Prazeres / Drive

Os Peugeots do Eliseu

Julho é mês de Revolução Francesa, ‘allons enfants de la Patrie’, e ao dia 14 ‘Monsieur le Président’ sai à rua para o desfile da Festa Nacional. Vai formoso e seguro, a bordo da viatura oficial. E várias já foram fornecidas pela Peugeot.

Foto: Peugeot
17 de julho de 2022 | Luís Merca

Breve enquadramento histórico, que não faz mal a ninguém

"Os franceses gostam de banheiras", dizia Georges Pompidou no final dos anos 60, ao tomar posse como o segundo presidente da V República Francesa – houve um brevíssimo presidente interino, após a renúncia de Charles de Gaulle, mas na prática Pompidou foi o sucessor do "Homem do 18 de Junho".

Com aquela afirmação, Pompidou referia-se à viatura oficial do Palácio do Eliseu, sede e símbolo maior da República que deu ao mundo o conceito de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. E no seu mandato ele fez-se transportar em dois famosos Citroëns: o DS19 que tinha pertencido a de Gaulle – e que lhe salvou a vida no atentado de 1962 – e o invulgar SM, uma colaboração entre o fabricante francês e a Maserati.

Prolongamento do protocolo oficial da República, sempre que o Presidente francês está a bordo da viatura oficial, esta apresenta no canto dianteiro direito uma bandeira da França, o lado onde S.Exa. entra no carro. No caso de também transportar um alto dignitário estrangeiro, este entrará pelo lado esquerdo, e aí, no canto dianteiro esquerdo, figurará uma bandeira do seu país.

Embora atualmente recebam matrículas normais, na sequência numérica que rege todos os novos carros matriculados em França, as matrículas destas viaturas oficiais já tiveram um formato especial: 1PR75 e 5PR75 – sendo o 75 o número do departamento de Paris onde se encontra o Palácio do Eliseu, residência oficial do PR.

Desde 1959, ao longo da V República, muitos têm sido os carros oficiais adotados pelos presidentes franceses. E num país que é um grande fabricante de automóveis, as principais marcas já tiveram modelos seus a cumprir esta tarefa: Renault, Citroën (e também a sua recente marca ‘premium’, a DS) e Peugeot, já todas tiveram a honra de serem fornecedores do Estado francês. Pegando apenas no exemplo do fabricante de Sochaux, há quase 50 anos que a Peugeot foi escolhida pela primeira vez (nesta V República, entenda-se).

Peugeot 604

Valéry Giscard d’Estaing era um amante de automóveis e frequentemente era ele quem seguia ao volante do Peugeot 604 que ele próprio escolheu em 1975, ano do lançamento do modelo. Deve-se também a ele a adoção da cor verde-musgo, e não preto, como até então era habitual.

Peugeot 604
Peugeot 604 Foto: Peugeot

Peugeot 605

Já François Mitterand foi um verdadeiro "Rei Salomão", ao fazer-se deslocar, ao longo dos seus 14 anos de mandato, a bordo de Renaults (30, depois 25 e finalmente Safrane), de Citroëns (CX e depois XM) e também, evidentemente, de Peugeots, tendo ordenado a aquisição de um 605 blindado. Motorizada por um V6 de 170 cavalos, a viatura pesava 2500 kg, uma tonelada mais do que o modelo de série.

Peugeot 607

Jacques Chirac foi outro presidente francês confesso amante de automóveis. Além de um Citroën CX Prestige, e posteriormente um C6, o político ‘gaullista’ utilizou com frequência um Peugeot 607. Mas, curiosamente, o modelo que ficou mais famoso durante o seu mandato (1995-2007) foi o Peugeot 205 que a Primeira Dama conduzia (aparece em segundo plano na foto do 604).

Também Nicolas Sarkozy utilizou um Peugeot 607, um modelo Paladine – um ‘landaulet’ (tejadilho descapotável sobre os bancos de trás) – que alternou com um Citroën C6 e um Renault VelSatis. A caraterística mais marcante deste 607 Paladine era o referido tejadilho descapotável, construído em vidro (imagine-se o peso!), que ao recolher ocupava quase toda a traseira do carro, deixando ao depósito de combustível o espaço para uns meros... 6 litros.

