Estilo / Beleza & Bem-Estar

Uma história com muitos pelos

Ao longo dos tempos, os pelos faciais têm tido um papel mais relevante do que lhes é atribuído. Tiveram força, simbolizaram poder, ideologias políticas e estatutos sociais tanto quanto já foram ridicularizados e até legislados contra. Foram oprimidos e foram imortalizados através das artes e de personagens icónicas da história. Mas nunca desapareceram de cena.

Salvador Dalí em dezembro de 1951
Salvador Dalí em dezembro de 1951 Foto: Getty Images
06 de dezembro de 2019 | Carolina Silva

Os movimentos feministas não são os únicos que estão a dar que falar. No passado mês de novembro, o bigode foi rei e, por causa disso, a saúde masculina ganha a merecida visibilidade. Como estão estes dois aspetos interligados? Através de uma Fundação convertida em movimento à escala mundial chamado Movember. Tudo começou em 2003, quando os amigos Travis Garone e Luke Slattery, reunidos num bar de Melbourne, na Austrália, congeminaram a ideia de tentar ressuscitar a ultrapassada moda do bigode, afastada há anos da moda convencionalmente aceite. Desafiaram amigos e conhecidos e conseguiram que 30 deles aceitassem o desafio, pelo qual pagavam a quantia de 10 dólares. O entusiasmo foi generalizado e, um ano depois, com a empresa registada e com o website operacional, elevaram-no a um movimento nacional. Inspirados pela mãe de um amigo que angariava fundos, na altura, para a luta contra o cancro da mama, focaram a campanha deles sobre a saúde masculina e, mais especificamente, sobre o cancro da próstata. Esta espécie de irmandade do bigode, à qual deram o nome de Mo Bros, cresceu e expandiu-se para outros países, chegando rapidamente aos quatro cantos do mundo. E o objetivo tornou-se ainda maior: impedir que os homens morram jovens demais, seja devido ao cancro da próstata, ao cancro testicular ou devido a questões de saúde mental, onde atuam através da prevenção do suicídio. Após 15 anos, o resultado revela-se no financiamento de 1.200 projetos de saúde sem envolvimentos governamentais.

Sean Connery em 1997
Sean Connery em 1997 Foto: Getty Images

Barbas, bigodes e ideologias

Colocando de lado o ativismo implícito em deixar crescer o bigode, não podemos retirar-lhe a devida importância ao longo dos séculos. Bernardo Coelho, sociólogo e investigador do CIEG/ISCSP-ULisboa, admite que as barbas e os bigodes não são características neutras: "Pelo contrário, transportam inúmeros significados sociais. A forma como as barbas e os bigodes se relacionam com o poder, com formas de afirmação política e ideológica, é apenas um desses sinais evidentes de significado social." Como exemplos, refere o processo histórico, político e social que levou à implantação da República, em Portugal, onde era evidente que o tipo de bigode e de barba permitia identificar os homens alinhados com a monarquia, com os republicanos ou com os anarquistas, entre outros. Da mesma forma, Bernardo Coelho explica: "São elementos fundamentais na construção identitária dos guerrilheiros da revolução cubana. As barbas e os bigodes de Che Guevara e de Fidel Castro não eram apenas consequência natural de serem homens, nem sequer eram um sinal de desleixo. As suas barbas e os seus bigodes tinham um significado político e ideológico. Afirmavam a contraposição ao poder da ditadura de [Fulgêncio] Baptista [Zaldívar] – e às suas caras lavadas e sem pilosidades." De tal modo que o seu significado ultrapassou a revolução cubana e os seus principais protagonistas.

Jack Nicholson e Dyan Cannon em 1975
Jack Nicholson e Dyan Cannon em 1975 Foto: Getty Images

A simbologia deste visual está, até hoje, intrinsecamente ligada ao imaginário revolucionário e à ideia de liberdade. Esclarece aquele sociólogo: "Do mesmo modo, o aparecimento em força das barbas e dos bigodes no pós-25 de Abril de 1974, em Portugal, tem o mesmo tipo de significado de demarcação política e ideológica. Ter bigode, barba e cabelo grande significava um posicionamento político e um alinhamento com os valores da Revolução de Abril e com a democracia." Bernardo Coelho abre um parêntesis para referir a transformação dos ideais de estética de muitos jogadores de futebol, nesta era, que em oposição à imagem polida que sempre havia sido estimulada é agora marcada de forma mais disruptiva pelo uso da barba e dos bigodes. Não parando por aqui, são igualmente símbolos da estética anarquista. O russo Mikhail Bakunin, fundador do anarquismo coletivista, o catalão Francisco Ferrer, o escritor britânico Alan Moore e até Mahatma Ghandi seguiram a estética associada a esta ideologia. Por outro lado, remata o investigador, "em contraponto às estéticas revolucionária, democrática e punk, a estética fascista foi, até há pouco tempo, marcada pela eliminação de todos os pelos das cabeças dos homens, por exemplo, os skinhead". Adverte para a alteração da estética que se tem vindo a verificar nos últimos anos. A barba e o bigode utilizam-se, hoje, das mais variadas formas e pelas mais diversas pessoas, muitas das quais não as associam a ideologias políticas. Devido à multiplicação de estéticas – dos lumbersexuals aos hipsters –, o grooming masculino tem-se desenvolvido rapidamente, sendo cada vez mais aceite e louvado em público, justificando a proliferação de barbearias. Sobre este tema, Bernardo Coelho deixa a questão no ar: "Serão meras barbearias ou locais de encontro e de difusão de ideias de uma estética fascista?"

