Viver

Nike junta-se à luta contra o racismo com slogan inédito

Pela primeira vez, a marca desportiva está a usar a negação do seu slogan “Just Do It” por uma boa causa. Saiba como a Nike se juntou às vozes que se levantam contra o racismo.

Foto: Unsplash
01 de junho de 2020 | Rita Silva Avelar

O racismo acontece na América e em todo o mundo, tão enraizado que está, ainda, em determinadas culturas. Nos últimos dias, o assunto tem inclusive superado as notícias sobre a pandemia Covid-19, que há meses faz manchetes nos media, disseminando-se nas redes sociais. 

A discussão mundial sobre o racismo reacendeu-se de novo com a morte do americano George Floyd, um homem de 46 anos que, por suspeita de estar a tentar usar uma nota de vinte dólares falsa para pagar num supermercado, foi assassinado por um polícia do estado americano de Minnesota de forma monstruosa e desumana. A morte deste homem, por sinal inocente, foi deliberadamente provocada pelo polícia que o tinha detido, sufocando-o com um joelho enquanto outros elementos da Polícia assistiam -, um acontecimento que foi capturado em vídeo. E que está a chocar o mundo. 

Tal como outras marcas e personalidades, a Nike juntou-se aos protestos ao fazer uso do seu famoso slogan, para se fazer ouvir na luta contra o racismo. Através de um vídeo publicado nas redes sociais, a marca desportiva está a incitar as pessoas a usar antes a expressão "For once, Don't Do It" (por uma vez, não o faças) referindo-se ao ato de ser-se racista.

View this post on Instagram

Let’s all be part of the change. ? ? #UntilWeAllWin

A post shared by Nike (@nike) on

"Por uma vez, não o faças. Não finjas que não há um problema na América. Não vires as costas ao racismo. Não aceites que nos tirem vidas inocentes. Não arranjes mais desculpas. Não penses que isto não te afecta. Não fiques calado. Não penses que não podes fazer parte da mudança. Façamos todos parte da mudança" apela a Nike, através deste vídeo de sensibilização.

Há vários dias que os protestos no Minnesota acontecem por parte de civis que querem que seja feita justiça por George Floyd, uma vez que os polícias envolvidos nesta polémica foram apenas suspensos numa primeira ação por parte de entidades superiores. Há inclusive polícias e xerifes que se juntaram às manifestações não-violentas, unindo-se à onda de protestos que se propagou um pouco por toda a América, e também pelo mundo.

Saiba mais Racismo, Just Don't Do It, Igualdade, Racismo, Nike, América, Covid-19, George Floyd, Minnesota, questões sociais
Relacionadas

Robert De Niro: “Trump é um pateta, não tem noção alguma”

De Niro está de volta. Esta frase poderá soar um pouco estranha para alguns. De volta de onde? Até porque ele nunca se foi embora. Tem participado constantemente em filmes e em séries televisivas nas últimas décadas. Na verdade, é um homem extremamente ativo, tendo em conta que está na casa dos 70 anos.

Mais Lidas
Viver T2 no centro de Lisboa a €250? Em breve vai ser possível

O projeto de regeneração da Rua de São Lázaro vai colocar imóveis T0 a T2 modernos, com rendas acessíveis que variam entre os €100 e os €350. A requalificação da rua visa também a criação de uma zona residencial de qualidade, que tenha espaços públicos favoráveis.

Viver "A Airbnb precisa de mudar. Temos de regressar ao essencial"

A Airbnb sofreu um golpe de mil milhões de dólares com a pandemia — enquanto enfrentava acusações de fomentar o aumento das rendas e incentivar o turismo excessivo. O seu cofundador, Brian Chesky, conversou com John Arlidge sobre como a sua empresa perdeu o rumo — e o que vai fazer para retomá-lo.