Viver

Maior opositor de Putin envenenado

O político russo Alexei Navalny, conhecido por ser o maior opositor de Putin, está em coma e a suporte respiratório após ter sido alegadamente envenenado. Nalvany tinha apanhado um avião em Tomsk, na Sibéria para voltar para Moscovo, quando se sentiu mal.

Foto: Getty Images
20 de agosto de 2020 | Inês Esteves

Quem divulgou o seu estado de saúde foi a sua porta-voz Kira Yarmysh. A porta-voz contou no Twitter que o avião foi obrigado a fazer uma aterragem de emergência em Omsk, pelo incidente com o político. Kira acrescenta também que suspeitam que o político tenha sido envenenado com algo que foi misturado com o chá que bebeu, por ter sido a única coisa que ingeriu. Explica também que os médicos dizem que a toxina foi absorvida mais rapidamente devido à bebida ser quente. "O Alexei está inconsciente" escreveu, de acordo com a tradução feita pela BBC.

Kira contou que inicialmente os médicos estavam dispostos a partilhar informação, mas que entretanto os testes que iam efetuar tinham de ser adiados, disse também que a polícia já tinha chegado ao hospital.

No entanto, um dos médicos que estava envolvido disse à Reuters que não havia certezas de que Navalny tinha sido envenenado, só que era uma das possibilidades.

A porta-voz de Navalny afirmou ainda de um incidente semelhante do ano passado em que o político sofreu de uma reação alérgica e um médico lhe disse que pode ter resultado de um envenenamento químico desconhecido.

Sabe-se que Navalny fundou a Fundação Anti-Corrupção em 2011, e que é líder da oposição democrática na Rússia, o que faz do político, o maior opositor de Vladimir Putin. A sua posição política e manifestações já levaram à prisão, processos judiciais e foi também vítima de violência por parte de apoiantes de Putin.

Saiba mais Putin, Alexei Navalny, Moscovo, Tomsk, Avião, Envenenado, Sibéria
Relacionadas

Anos dourados, as festas que ninguém esquece

Tendo como ponto de partida “a maior festa do mundo” dada pelo Xá da Pérsia, em 1971, recordamos as que foram oferecidas por grands seigneurs nos anos 60 e 70, nesta época em que se festeja a passagem do ano. Ao refinamento de antes sobrepôs-se a riqueza, ao chique o novo-riquismo, à imaginação o trivial, à exclusividade a mundanidade e ao bom gosto a quase vulgaridade. As verdadeiras grandes festas esfumaram-se. Mas não na nossa memória.

Chamem-me Mr. Monaco, o melhor amigo dos milionários

Se quiser dar uma festa para multimilionários, vai precisar de champanhe vintage, de mulheres jovens e muito sensuais e de um iate de luxo. E, eventualmente, de incluir um atleta olímpico ou um astronauta na lista de convidados. Isto, de acordo com Nicholas Frankl, que se define como um “conector”, um homem que estabelece contactos UHNW*. Só visto!

Mais Lidas
Viver "A Airbnb precisa de mudar. Temos de regressar ao essencial"

A Airbnb sofreu um golpe de mil milhões de dólares com a pandemia — enquanto enfrentava acusações de fomentar o aumento das rendas e incentivar o turismo excessivo. O seu cofundador, Brian Chesky, conversou com John Arlidge sobre como a sua empresa perdeu o rumo — e o que vai fazer para retomá-lo.