Prazeres / Artes

50 anos de “Rebel Rebel” de David Bowie assinalam-se com edição comemorativa

O single, que faz a 15 de fevereiro cinco décadas, foi remisturado e incluído numa nova versão do oitavo álbum de Bowie em 1974: "Diamond Dogs".

Foto: Getty Images
15 de fevereiro de 2024 | Rita Silva Avelar

Como esquecer David Bowie? Desaparecido em 2016, pouco depois de ter lançado a premonitória e brilhante Lazarus, a sua última música, continuamos a celebrar o seu legado musical. "A 24 de maio de 2024, o dia do Jubileu de Ouro de Diamond Dogs, serão lançadas duas edições limitadas comemorativas do seu 50º aniversário - um LP com masterização a meia velocidade e um Picture Disc - ambos prensados a partir da mesma masterização", anuncia a Warner Music.

Recordamos que o primeiro single do álbum, Rebel Rebel – que hoje faz 50 anos -, alcançou o #5 no Reino Unido e o álbum também chegou ao topo das tabelas de vendas em ambos os lados do Atlântico (foi #1 no Reino Unido e #5 nos EUA). Fun fact: em Portugal, celebrava-se a liberdade, com o 25 de Abril de 1974.

Diamond Dogs faz 50 anos.
Diamond Dogs faz 50 anos.

Até a história do disco é curiosa. Deve-se ao facto de Bowie não ter conseguido assegurar os direitos para uma produção teatral de 1984 de George Orwell e o trabalho de William S. Burroughs, que o tinha entrevistado para a Rolling Stone em novembro de 1973. "As canções do álbum criaram um cenário urbano apocalítico, com Bowie a aparecer na capa como um controverso híbrido meio-homem, meio-cão, pintado pelo artista belga Guy Peellaert a partir de fotografias de Terry O'Neill", escreve a Warner Music. Contam-se várias interpretações das faixas do disco, por artistas como Beck, Tina Turner, Duran Duran, Def Leppard, Joan As Police Woman, Dead Or Alive e The Struts.

Diamond Dogs.
Diamond Dogs. Foto: DR

A digressão deste disco também se tornou icónica, pois foi captada em filme para o infame programa da BBC Cracked Actor e em áudio para o clássico álbum David Live. "Apesar das promessas escritas aos fãs de que a digressão chegaria ao Reino Unido, tal nunca aconteceu. Para a segunda parte da digressão nos EUA, Bowie reduziu o espetáculo e começou a levar o seu material numa direção mais emotiva, que seria totalmente concretizada com o lançamento do seu álbum seguinte, Young Americans", recorda a editora.

No Lado A, encontramos as faixas Future Legend, Diamond Dogs, Sweet Thing, Candidate, Sweet Thing (Reprise) e Rebel Rebel; e no Lado B encontram-se Rock ’n’ Roll With Me, We Are The Dead, 1984, Big Brother, Chant Of The Ever Circling e Skeletal Family. Esta edição comemorativa está disponível em breve.

Saiba mais Dança, Celebridades, Música, Aniversário, David Bowie, Reino Unido, Warner Bros., Warner Bros., Guy Peellaert, Tina Turner, William S. Burroughs, BBC
Relacionadas

Os Club Makumba apresentam o novo disco e prometem fazer “uma grande festa”

Depois do sucesso do primeiro registo homónimo, materializado essencialmente ao vivo, o quarteto regressou em janeiro com 'Sulitânea Beat', um álbum no qual alargaram ainda mais o vasto território onde a sua música sem fronteiras se movimenta. Agora é tempo de voltar ao palco, “o habitat natural” da banda, como o baterista João Doce reconhece nesta entrevista.

Grammys: um "gift bag" de gritos

Miley Cyrus ganhou o seu primeiro Grammy – dois, na verdade – e Phoebe Bridgers levou quatro para casa, três deles com a banda Boygenius. Mas é caso para dizer que a verdadeira estrela da noite foi o "gift bag", no valor de 36 mil dólares.

Mais Lidas
Artes Livro sobre Issey Miyake: tudo o que sempre quis saber

Uma merecida homenagem ao estilista japonês, este livro reúne fotografias e esboços dos seus trabalhos para ilustrar uma cronologia e perfil detalhados, que contam as histórias por detrás das inspirações e ambições de designer revolucionário.

Artes As obras mais emblemáticas do Museu de Arte Proibida

Com uma seleção de mais de 200 obras de arte censuradas, proibidas ou denunciadas em algum momento, o novo espaço, em Barcelona, promete pôr os visitantes a pensar sobre os motivos e as consequências da censura, com obras que vão de Goya a Banksy.