Charlie Chaplin em
Charlie Chaplin em "O Circo" (1928) Foto: Getty Images

Altos e baixos do século XX

No final do século XIX, com a descoberta da existência das bactérias – e a ligação dos germes às barbas e à falta de higiene que aportava –, as barbas ficaram oficialmente fora de moda, após décadas a reinar nos rostos masculinos. A Europa e a América do Norte implementaram novas regras sanitárias, o que incluía o barbear de todos os pacientes dos hospitais, independentemente de ser essa a vontade dos mesmos. Foram tempos gloriosos para o bigode e que duraram pouco devido à incompatibilidade dos pelos faciais com as máscaras antigás necessárias durante a I Guerra Mundial. Eram poucas as patentes de oficiais do exército autorizadas a usar bigode. Quando a guerra terminou, o bigode tornou-se o símbolo da liberdade do homem moderno. Foram os anos áureos de Hercule Poirot e dos seus famosos bigodes, dos sedutores de Hollywood, como Clark Gable, Errol Flynn e Ronald Colman, galãs que faziam as mulheres suspirar e os outros homens aspirar a ser como eles. A Grande Depressão de 1929 acabou com estes anos de ouro tanto para a sociedade como para o bigode. No livro de WC Graham sobre como arranjar trabalho durante essa época turbulenta, uma das recomendações era uma apresentação polida, livre de pelos faciais, associando-os a "gigolos ou a sheiks". A participação americana na II Guerra Mundial viu-os regressar com orgulho – com exceção do bigode escovinha usado por Hitler – como símbolo dos pilotos de guerra. Os anos 60 e 70 foram dominados pela barba – com exceção das estrelas de filmes pornográficos que utilizavam bigode, o que não acrescentava muito à reputação deste estilo –, mas nos anos 80 foi Tom Selleck e a sua icónica personagem Magnum PI, que ressuscitou a glória do início do século, a par de Burt Reynolds, o símbolo sexual americano por excelência. Considerados homens sexy e viris, também por imposição dos bigodes, foram imitados por muitos outros atores e homens comuns na tentativa de reproduzir a sensualidade de ambos. Mas entre os anos 90 e a viragem do milénio, com exceção de estrelas da pop/rock, o bigode caiu em desuso, para o que também contribuiu a Guerra do Golfo com a imagem de Saddam Hussein, o ditador inimigo árabe com bigode, tendo o Movember marcado o início do retorno deste símbolo de masculinidade, em 2003. 

Tom Selleck em 1985
Tom Selleck em 1985 Foto: Getty Images

O símbolo do homem moderno

Se observarmos bem, facilmente constataremos que o bigode permanece em minoria nos espaços públicos do nosso país. Encontramo-lo em localidades rurais, em homens mais velhos e, excluindo o bigode-sombra (de quem não teve tempo de fazer a barba na última semana) e os raros hipsters, são poucos os espécimes adultos que exibem, orgulhosos e cuidados, os seus bigodes. Se recorrermos a inquéritos realizados recentemente nos Estados Unidos, perceberemos que a relação entre o bigode e a perceção dos outros é estreita. Há um notório preconceito em relação a este estado de grooming e uma grande percentagem dos americanos relaciona o bigode com pessoas que bebem demais, o que talvez justifique a associação aos bons vivants. Por outro lado, consideram-nos bons trabalhadores, apesar de haver menos registos de homens em posições de chefia com esta característica. Note-se que os líderes dos países mais avançados apresentam-se de rosto rapado, sendo o bigode mais comum em países sul-americanos, árabes e africanos. Independentemente disso, é inegável o ressurgimento de barbearias, onde o regresso do grooming é mais do que estimulado. O sociólogo Bernardo Coelho atribui este regresso a um quadro competitivo de definição das masculinidades, onde o cuidado com o corpo desempenha um papel central: "A forma como se apresenta e se revela quem cuida da barba e do bigode pode ser um indicador social importante. Em primeiro lugar, revela um determinado projeto estético per se. Em segundo lugar, porque apresentar uma barba e um bigode cuidados significa ter meios e recursos para isso. Isto é, o reaparecimento das barbas e dos bigodes funciona como um mecanismo de distinção social. Por um lado, estará associado a outros marcadores distintivos, como, por exemplo, o tipo de vestuário, as marcas de roupa, o culto das motorizadas vintage, etc. Ou seja, é uma opção estética que se enquadra numa visão mais alargada sobre a vida e que está fortemente condicionada com os recursos que se detêm. Por outro lado, a prática (o culto da barba e do bigode e a sua manutenção), em si mesmo, pode ser consideravelmente cara. Logo, mostrar este tipo de pelos na cara transforma-se num sinal exterior de sucesso económico e social. Um sinal distintivo."

