Prazeres / Artes

Obra “falsa” de Rembrandt pode ser verdadeira

A obra de Rembrandt deliberada como falsa em 1981, “Head of a bearded man”, pelo Rembrandt Research Project, pode ser verdadeira. O quadro estava há décadas fechado na cave do museu.

Foto: Pinterest
01 de setembro de 2020 | Inês Esteves

A história atribulada deste quadro, pelo que se sabe, começa em 1951, quando o negociante de arte Percy Moore Turner deixou a obra "Head of a Bearded Man" ao museu Ashmolean, em Oxford. Na altura, acreditava-se que se tratava de uma obra de Rembrandt, no entanto, em 1981, concluiu-se o contrário, como apurou o The Guardian.

A conservadora de arte An Van Camp revelou ao jornal que o Rembrandt Research Project viu o quadro ao vivo, decidiu que era falso e considerou a possibilidade de se tratar de alguém a imitar a técnica de pintura de Rembrandt, e que provavelmente teria sido feito no final do século XVII, ou seja, nem teria sido feito enquanto o artista era vivo.

Van Camp começou a trabalhar no museu em 2015, e começou a suspeitar que talvez o quadro "falso" pudesse ser verdadeiro. foi então que pediu que fosse analisado por Peter Klein, especialista no método científico de descobrir a idade de uma árvore, e concluiu-se que a pintura, feita sobre painel de madeira, partilhava a madeira da mesma árvore de outro quadro do artista, "Andromeda Acorrentado às Rochas", e "Retrato da Mãe de Rembrandt" de Jan Lievens, um amigo de infância que muitas vezes trabalhava com Rembrandt. Ambas foram pintadas por volta de 1630, em Leiden, na Holanda.

A investigação indica que a obra é pelo menos da oficina do artista, no entanto, vão ser feitos mais estudos para determinar se é de facto um trabalho do pintor ou não.

O museu Ashmolean e a exposição "Jovem Rembrandt", organizada por An Van Camp, reabriram a 10 de agosto.

Saiba mais Rembrandt Research Project, artes, cultura e entretenimento, The Guardian, pintura, museu
Relacionadas

Os magnatas da Arte

Por detrás de um grande artista há, quase sempre, um grande mecenas. E, felizmente, os “Donos Disto Tudo” na Arte, desde Rockefeller a Gulbenkian, optaram por deixar um legado que todos podem admirar.

O bad boy da arte britânica

Tem um museu e divide os críticos como ninguém. Comercial, fraude, génio? Aqui, Damien Hirst fala de tudo o que lhe tem acontecido desde que se tornou famoso. As tremendas bebedeiras incluídas… Recordamos o artigo publicado na MUST em 2018.

Assim se abre uma garrafa de vinho a fogo

É uma das experiências mais procuradas pelos amantes do vinho do Porto, e garante que os vinhos considerados "vintage" sejam apreciados com o maior requinte e qualidade. Veja o vídeo.

T2 no centro de Lisboa a €250? Em breve vai ser possível

O projeto de regeneração da Rua de São Lázaro vai colocar imóveis T0 a T2 modernos, com rendas acessíveis que variam entre os €100 e os €350. A requalificação da rua visa também a criação de uma zona residencial de qualidade, que tenha espaços públicos favoráveis.

Mais Lidas
Futebol Maradona: o triunfo de um homem comum

Astro, deus, génio, os adjetivos nunca farão justiça ao que foi a carreira e a vida de El Pibe. Maradona, o último grande herói do futebol romântico, morreu ontem, na sua Buenos Aires, aos 60 anos. Deixa um legado próprio de ícone pop, mais do que de artista dos relvados.

Artes Ralph Lauren, o designer que construiu um império

Desengane-se quem pensa que Ralph Lauren é apenas um designer de moda. Arquiteto de um império, colecionador de carros clássicos, ícone do estilo e do sonho americano são traços que fazem dele uma personalidade incontornável do século XX e da atualidade. Prestamos-lhe homenagem na boleia da celebração dos 50 anos da sua marca e do seu talento.