Viver

Os produtos mais estranhos das celebridades

A rivalizar com a vela com cheiro a vagina lançada por Gwyneth Paltrow.

Gwyneth Paltrow
Gwyneth Paltrow Foto: Getty Images
20 de janeiro de 2020 | Aline Fernandez

Gwyneth Paltrow foi assunto na Internet ao vender uma vela que cheira a vagina. É arrojado, sem dúvida, mas não sabemos se é exatamente atraente. No entanto, o produto, que custa US$ 75 (não entrega na Europa), já está esgotado no site da Goop, a marca de lifestyle da atriz. A descrição do aroma assegura que este é "engraçado, lindo, sexy e maravilhosamente inesperado", o que provavelmente gerou curiosidade, porque várias pessoas compraram a vela sequer a cheirar.

'This Smells Like My Vagina', Heretic, à venda no site Goop
'This Smells Like My Vagina', Heretic, à venda no site Goop

Por mais bizarro que tudo isto pareça, Gwyneth não é a primeira a colocar à venda uma ideia, digamos, diferente. Dos KISS a Trump e até a Danny DeVito, reunimos alguns lançamentos que marcaram a pela graça.

Os caixões dos KISS

KISS Kasket
KISS Kasket

Já pensou em ser enterrado num caixão estampado com imagens da sua banda favorita? Pois bem, algumas pessoas já devem ter tido este desejo, já que a banda KISS licenciou o "KISS Kasket", pondo-o à venda em 2001 por cerca de três mil dólares americanos com Gene Simmons a dizer: "Eu adoro viver, mas isto faz com que a alternativa pareça bem boa." Quando o guitarrista norte-americano de heavy metal Dimebag Darrell, das bandas Pantera e Damageplan, faleceu em dezembro de 2004, Simmons doou um caixão para o funeral.

Os bifes de Donald Trump

Trump Steaks
Trump Steaks

Antes de se tornar presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump tentou vender bifes mesmo muito caros. Os Trump Steaks começaram a ser comercializados em 2007, na The Sharper Image, e duraram apenas dois meses antes de serem descontinuados, porque ninguém os comprou.

O pudim de Sylvester Stallone

High Protein Pudding do Sylvester Stallone
High Protein Pudding do Sylvester Stallone

Este pudim com baixo com alto teor proteico esteve à venda na General Nutrition Centers, loja com foco no mercado fitness até 2012.

O jogo de Shaquille O'Neal

Shaq Fu
Shaq Fu

Não que faça sentido usar a imagem de um famoso jogador de basquetebol como rosto de um videogame de artes marciais, mas Shaquille O'Neal fez isso mesmo em 1994. E, de facto, não funcionou. O Shaq Fu era um jogo de luta lançado para as consolas Sega Genesis, Sega Game Gear, Super Nintendo e Game Boy. Mais tarde, foi lançado para a plataforma Amiga, exclusivamente para a Europa, mas também não obteve sucesso e – o pior – chegou a ser considerado um dos piores jogos de todos os tempos. Ironicamente, uma campanha de crowdfunding na Internet em 2018 reuniu dinheiro para lançar uma sequência original, o Shaq Fu: A Legend Reborn.

O limoncello de Danny DeVito

O limoncello de Danny DeVito
O limoncello de Danny DeVito

A inspiração foi nada mais nada menos que uma aparição no talk-show norte-americano The View, no qual estava visivelmente bêbado. DeVito afirmou que estava a beber limoncello e depois do episódio constrangedor decidiu fazer graça da desgraça e criar a sua própria marca da bebida alcoólica. Uma garrafa custa cerca de US$ 25, aproximadamente €22.

O Kardashian Kard

Kardashian kard
Kardashian kard

O clã Kardashian-Jenner tem um verdadeiro grupo de negócios, que vai muito além do reality-show da família norte-americana e das linhas milionárias de cosméticos de Kylie Jenner e Kim Kardashian West. Contudo, houve um empreendimento que não funcionou tão bem, o cartão pré-pago Kardashian Kard, criticado peças suas taxas extorsivas. O "kard" (claro!), anunciado em novembro de 2010, custava US$ 100 de adesão por um ano e cobrava um dólar americano e meio para levantar dinheiro. O cartão estava estampado com a fotografia das irmãs Kim, Kourtney e Khloé.

O absinto de Marilyn Manson

Mansinthe
Mansinthe

O cantor Marilyn Manson decidiu partilhar o seu amor pelo absinto com um produto chamado Mansinthe. O absinto é tradicional, custa entre US$ 60 e US$ 70 por garrafa, e é muito bem avaliado, já tendo recebido a nota 90 da revista especialista Wine Enthusiast.

Carlos by Carlos Santana

Carlos by Carlos Santana
Carlos by Carlos Santana

Quando pensamos em Carlos Santana, provavelmente pensamos na sua habilidade para a guitarra. Porém, o músico criou Carlos by Carlos Santana para confecionar sapatos "inspirados pela arte e paixão dos ritmos e vibrações" que faz. A primeira linha foi para mulheres e, em seguida, lançou uma dedicada aos homens. Os preços dos sapatos variam entre os €32 e os €480 e estão à venda na Amazon com entrega em Portugal.

Heidi's Fruit Flirtations

Heidi's Fruit Flirtations
Heidi's Fruit Flirtations

A supermodelo, apresentadora de TV e empresária alemã Heidi Klum resolveu criar os seus próprios gummies por afirmar estar desapontada com a qualidade das gomas norte-americanas. Talvez os americanos não concordem com ela ou talvez a oferta seja demasiado grande, mas o resultado não foi um sucesso.

