de milhão num supercarro. Apesar disso, ainda lhe falta qualquer coisa… É então que entra em cena Yianni Charalambous – alguém pediu pele de cobra?