Estilo / Moda

Black is Beautiful

Diz-me a quantidade de cor preta que figura no teu guarda roupa, dir-te-ei quem és? Quem usa preto é, necessariamente, uma pessoa angustiada? E representará, obrigatoriamente, uma alma de artista? Uma coisa é certa: elegância não lhe falta, atitude é sempre certa e segurança nem se fala. É vestir para crer (e, quem sabe, nunca mais querer largar).

Claudia Mason, Beverly Peele, e Susan Holmes para a Vogue americana em 1992
Claudia Mason, Beverly Peele, e Susan Holmes para a Vogue americana em 1992 Foto: Getty Images
29 de novembro de 2019 | Pureza Fleming

"O preto é, simultaneamente, moderno e arrogante. É preguiçoso e fácil, ainda que misterioso. Mas, acima de tudo, o preto diz: ‘Eu não te incomodo — tu não me incomodas’". Transcrita esta citação do designer de moda japonês, Yohji Yamamoto, poderíamos, de forma altiva e pedante, ficar por aqui neste texto. É que o preto, antes de mais nada, é uma cor que não dá satisfações. É preto no branco, logo, sem espaço para litígios. Contudo — e apesar de tudo —, esta não cor (já lá vamos, à explicação) não tem tido uma existência fácil. Ao preto é comum serem associadas as piores características do livro das emoções: "o preto é deprimente", "o preto puxa para baixo", o "preto é sorumbático, soturno, lastimoso", ouve-se o tempo todo.

Desfile Yohji Yamamoto primavera-verão 2020
Desfile Yohji Yamamoto primavera-verão 2020 Foto: Getty Images

Em caso de dúvida, um rol de expressões e de termos confirmam a sua má fama: na Alemanha, por exemplo, quando alguém fica muito irritado diz-se que ficou "preto de raiva"; em inglês, a um crime de chantagem dá-se o nome de blackmail; piadas de mau gosto são, geralmente, conhecidas como sendo "piadas de humor negro"; quando uma pessoa é acometida por um blackout, fica tudo escuro e a pessoa não se lembra de nada; há as "ovelhas negras da família", aqueles que vivem sob uma "nuvem negra" e, naturalmente, os pessimistas que vêem "tudo negro". Relembramos ainda os "dias negros" da bolsa — como foi a sexta-feira negra de 24 de setembro de 1869, data que assinalou a falência do mercado de ouro nos Estados Unidos, — ou as listas negras — um lugar onde, independentemente dos motivos, ninguém quer figurar.

Num estudo publicado no livro A Psicologia das Cores: como as cores afetam a emoção e a razão (2017), o preto é a cor preferida de dez por cento das mulheres e homens. Entre os homens com idades compreendidas entre os 14 e os 25 anos, 20% citaram o preto como a cor predilecta; entre os de 26 e 49 anos, apenas 9%; acima dos 50 anos, ninguém citou o preto como a cor preferida. Nas mulheres, o gosto pelo preto também oscila com a idade: entre aquelas com idade superior a 50 anos, apenas 6% elege esta não cor como a favorita. Resumindo: quanto mais idade se tem, menos se aprecia o preto. O que pode parecer evidente se pensarmos no preto como a cor do luto — o preto, nos mais idosos, pode significar a morte. Posto isto, é até natural que a cor preta carregue consigo uma fama que não a favorece. Para começar, esta cor não é sequer uma cor. Vejamos: se a soma de todas as cores do arco-íris é branca, o preto representará a ausência de todas as cores. Deste modo, o preto foi declarado como sendo uma "não cor". A este propósito, Auguste Renoir, percursor do impressionismo foi, certa vez, questionado: "Quer dizer então que a única inovação do impressionismo foi a abolição do preto, essa ‘não cor’?". Ao que Renoir respondeu: "O preto uma ‘não cor’? De onde é que vocês tiraram isso? O preto é a rainha das cores. Eu sempre abominei o azul Prússia. Eu bem que tentei substituir o preto por uma mistura de vermelho e azul — mas, para isso, eu usei o azul cobalto ou o azul ultramarino; e, no final das contas, acabei por voltar para o preto marfim".

Karl Lagerfeld no desfile Chanel outono-inverno 2018/2019
Karl Lagerfeld no desfile Chanel outono-inverno 2018/2019 Foto: Getty Images

Em África, o preto é a mais bela das cores. Na bandeira preto-ouro-vermelho do Uganda, o preto representa o povo. O símbolo africano da liberdade é uma estrela preta de cinco pontas. O lema, por aquelas terras quentes, é Black is Beautiful. Porque é.