Os produtos de beleza comestíveis de Jessica Simpson

Jessica Simpson
Jessica Simpson Foto: Jeffrey Mayer/WireImage

Embarcando numa tendência – que rapidamente veio a desaparecer, e provavelmente por um bom motivo – a atriz Jessica Simpson lançou a sua gama de produtos de beleza comestíveis no início dos anos 2000. A linha Dessert Beauty tinha produtos que incluíam a "fragrância de poção do amor deliciosamente beijável no umbigo", com o slogan: "Garotas sexy têm sobremesa"…

A pasta de dentes de Mary-Kate e Ashley Olsen

Aquafresh Bubble Cool da Mary- Kate e Ashley Olsen
Aquafresh Bubble Cool da Mary- Kate e Ashley Olsen

As gémeas usaram a usa imagem para divulgar uma infinidade de produtos, a incluir um jogo de tabuleiro, uma revista e diversos CDs. Talvez o mais esquisito tenha sido o creme dental Mary-Kate e Ashley Aquafresh BubbleCool, lançado em 2003. As irmãs Olsen tinham 17 anos mas a imagem indicava uns 13, porque o foco era comercializar para pré-adolescentes.

O café de David Lynch

O café de David Lynch
O café de David Lynch Foto: Amy T. Zielinski/Getty Images

David Lynch, aclamado realizador dos filmes Veludo Azul (1986), Mulholland Dr. (1999) e da série Twin Peaks (2017), também é conhecido por adorar café. Lynhc contou que bebia 20 chávenas de café instantâneo todos os dias. Por isso, resolveu, em 2006, lançar a sua marca própria de café. O pacote de 340 g custa em média US$ 12.

One Direction Monopoly

One Direction Monopoly
One Direction Monopoly

O jogo de tabuleiro quis aproveitar o frisson em redor da boyband, lançando uma edição One Direction em 2014, que foi vendida por US$ 39,99, cerca de €36. Os jogadores podiam investir em singles, momentos, datas da tour e álbuns.

Mmmhops dos Hanson

Mmmhops
Mmmhops

A pale ale criada pelos irmãos Taylor, Zac e Isaac Hanson, foi vendida com o slogan 'Mmmhops, dos tipos que inventaram o Mmmbop', e não poderia ser pior. Como poderia um hit juvenil ajudar a vender cerveja?

Pimpjuice de Nelly

Pimpjuice do Nelly
Pimpjuice do Nelly

Não é todos os dias que se pode baptizar um produto em homenagem a uma das suas músicas. Após o single Pimp Juice, de 2002, Nelly lançou a sua linha de bebidas gaseificadas, apesar de diversos grupos culturais e mulheres o terem boicotado. Nelly defendeu-se dizendo: "Pimp Juice é algo que atrai o sexo oposto; poderia ser dinheiro, fama ou intelecto; isso não importa!"

O detetor de metais de Bill Wyman

O detetor de metais de Bill Wyman
O detetor de metais de Bill Wyman

O baixista da banda Rolling Stones criou o seu próprio detetor de metais por US$ 185, cerca de €167. Ainda nos faltam as palavras para perceber o quanto isto é necessário.

O Starpower de Beyoncé

Este era o nome do que sera um videogame de dança com captura de movimentos, protagonizado por Beyoncé. O jogo acabou por nunca ser lançado, resultando num processo de US$ 100 milhões pela empresa de desenvolvimento de jogos Gate Five. Se a cantora resolveu sair do projeto, só nos resta a curiosidade de saber o quão mau seria o jogo.

O preservativo extra-small de Enrique Iglesias

O assunto foi muito falado, mas se save a razão que levou cantor espanhol, filho da lenda Julio Iglesias, a envolver-se nesta ideia. Talvez, tudo tenha começado depois da entrevista ao The Sun, em 2004, quando respondeu atravessado à pergunta se estaria nu na capa do seu disco. "Talvez eu não tenha o maior pénis do mundo. Se tivesse, poderia vender discos posando nu na capa. Mas eu não. Eu posso ter o menor pénis do mundo." Contudo, meses depois, em entrevista ao programa de rádio espanhol Los 40, Enrique desmentiu: "É horrível que digam isso de si. Esses comentários feriram a mim e a minha namorada [a tenista russa Anna Kournikova]. Interpretaram-me mal. Jamais mencionei o tamanho do meu pénis", disse irritado.

Ao mesmo tempo, a imprensa internacional publicou que o cantor já havia admitido anteriormente o desejo de aumentar o tamanho do seu pénis por ser "muito, muito, mas muito pequeno mesmo" e porque ele nunca encontrava preservativos extra-pequenos à venda. Em seguida, Enrique Iglesias disse à America's Houston Press que o próximo artigo que iria lançar seria "um preservativo muito pequeno com o meu nome". O objetivo do cantor era ajudar pessoas mal dotadas para que elas se sintam tão orgulhosas quanto ele. Ainda não vimos o produto…

Saiba mais Gwyneth Paltrow, Marilyn Manson, KISS, Donald Trump, Heidi Klum, media
Relacionadas

O negócio dos milionários é estar em forma

Ser bilionário ou o CEO de uma empresa multinacional exige um físico tão treinado como a mente. Até os líderes tecnológicos, mesmo os nerds do Facebook à Microsoft, já arranjam tempo para estar em boa forma.

Mais Lidas
Viver Sexo casual é bom e recomenda-se?

Vergonhoso e sem importância, é com esta fama às costas que tem vivido o termo (e a prática) referente a sexo ‘casual’. No geral, são vários os motivos apontados. Em particular e visto à lupa, esta escolha parece não representar nada de errado. Formalismos à parte, é claro.

Viver O Fim da Humanidade?

A inteligência artificial já está a ficar com os nossos trabalhos. Irá libertar-nos, escravizar-nos ou exterminar-nos? O Professor Stuart Russell, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, acredita que estamos numa encruzilhada perigosa.

Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.