Viver

Chalana: um adeus ao pequeno genial

Do Lavradio para França e de volta à Luz, a carreira de Fernando Chalana, o “pequeno genial”, o “Chalanix” de Bordéus, bigode farto, corpo franzino, foi maior do que o seu tamanho. Deixou-nos aos 63 anos, precocemente, porque morre cedo aquele a quem os deuses amam. O velório decorrerá entre as 19 e as 22 horas desta quinta-feira na Basílica da Estrela, em Lisboa.

Fernando Chalana
Fernando Chalana Foto: SL Benfica
11 de agosto de 2022 | Áureo Soares

O mistério da derradeira partida. Como aconteceu isto? Alzheimer, tão novo, um desportista? O pequeno genial, deixando-nos de forma tão precoce quão precocemente se estreou de águia ao peito. Para quem tem todas as respostas, superiores soluções para as grandes perguntas, não há mistério: Chalana veio, viu e venceu. Os menos crentes não podem deixar de sentir o queixo cair. Morreu, aos 63 anos, Fernando Chalana, "o pequeno genial", ponta-esquerda do Benfica e da Seleção, tecnicista dos relvados, herói do Euro 1984, artista sem par.  

Fernando Chalana é sem dúvida um dos melhores futebolistas portugueses da história. Não só pelo que jogou, e jogou muito, mas porque a sua carreira se fez de quase tantas alegrias quanto tristezas, de momentos de sorte e de azar, como é dos Grandes. "Para ser grande sê inteiro", escreveu Pessoa, e assim fez Fernando Chalana, que se movimentou no futebol com a graciosidade que tinha dentro de campo, por entre as polémicas da vida pessoal e as lesões, da saída do Benfica para cumprir calendário (leia-se, aumentar a conta bancária) no estrangeiro e um regresso agridoce, já fora do seu tempo.

Nascido no Barreiro, a 10 de fevereiro em 1959, o rapaz a quem chamaram um dia 'o pequeno genial' cresceu a jogar à bola nos campos pelados, de balizas improvisadas, em jogos amigáveis entre vizinhos e amigos da escola. Até há bem pouco tempo, antes das academias, das "escolinhas", e dos pais que levam os filhos ao futebol e discutem com árbitros e treinadores porque entendem que os seus petizes têm o dobro do talento de Cristiano Ronaldo, era esta a forma de se fazer futebolistas. Chalana frequentou, portanto, a escola da vida. Rejeitado pelo CUF, despontou, sem ambiguidade, no Barreirense. O passo seguinte, do tamanho da sua ambição e não da sua altura, foi natural. O SL Benfica abriu os cordões à bolsa, e, então em escudos, longe vão os tempos, desembolsou 750 contos, menos de quatro mil euros para o ter no plantel.

A carregar o vídeo ...

No clube da Luz, em 1976, Chalana tornou-se no mais jovem de sempre, à data, a atuar na Primeira Divisão. Uns impensáveis 17 anos e 20 dias. Passou no exame. Durante oito épocas, foi campeão, ídolo incontestado e, do alto do seu 1,65m, fez-se grande no Portugal dos Pequeninos que sonhava ser uma democracia.

Em 1984, ano de europeu em França, Chalana era já uma das grandes figuras do futebol português. Levou a equipa às costas, até às meias-finais, onde Portugal haveria de ser derrotado pela França de Michel Platini. Privilégio do vencedor, o francês foi eleito o melhor jogador do torneio. Mas o mundo acordava para o pequeno genial. Chalana deu nas vistas. Ele e a mulher, Anabela. Loira, alta e sem papas na língua, desempenhava o papel de agente num tempo em que não existiam ainda os ‘superagentes’ de hoje, dava entrevistas, ajudava Chalana a dar as suas entrevistas, escrevia crónicas para o jornal A Bola e era presença constante e notada nas concentrações da Seleção Nacional.

Mas se a meia-final do Euro foi perdida para os franceses (3-2, em Marselha), golpe duro de roer que seria vingado 32 depois em 2016, Chalana teve a sua pequena vingança de forma imediata. Pelo equivalente a 1,5 milhões de euros, o Bordeaux levou-o da Luz para terras gaulesas, onde se fez herói do clube. As semelhanças físicas com Asterix deram-lhe a alcunha Chalanix. Esteve três épocas ao serviço dos girondinos, antes do regresso ao Benfica e do ponto final numa carreira brilhante, mas já com demasiadas lesões, em 1991, pelo Estrela da Amadora.

‘Working Class Hero’, marido de Anabela, absoluto génio da bola. Fernando Chalana partiu a 10 de agosto de forma precoce. Com uma carreira de charneira, estreou-se durante o PREC, no tempo da TV a preto e branco, fez-se, como muitos portugueses, emigrante em França, e terminou a carreira já a cores, com Portugal membro de pleno direito da CEE. Foram 15 anos a espalhar magia por relvados enlameados, com direito a lugar no Olimpo, e uma tímida pós-reforma como treinador. Adeus, Chalana. Cumpra-se o minuto de silêncio.

Saiba mais Fernando Chalana, Futebol, SL Benfica
Relacionadas

As férias de luxo dos jogadores de futebol

Seja em Ibiza, nas Maldivas ou Bahamas, os dias de descanso das estrelas do futebol são sempre repletos de luxo e descontração. Descubra os lugares paradisíacos de eleição de jogadores como Lionel Messi, Cristiano Ronaldo, Cesc Fàbregas ou Antoine Griezmann.

Antoine Griezman: "Não sigo tendências, apenas o meu gosto natural"

Em entrevista à Mango Man - e em jeito de celebração por ser o novo rosto da coleção da marca - o futebolista francês revelou quais são as dicas de estilo que segue, a grande paixão que sente pela sua família e o hobby a que não consegue resistir quando tem tempo livre.

Mais Lidas