Back to Black (novamente)

A moda tem sido uma das maiores amantes do preto. Esta é uma relação amorosa que sobrevive aos tempos, e hoje, mais do que nunca, a não cor preta é sinónimo de resistência. De oposição ao boom do fast-fashion, das coleções demasiado constantes, e das tendências por demais fugazes. E, o mais engraçado, é que ninguém defende o preto de forma tão acérrima, como o fazem os grandes designers de moda. Afinal, quem dita as regras. " O preto é a quintessência da simplicidade e da elegância", clamou Gianni Versace. "O preto simboliza a ligação entre a arte e a moda", referiu Yves Saint-Laurent. "O preto é uma cor que cai bem em qualquer pessoa. Com o preto não há como errar", articulou Karl Lagerfeld. "Uso preto de dia e de noite. Fica sempre bem e dá destaque à personalidade", expôs Donna Karan. Mas a adoração a esta não cor surge bem lá atrás no tempo. Ainda antes de Coco Chanel (1883 - 1971) tornar chique o little black dress, em meados dos anos 20, o preto era uma cor reservada ao luto. Conta a lenda que Gabrielle Chanel começou a usar preto aquando a morte do seu amante, Boy Capel, em 1919, e que os seus primeiros pequenos vestidos pretos inspiravam-se nos simplórios trajes de luto preto usados pelas camponesas das aldeias francesas que Gabrielle conhecia em criança. Embora a criadora francesa tenha sido responsável por tornar esta peça no epítome do estilo, ela não foi a primeira a reconhecer o seu charme. Já em 1916, o termo little black dress surge na revista inglesa The Queen, e Henry James referiu o mesmo, ainda antes disso, em 1902, no filme As Asas do Amor. Explicava a antiga diretora da Vogue e da Harper’s Bazaar, Diana Vreeland (1903-1989), consultora especial do Costume Institute no Metropolitan Museum of Art, que "quando os restaurantes se tornaram moda para passeios noturnos, nos anos 20 e 30, o little black dress converteu-se no visual a adotar em público; isto, em oposição aos vestidos de festa usados ??em jantares privados. O que tornou esta peça (ainda mais) inteligente foram os airosos acessórios — as peles, as luvas, os apolíneos sapatos e, o mais importante de tudo, os pequenos chapéus ou véus ultra chiques com fitas de moiré usadas no cabelo. Eventualmente, o little black dress perderia esse brilho particular no momento em que as mulheres deixavam de decorar as suas cabeças com pequenos véus. A partir do protestantismo, com Martinho Lutero, a roupa preta propaga-se pela Europa assumindo-se como símbolo da responsabilidade individual, dando daí um grande salto até à mais moderna filosofia da individualidade: o existencialismo de Jean Paul Sartre. O existencialismo foi, por volta de 1950, uma moda e uma filosofia. A visão do mundo deixou-se reproduzir também na maneira de vestir — os existencialistas vestiam-se de preto. O filósofo Jean Paul Sartre sempre se vestiu de preto. A cantora Juliette Greco, que incorporou o existencialismo em atitudes mais populares, ficou famosa pelos seus olhos delineados a preto, pelas suas calças em veludo cotelê (ou bombazina) pretas e pela camisola de gola alta preta que lhe chegava até ao queixo.

Claudia Mason, Beverly Peele, e Susan Holmes para a Vogue americana em 1992
Claudia Mason, Beverly Peele, e Susan Holmes para a Vogue americana em 1992 Foto: Getty Images

Como cor que delimita, a roupa preta permaneceu popular entre todos os grupos que, ao longo da história, quisessem estar acima da norma, acima das massas, que não tivessem qualquer interesse em adaptar-se aos valores vigentes. Os beatniks — movimento sociocultural dos anos 50, princípio da década de 60, que subscreveu um estilo de vida anti-materialista, na sequência da 2.ª Guerra Mundial — só se vestiam de preto. "Beat style is anti-style" (O estilo beat é o anti-estilo) escreveu-se na revista Esquire, em março de 1993. "[O estilo beat] são camisolas de gola alta pretas (…) São as roupas que se deixa cair no chão do quarto quando se vai para a cama, já de madrugada, e que se vestem sem pensar duas vezes, já tarde ao acordar (…). O estilo beat é parecer que não se tem nada planeado, porém é tão simples que acaba por causar um grande impacto". De regresso às passerelles, torna-se impensável não referir certa designer japonesa. Estava-se em 1981 quando o trajecto da moda mudaria completamente. Rei Kawakubo faria a sua primeira aparição, em Paris, com a sua marca Comme Des Garçons. De cores escuras e repleta de buracos, as peças de roupa 'anti-moda' foram imediatamente repreendidas pela imprensa que as apelidou de 'Hiroshima chic' — tendo ajudado, porém, a reafirmar o preto como um carimbo que também pertencia ao guarda-roupa feminino. Evocamos, igualmente e evidentemente, um dos connaisseurs mais reconhecidos em matéria de preto. O príncipe do design sombrio, Rick Owens. Ladeado pela sua companheira, musa e ícone, Michèle Lamy, Owens lidera uma tribo de corvos vestidos de preto que transitam algures num espaço indeterminado entre o monasticismo, o gótico e o grunge. De farta e esvoaçante cabeleira negra e usando, geralmente, uma túnica preta sem mangas, o designer retrata a sua própria visão.

