Prazeres / Lugares

Vamos beber um copo ao Procópio? Segredos dos 'velhos' estabelecimentos lisboetas contados em livro

O segundo volume do livro Lojas com História revisita as mais belas moradas que fazem de Lisboa uma das cidades mais apaixonantes do mundo do ponto de vista cultural.

Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra
17 de dezembro de 2020 | Rita Silva Avelar

Para alguns nunca passarão de uma morada numa esquina qualquer na Lisboa da atualidade, para outros são autênticas viagens no tempo, a lugares onde se faziam as compras de bens ao fim de semana, se juntavam tertúlias que duravam até de madrugada, ou se comia todos os dias o mesmo bife com ovo estrelado a cavalo.

As histórias das lojas, dos restaurantes, dos bares, e dos cafés e outros estabelecimentos míticos da capital figuram no segundo volume do livro "Lojas com História", editado pela Tinta da China e pela Câmara Municipal de Lisboa. 
Nesta segunda edição são exploradas as histórias pouco ou menos conhecidas destes estabelecimentos lisboetas que encerram peripécias e vidas de gentes de todo o país, ao longo de décadas e até séculos. Algumas foram e continuam a ser ponto de encontro entre jornalistas e outras personalidades da cultura e da sociedade lisboetas, como é o caso do Snob Bar, na rua do Século, onde se servem bifes com ovo a cavalo enquanto se debate política ou cultura (e onde continua a entrar apenas quem o proprietário quiser deixar).

Snob Bar
Snob Bar Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

O livro começa precisamente pela noite, ao evocar nomes tão sonantes como o ainda resistente e sedutor Procópio, entre o Rato e as Amoreiras, o Glória Bar, mais conhecido por Bar Piri-Piri, um dos bares de alterne mais antigos em funcionamento e cujo ambience inspirou alguns filmes nacionais, ou o Xafarix - o "bar do Luís Represas", como assim ficou conhecido.

Procópio Bar
Procópio Bar Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

Da Mouraria à Avenida, passando por Santos, Estrela, Avenidas Novas ou Roma, o livro dedica capítulos a zonas que se reinventaram e outras que foram esquecidas, berços de estabelecimentos que marcam a história da cidade. Por exemplo, as Portas de Santo Antão, que se cruzam com edifícios históricos como o Teatro Nacional D. Maria II, o Politeama e o Coliseu dos Recreios, e que reúnem restaurantes cheios de história(s) como A Provinciana, o Gambrinus, O Churrasco ou o Bonjardim.

Gambrinus
Gambrinus Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

Nestas páginas, contemplam-se também as casas de fado lisboetas, como O Faia ou Sr. Vinho, por onde passaram fadistas de várias gerações, recantos que continuam a encantar portugueses e estrangeiros. Figuram estabelecimentos bicentenários como a livraria Bertrand, a mais antiga livraria do mundo em funcionamento, na rua Garrett, e aquela que foi a primeira empresa de carimbos em Portugal, a E. E. de Sousa & Silva, em funcionamento desde 1819. 

Bertrand
Bertrand Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra
E. E. Souza & Silva
E. E. Souza & Silva Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

Contam-se curiosidades sobre os bairros, como a origem do nome Benfica (ben-fica, na etimologia árabe, o filho de uma mulher alta), ou a evolução comercial do bairro de Alvalade, cuja primeira mercearia a abrir, em 1952, foi a Cafélia, bem como o nascimento de Arroios, uma das zonas mais interculturais da cidade, com a chegada de estabelecimentos como a Tabacaria Costa & Diogo, o Armazém das Malhas ou a loja da Viúva Lamego.

O livro também nos brinda com anúncios publicitários de outras décadas, e listas nostálgicas como a menção à "dispensa de produtos nacionais" onde se incluem marcas com as rejuvenescidas Benamôr, Claus Porto, Ach Brito ou Couto. Não faltam as menções a relíquias da baixa lisboeta como a sapataria A Deusa, a Drogaria Oriental ou a retrosaria Alexandre Bento.

Drogaria Oriental
Drogaria Oriental Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra
Alexandre Bento, da retrosaria com o mesmo nome
Alexandre Bento, da retrosaria com o mesmo nome Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

Na secção Guardiões de Património, a Arte é a linha condutora entre as histórias, ao revisitarem-se locais como o Palácio do Correio Velho, o antiquário Solar ou a A. Molder, uma das últimas lojas da cidade dedicadas à filatelia.

Solar
Solar Foto: Luís Aniceto e Miguel Saavedra

Há um último capítulo dedicado ao "saber-fazer" onde se incluem barbearias, lojas de alfaiataria e costura (sabia que nos anos 80 existiam cerca de 800 no país?), lojas de costura, bordados e malhas, ervanárias, joalheiros ou lojas de porcelana.

Lojas com História 2  faz parte do programa que a Câmara Municipal de Lisboa iniciou em 2015, com o propósito de preservar e dinamizar o património lisboeta, de forma a proteger a identidade da cidade. Em 2017 foi editado o primeiro livro Lojas com História, "uma obra que oferece uma viagem pelas histórias dos primeiros estabelecimentos da cidade a serem distinguidos por este programa municipal" escreve Fernando Medina, no prefácio deste novo volume.

Lojas com História 2, €29,61, Tinta da China co-edição com a Câmara Municipal de Lisboa
Lojas com História 2, €29,61, Tinta da China co-edição com a Câmara Municipal de Lisboa
Saiba mais Procópio, Lisboa, Avenidas Novas, Tinta da China, Câmara Municipal de Lisboa, Armazém das Malhas
Relacionadas

Já pensou em decorar casa com… música?

O desafio parte da Zara Home com uma coleção cápsula, a Music Collection, inteiramente dedicada ao universo do vinil. Os discos mais icónicos das últimas oito décadas estão incluídos, mas não só.

Mais Lidas
Lugares Por dentro do melhor hotel do mundo

Símbolo máximo do luxo das arábias, o La Mamounia, em Marraquexe, mantém o charme e a grandeza de sempre, como se Winston Churchill ainda por aqui andasse. O próximo passo? Mais uma ampliação.