Viver

A regra de 90 segundos que pode salvar vidas a bordo de um avião

A propósito do incidente aéreo com a Japan Airlines, ao qual sobreviveram todas as pessoas, recordamos uma regra de ouro que pode e deve ser aplicada, e que envolve tanto a responsabilidade da tripulação como dos passageiros.

Foto: Getty Images
04 de janeiro de 2024 | Rita Silva Avelar

Há poucos dias, o mundo virava as atenções para o acidente de aviação que envolveu 367 passageiros e 12 tripulantes, devido à colisão de dois aviões no aeroporto de Haneda, no Japão. Surpreendente e felizmente, todos sobreviveram, excepto os cinco dos seis ocupantes do avião militar Bombardier DHC8-300, da Guarda Costeira do Japão, que intercetou a rota de um voo da Japan Airlines.

Embora a noite tenha terminado com cinco mortes, este acidente de avião no Japão chamou a atenção dos peritos - e dos mais curiosos - para a excelente preparação deste país para lidar com emergências aéreas. O incidente, ou melhor, a ausência dele, leva-nos a refletir como, em apenas vinte minutos após o início do incêndio, foi a conjugação da tecnologia avançada, uma aeronave resistente e uma eficaz implementação do protocolo de evacuação que salvaram a vida aos passageiros da Japan Airlines.

De acordo com a Traveler Espanha, há uma regra de 90 segundos - implementada pela Administração Federal de Aviação (FAA) - para a evacuação, que deve ser executada. "Este procedimento é realizado na fase de testes e certificação de todas as aeronaves construídas. Além disso, as companhias aéreas devem realizar evacuações completas em dois minutos ou menos, para as quais é realizado treino da tripulação e atribuídos procedimentos. As demonstrações levam em consideração diversos fatores, como o comportamento dos passageiros, falhas de dispositivos e o layout interno da aeronave, e criam situações o mais realistas possível com pessoas de carne e osso, bagagem de cabine e saídas de emergência danificadas", menciona o artigo em questão.

Os passageiros também têm um papel fundamental neste procedimento. Devem prestar atenção a pelo menos seis coisas: às saídas de emergência (para além das portas de entrada e de saída, existem saídas de emergência em todo o avião); à arrumação devida da bagagem; à posição do encosto do banco, que não deve estar reclinada durante a descolagem e a aterragem; aos tabuleiros de apoio (que devem estar fechados nos mesmos momentos); às janelas, que devem estar abertas durante a aterragem; e ainda aos anúncios feitos pela comunicação do piloto e da tripulação.

Saiba mais Aviação, Incêndios, Acidente aéreo e espacial, Desastres, acidentes e emergências, Japão, Japan Airlines, Espanha, Bombardier
Relacionadas
Mais Lidas
Viver Como dizer não e ser mais feliz

O novo livro de Alba Cardalda, psicóloga, "Como Mandar À Merda (de forma educada)", não ensina a mandar à merda – ensina antes como evitar chegar a esse ponto. A MUST publica um excerto, editado pela Pergaminho, que reúne estratégias para dizer "não".