Desfile Rick Owens outono-inverno 2019/2020
Desfile Rick Owens outono-inverno 2019/2020 Foto: Getty Images

Em suma, resume-nos a história que quem se veste de preto não tem necessidade de se tornar interessante pelas cores que usa; que, para isso, basta a sua personalidade. A artista suíça Pipilotti Rist, que tematizou na sua pintura a transformação doself por meio de diferentes trajes, explanou: "Quem se veste com cores alegres passa uma impressão superficial. Quem se veste de preto está a demonstrar que não necessita de adornos, que tem valores internos". O realizador Sergei Einstein, por sua vez, repudiou a cor nos seus filmes pois acreditava que, "renunciando a atração através das cores, a forma e o conteúdo receberiam uma maior atenção pela parte do espectador". A forma segue a função (Form follows function). É esse o lema do desenho clássico-moderno. Significa a renúncia a enfeites, a padrões supérfluos, a cores supérfluas. Tudo ganha um colorido "neutro": preto, branco ou cinza. Com a renúncia ao colorido gera-se a exigência pela praticidade e pela funcionalidade — essas sim, as verdadeiras virtudes do design. Segundo o mesmo livro citado anteriormente A Psicologia das Cores: como as cores afetam a emoção e a razão (2017), "nos objetos de luxo, a renúncia às cores permite que o luxo se manifeste por si só. O preto é a cor com que mais se evidencia a renuncia ao colorido, a mais contundente renúncia à ostentação — e, por isso, o preto é a mais nobre das cores. Tudo o que quiser ganhar a aparência de ser tecnicamente moderno tornou-se preto: televisores, aparelhos de som, máquinas fotográficas ou relógios de pulso. As cores deveriam desaparecer para que a técnica passasse para primeiro plano". E se tudo isto nos parece demasiado técnico, frio até, então passemos a citar a designer belga, Ann Demeulemeester que declamou, tão poeticamente: "O preto é poético. Como é que imagina um poeta? Vestido de casaco amarelo brilhante? Provavelmente não". Exacto, provavelmente não.

Desfile Céline outono-inverno 2019/2020
Desfile Céline outono-inverno 2019/2020 Foto: Getty Images
Saiba mais preto, negro, moda, luxo, roupa, cores
Relacionadas

10 restaurantes, 10 looks

Dos almoços de trabalho mais formais aos jantares mais elegantes, saiba o que vestir em cada ocasião.

Man in black

Os fatos pretos, combinados com camisa clássica branca e gravata, ou com camisa preta, não são normalmente vistos à luz do dia. Esta é a estação em que este cliché vai mudar.

Mulher-mistério

O trench coat tornou-se uma peça essencial e hoje ganha protagonismo, tanto com as formas clássicas como com as novas interpretações dos designers. Pode agora ser vestido em todas as ocasiões, mesmo nas mais formais.

Os 10 homens com mais estilo da Internet

Numa era em que todos procuram ideias de estilo, saiba quem são os melhores instagramers a seguir de todos os cantos do mundo. A nossa escolha não é feita pelo número de seguidores ou por serem famosos, mas sim porque são os homens mais bem vestidos e com mais estilo.

Homem do mês: Jeff Goldblum

Além de participar em alguns dos filmes mais lucrativos da sua época, como é o caso da saga Jurassic Park, e de se ter revelado um pianista de jazz notável, o ator norte-americano é também um exemplo de estilo com muita personalidade

Mais Lidas
Moda Black is Beautiful

Diz-me a quantidade de cor preta que figura no teu guarda roupa, dir-te-ei quem és? Quem usa preto é, necessariamente, uma pessoa angustiada? E representará, obrigatoriamente, uma alma de artista? Uma coisa é certa: elegância não lhe falta, atitude é sempre certa e segurança nem se fala. É vestir para crer (e, quem sabe, nunca mais querer largar).

Moda "Portugal está a vestir-se muito melhor"

Inspirada no Atlântico, no seu povo e nas suas tradições, a La Paz é uma marca de moda masculina que cria peças intemporais, com o fator duração patente — comme il faut, nos tempos que correm. A MUST conversou com um dos fundadores sobre a moda nacional, o estilo dos portugueses e a influência internacional nas questões do (bom) gosto.