Estilo / Moda

4 regras de estilo que o rei Carlos III nos tem ensinado ao longo dos anos

Para além de ser, agora, oficialmente Sua Majestade, o Rei Carlos III, o filho de Isabel II, sempre foi um ícone de estilo. Talvez passasse despercebido ao lado da princesa Diana, mas agora, ao olhar para os looks que usava na altura (e aos que usa até hoje), conseguimos assegurar que é, de facto, um gentleman.

12 de setembro de 2022 | Bianca Gregório com Rita Silva Avelar.

O rei Carlos III de Inglaterra - designação recente para o príncipe Carlos - tem um alto padrão de exigência para com a roupa que veste. Adquiriu esta exigência e gosto pela moda graças aos seus antecessores: o rei Carlos II fez com que usar um colete por baixo de casaco se tornasse moda; o príncipe Alberto, rei consorte da rainha Vitória, era uma referência de elegância com os seus coletes em estilo espartilho que acentuavam a silhueta; e o rei Eduardo VII tinha como imagem de marca o uso do último botão do colete desabotoado.

A referência mais recente (e mais próxima do rei Carlos) leva-nos a Eduardo VIII que, após abdicar do seu título, ficámos a conhecer como duque de Windsor. Graças a ele começaram a ser utilizadas calças com uma linha, bainhas e o morning suit (fato composto por calças, colete e casaco comprido por trás) foi trocado pelo smoking. Não é surpreendente que o duque tenha sido uma referência para o seu sucessor mais novo.  

É dito que o seu estilo é timeless, voltando a estar na moda passados 25 anos. E, julgando pelas quatro regras mais importantes que ele nos tem deixado ao longo do tempo, podemos dizer que Carlos III de Inglaterra está mais na moda do que nunca.

À conversa com Edward Enninful, diretor da Vogue britânica, o rei de Inglaterra confirmou que se rege pelo mantra "compra uma vez, compra bom". Ao longo dos anos, o incentivo a comprar roupa feita de forma mais ética, peças que nunca fiquem fora de moda e que durem uma vida, tem sido cada vez maior. Isto está a ser posto em prática cada vez mais, e um dos exemplos é Carlos III. Os fatos que usa são feitos à medida, sempre Gieves & Hawkes ou Anderson & Sheppard, as camisas Turnbull & Asser, e os sapatos feitos à mão são Crockett & Jones. Os fatos formais são Eden & Ravenscroft. Era de pensar que, sendo uma figura da realeza, mudasse de guarda-roupa frequentemente, mas essa não é a realidade.  

Rei de Inglaterra com um dos fatos Turnbull & Asser.
Rei de Inglaterra com um dos fatos Turnbull & Asser.

Temos o exemplo do morning suit que utilizou para o casamento do filho Harry com Meghan Markle, que era um Anderon & Sheppard de 1984 – o mesmo que utilizou para o casamento do irmão, príncipe Eduardo, em 1999. "Sou uma daquelas pessoas que odeia mandar qualquer coisa fora. Desde que as roupas sejam do meu tamanho eu prefiro mantê-las ou então arranjá-las, até colocar remendos, se for preciso", explicou a Enninful, esclarecendo: "quando te tornas mais velho torna-se mais difícil encontrar roupas que te fiquem bem, e já não é tão fácil vestir o que estava fechado no guarda-roupa; quando esse tempo chegar eu comprarei roupa nova, mas até lá, vou arranjando as que tenho". Esta não é a única prova das atitudes amigas do ambiente (e do setor têxtil) do rei.

Como escreveu Rachel Tashjian na GQ, há uns meses começaram a circular fotografias que sugeriam que Sua Majestade só tem usado os mesmos dois casacos desde 1988 – mais de três décadas. Um de pelo de camelo e o outro tweed. Os dois Anderson & Sheppard

Quando pensamos em fato, podemos imaginar um fato azul-marinho com dois botões em linha e uma lapela. Mas, quando falamos de Carlos III, isto não se aplica. Em vez disso, são os pequenos detalhes que tornam os seus outfits simples em algo sofisticado e elegante.