Peugeot 607 Paladine
Peugeot 607 Paladine Foto: Peugeot

Peugeot 5008

Emmanuel Macron elegeu um Peugeot 5008, imediatamente entregue aos cuidados da empresa Centigon, responsável pela transformação e blindagem da viatura. O político de 44 anos apenas se desloca em veículos blindados. Pouco se sabe sobre as caraterísticas técnicas do carro (‘sécurité oblige’), apenas que os bancos traseiros são dois em vez de três, que na grelha foram instaladas luzes de emergência e que a carroçaria ostenta as insígnias da Presidência Francesa – tudo ‘top secret’, como se pode ver (não ver, neste caso). Além deste Peugeot 5008, Macron já tinha utilizado o Renault Espace do seu antecessor François Hollande e desloca-se atualmente num DS7 Crossback.

Peugeot Type 156

Mas bem antes da V República, nos idos de 1921, a Peugeot já tinha fornecido ao Eliseu o seu primeiro modelo: tratou-se de um Type 156, que transportava o socialista radical Alexandre Millerand. Foi o primeiro modelo da marca francesa a ser fabricado em Sochaux e representava o topo de gama da Peugeot nessa altura. A motorização era assegurada por um impressionante 6-cilindros de 5954 cm3, que debitava uns espantosos 25 (vinte e cinco) cavalos.

Peugeot Type 156
Peugeot Type 156 Foto: Peugeot
Saiba mais Prazeres, Atualidade, Drive, Peugeot
Relacionadas

Já viu por aí este carro, o Lynk & Co 01?

Pois, é natural que não. Para todos os efeitos, ainda não é vendido em Portugal. Trata-se de um SUV plug-in chinês, “primo direito” do Volvo XC40, que tivemos a oportunidade de testar em Madrid – a marca Lynk & Co está a lançar-se em Espanha e antes de 2023 não virá para Portugal – infelizmente...

Gasolina ou gasóleo? Eis a questão

Com os preços dos combustíveis de pernas para o ar – gasóleo mais caro que gasolina – a Mazda respondeu a esta pergunta "shakespeareana". Vejamos o que nos diz o teste a este CX-5 2.0, um gasolina que se comporta (quase) como um diesel.

Mazda2, híbrido mais híbrido não há

A silhueta inconfundível de um... Toyota Yaris (?) abriga a alma do Mazda2 híbrido. Não é ‘plug-in’, autocarrega-se em andamento, mas neste test-drive comprovou ser uma ótima estratégia. A Mazda levou o conceito híbrido ao extremo: é mesmo igualzinho a outro carro, é quase um híbrido duas vezes.

Opel Corsa: a ternura dos 40

Lançado em 1982, o Opel Corsa já se tornou um clássico da história do Automóvel. Quarenta anos e seis gerações depois, continua a povoar as nossas ruas, estradas, auto-estradas, ultrapassando já a fasquia dos 14 milhões de unidades vendidas.

Peugeot 104: o anti-R5 faz 50 anos

Em janeiro de 1972, os alarmes tinham soado em Sochaux: a Renault ia lançar o R5. Em setembro, a Peugeot apresentava o antídoto no Salão de Paris: o Peugeot 104.

Mais Lidas
Drive Ainda se lembra do Opel Kadett?

As efemérides são assim: parte-se do presente, viaja-se até ao passado e lá se encontra (mais) um marco da história do Automóvel. Em 1962, nascia o Opel Kadett.

Drive Já viu por aí este carro, o Lynk & Co 01?

Pois, é natural que não. Para todos os efeitos, ainda não é vendido em Portugal. Trata-se de um SUV plug-in chinês, “primo direito” do Volvo XC40, que tivemos a oportunidade de testar em Madrid – a marca Lynk & Co está a lançar-se em Espanha e antes de 2023 não virá para Portugal – infelizmente...