Omar Sharif em
Omar Sharif em "Doutor Jivago" (1965) Foto: Getty Images

Curiosidades cabeludas

  • A arte de cultivar os pelos faciais tem o nome de ponogotrofia e os primeiros homens a aparar os pelos faciais faziam-no com lascas de pedras afiadas, há cerca de 30 mil anos. Imagine-se o estado em que terão ficado os rostos.
  • Charles Darwin, pai da Teoria da Evolução e adepto de pelos faciais, acreditava que estes funcionavam como um importante indicador de maturidade sexual.
  • Na Grécia Antiga, ter barba era um sinal de estatuto, de força, de coragem e de sabedoria. Os espartanos raspavam o rosto daqueles que consideravam cobardes. Foi Alexandre, o Grande, que colocou um ponto final nessa tendência por acreditar que os pelos faciais eram um ponto fraco no combate.
  • Na Idade Média, a barba representava virilidade e honra entre os nobres, enquanto a pele lisa dos clérigos da igreja católica era considerada um sinónimo de celibato.
  • Em 1567, o austríaco Hans Steininger, proprietário de uma barba de 1,40 metros, tropeçou durante uma demonstração do seu longo atributo, caiu e partiu o pescoço.
  • Consta que o presidente americano Abraham Lincoln não costumava usar barba, mas deixou-a crescer após receber uma carta de uma criança que sugeria que deixasse crescer o bigode, pois tinha o rosto muito fino.
  • Em 1535, Henrique VIII criou um imposto sobre pelos que variava de acordo com a posição social de cada pessoa, uma taxa prolongada por Isabel I que exigia que todos os donos de barbas com mais de duas semanas de crescimento pagassem um imposto à coroa.
  • Super Mario, a estrela dos jogos de computador dos anos 80, deve o seu bigode aos limites gráficos da altura. Shigeru Miyamoto, o seu criador, confessou numa entrevista ao apresentador Conan O’Brien que acrescentar aquele detalhe foi necessário porque quando criaram a arte de oito bits tiveram de dar um nariz a Super Mario e o bigode era a única coisa que permitia visualizar o nariz da personagem.
  • Há 65 anos, Salvador Dalí foi questionado sobre se o seu bigode seria uma espécie de piada, ao que respondeu ser "a parte mais séria da sua personalidade".
  • Quando Hulk Hogan anunciou que iria remover o bigode, ao retirar-se dos tapetes de luta livre, o Instituto Americano dos Bigodes protestou, afirmando que Hogan era uma "figura de liderança na comunidade americana do bigode e sexualmente dinâmica".
  • O filme Grande Hotel Budapeste, dirigido por Wes Anderson, venceu o Óscar de Melhores Cabelos e Maquilhagem, em 2015. Só que 70% dos bigodes no filme eram falsos e foram criados a partir de cabelos humanos.
    Freddie Mercury em atuação no festival Live Aid em Julho de 1986
    Freddie Mercury em atuação no festival Live Aid em Julho de 1986 Foto: Getty Images

Sobre o Movember

O movimento fundado em 2003, na Austrália, surge da junção das palavras moustache e november e partiu de uma organização não governamental que pretendia alertar os homens para a sua saúde e para a importância de realizarem consultas de rotina e análises com mais frequência do que aquela que se verificava na altura. O movimento cresceu, estendeu-se a vários países e hoje procura consciencializar as pessoas para o combate a doenças como o cancro da próstata, o cancro testicular, doenças mentais e a inatividade física. Este movimento mundial já angariou mais de 500 milhões de dólares. A Movember Foundation procura desmistificar o receio em torno dos exames de rastreio, alertando os homens para a importância de realizarem análises periódicas, consultas de rotina e a manter um estilo de vida saudável. www.movember.com 

Burt Reynolds em 1980
Burt Reynolds em 1980 Foto: Getty Images
Robert Taylor em
Robert Taylor em "Ivanhoe" (1952) Foto: Getty Images
Saiba mais bigodes, pelo facial, beleza, cuidados
Relacionadas

Pelas minhas barbas!

As barbas estão na moda há tantos anos que já deixaram de estar na moda e, no entanto, vêem-se cada vez mais homens com a cara coberta de pelo. Porque será que a nossa geração gosta tanto delas? E o que fazer para deixar crescer uma da qual nos possamos orgulhar?

Os melhores amigos de um homem

Com os cuidados masculinos, todo o cuidado é pouco. Por isso, há que contar com uns quantos profissionais e com uns quantos algarismos à esquerda da vírgula na conta bancária.

No fio do bigode

Mesmo que nem sempre lhes tenhamos dado o devido valor, a verdade é que os bigodes persistiram gloriosamente ao longo dos tempos. Eis os produtos essenciais para manter um bigode polido que faria inveja a Burt Reynolds.

Mais Lidas