Cinzento, fatos listados e tons nude são as suas escolhas para fatos de verão. A peculiaridade da maioria dos seus fatos reside no facto de escolher trespassados, alfinetes de lapela e, quando mostra o bolso das calças, utiliza um clipe para o cinto. Pequenos detalhes que podem ser adotados por todos, e que fazem a diferença aquando da utilização de um fato.

Se existe alguém que conheça todos os maneirismos de Carlos III é o ator Josh O’Connor, que interpretou o monarca na série da Netflix, The Crown. Para incorporar o papel, o ator estudou cada movimento do rei de Inglaterra, mencionando à GQ que a maior particularidade encontrada foi ele olhar para os botões de punho, lenço e de seguida acenar. Os mesmos movimentos, sempre.  

Rei Carlos III, em 1994, a arranjar o botão de punho da camisa.
Rei Carlos III, em 1994, a arranjar o botão de punho da camisa.

Ao olhar com atenção, reparamos que as suas gravatas são sempre apertadas duas vezes. Não tem receio de usar cores, apesar de preferir tons mais discretos, que combina sempre com um lenço de uma cor especifica – nunca optando pelo mesmo padrão. Quando usa um cachecol, este nunca parece estar perfeito, mas sim como se tivesse sido colocado de maneira casual. Nas suas camisas nunca faltam os botões de punho, e nos casacos, um alfinete de lapela. Para finalizar o look, utiliza sempre os mesmos óculos: os Ray-Ban Erika na cor "Havana" e lentes cinzentas. Detalhes que fazem a diferença. 

Carlos III a usar os Ray-Ban
Carlos III a usar os Ray-Ban "Havana".

Uma das grandes virtudes do novo rei de Inglaterra? A adaptação do seu estilo às circunstâncias. Nem sempre vimos o rei Carlos III de fato – basta lembrar a sua visita ao Canadá em que deu um toque pessoal ao estilo cowboy, em 1977. Outro exemplo? 1974, Ilhas Fiji – utilizou uma camisa de seda, que lembrava o estilo havaiano, e, claro, que combinava com as suas largas calças beje.

Em 1975, deu-nos um momento extremamente fashionista numa partida de polo, ao trocar a habitual t-shirt de desporto por um casaco de safari, de mangas curtas, em azul celeste. Na altura, Yves Saint Laurent considerava este modelo uma peça de luxo. Voltou a usar este estilo nas Olimpíadas de Montreal em 1976 e na visita à Papua Nova Guiné em 1984.

Carlos III de Inglaterra chegou a mostrar muitas vezes que até uma camisa de manga curta pode ser elegante, quando usada na ocasião certa.

Saiba mais Moda, Carlos III, Realeza
Relacionadas

Isabel II, a Rainha dos Mundiais

"Morreu a rainha que viu todos os Mundiais. Se calhar, já adoentada, alguém lhe poderá ter dito – 'Vai perder o próximo Mundial, sua Alteza. Vai ser o primeiro sem si'. "Este não conta" – poderia responder ela."

Macacão, a peça tudo em um

Símbolo de uniforme de trabalho há mais de um século, o macacão ganhou destaque nos desfiles de Moda da estação. Há versões largas a lembrar músicos dos anos 80, modelos em algodão inspirados nos uniformes fabris dos anos 40 e ainda peças em seda ou com detalhes de alfaiataria para momentos mais solenes.

Quanto recebem realmente os príncipes e princesas na Europa

Quando se fala de dinheiro, e de realeza, é inevitável nos questionarmos sobre as suas vidas de luxo. Do príncipe herdeiro de Inglaterra à princesa herdeira do trono sueco, estes são os salários dos herdeiros às dinastias mais importantes no continente europeu.

O que vai o rei Carlos III herdar de Isabel II?

O monarca conta agora com uma fortuna de 500 milhões de dólares que herdou da mãe, Isabel II, e 42 mil milhões de dólares em bens, onde se incluem joias, quintas de cavalos, coleção de arte - e recebeu tudo sem pagar impostos, claro.

Mais Lidas
Moda Corridas de outono. Test-drive de ténis para a estação fria

Com o regresso das férias é também tempo de voltar aos treinos e planear da melhor forma a nova época de corrida, quer seja numa vertente mais lúdica ou de competição. Fomos, assim, testar alguns dos modelos mais conhecidos do mercado, porque é pelo calçado que se começa.