Viver

Quando se trata de cruzeiros o frio gelado é quente, quente, quente

Num mundo em aquecimento, o mercado de cruzeiros de luxo concentra-se em temperaturas mais baixas. Não, eles não são os pioneiros verdes do setor de viagens (embora os novos navios poluam muito menos do que os seus antecessores). Em vez disso, os navios são encaminhados para a Antártida, o Ártico ou para qualquer lugar onde o gelo glacial, em vez do calor tropical, seja a principal atração.

Foto: Crystal Cruises
15 de novembro de 2019 | Bloomberg

Ao contrário da primeira geração de quebra-gelo - principalmente navios de expedição e antigas embarcações de investigação da Rússia com interiores renovados - e o punhado de navios de expedição pioneiros que começaram a inovar nos últimos anos, esta nova geração de navios polares é menor, mais ágil e muito mais confortável.

"As expectativas das pessoas mudaram", diz Bob Simpson, vice-presidente de expedição da operadora de turismo de luxo Abercrombie & Kent, que freta dois navios da linha francesa Ponant para travessias nos Oceanos Antártico e Ártico, incluindo a Passagem do Noroeste entre os Oceanos Atlântico e Pacífico. "Não se poderia colocar o passageiro de luxo de hoje numa cabine de 9,8 metros quadrados com uma cama de solteiro e uma escotilha."

Pelo contrário, os navios de hoje oferecem um ambiente de champanhe com gelo, no gelo. Os navios têm todas as amenidades de um hotel de primeira classe, incluindo camas king size, além de helicópteros e submarinos que permitem aos passageiros apreciar paisagens inacessíveis acima e abaixo do mar. O desafio: alguns itinerários parecem uma corrida contra as mudanças climáticas, seja o glaciar Sermeq Kujalleq, que está a derreter rapidamente na Gronelândia, ou o gelo que está a encolher e que pode ser observado da Estação Palmer, na Antártida.

Foto: Crystal Cruises

Este ano, a linha australiana Scenic causou alvoroço com a estreia do "Scenic Eclipse" de classe polar. A partir do próximo mês, o navio levará 200 passageiros ao "Continente Branco", com acessórios que incluem um bar com 110 garrafas de uísque, uma piscina coberta e uma sala inteira dedicada à meditação - além de dois helicópteros e um submarino de seis lugares.

Em 2020, 10 novos navios de expedição serão adicionados, oito dos quais são da classe polar. O Crystal Endeavor, para 200 passageiros da Crystal Cruises, continua a tendência de helicópteros e submarinos enquanto acrescenta o único casino num navio de expedição, completo com blackjack, roleta e caça-níqueis. Depois, há o Ultramarine, de 199 passageiros, da Quark Expeditions, que usará os seus dois helicópteros para oferecer aos hóspedes não apenas observação em voo, mas também esqui e caminhadas. Ponant e Lindblad Expeditions-National Geographic também prometem expedições.

Para muitas empresas de cruzeiros, o facto de estes navios serem relativamente pequenos - e, portanto, fáceis de comissionar em instalações alternativas de estaleiros – torna-os investimentos interessantes. Além disso, com viagens de 10 dias para a Antártida a partir de 12 mil dólares por pessoa, estes navios geram muito mais receita do que uma viagem de 10 dias para, digamos, o Caribe, onde os preços para viagens comparáveis ??podem ficar abaixo dos 2 mil dólares. Mesmo se houver dúvidas sobre quanto tempo estas paisagens congeladas permanecerão viáveis ??(ou interessantes) para serem exploradas, o investimento deve compensar.

Foto: Crystal Cruises

 

Saiba mais cruzeiros de luxo, Antártida, Ártico, navios polares
Relacionadas

O novo luxo é ser feliz

De acordo com especialistas, o ter – automóveis topo de gama, casas imponentes, relógios de quatro dígitos ou a it bag do momento – deu lugar ao ser: livre, desprendido e independente. Tão simples quanto isto. Aparentemente.

Mais Lidas
Viver Como flirtar, hoje (sem se meter em trabalhos)

Mensagens sexy? Piscadelas de olhos? Dirty dancing? Devemos saber qual é a nova etiqueta para o flirt num mundo pós-Weinstein. Não é fácil. Por isso, leia o guia de Shane Watson* antes de tomar qualquer iniciativa.

Viver Os refúgios dos playboys e dos magnatas

Paris, Cap d’Antibes, Veneza, Rio de Janeiro, Capri, Gstaad, Mustique, Sain-Tropez ou Acapulco eram alguns dos redutos ou refúgios de sonho de estrelas de cinema, de herdeiros, de magnatas, de aristocratas e de playboys, nas décadas de 1950 a 1970. A aviação comercial foi crucial para o desenvolvimento das viagens de luxo dos happy few, antes que esses lugares míticos tivessem ficado abarrotados de turistas e os aviões se tivessem transformado em meros autocarros aéreos.

Viver O homem que sabe o que as mulheres querem

Cobra mil libras por uma noite e cerca de 13.500 por duas semanas de férias. Por que razão mulheres ricas e de sucesso contratam Madison James para mudarem a sua vida sexual? Entrevista com Mr. James para desvendar este mistério.