Prazeres / Artes

Capitão Fausto apresentam filme-concerto com inéditos e várias surpresas

Tomás Wallenstein, vocalista dos Capitão Fausto, revela mais sobre os bastidores da realização do primeiro filme-concerto da banda portuguesa, filmado em Melides.

A carregar o vídeo ...
19 de novembro de 2020 | Rita Silva Avelar

Em tempos de constante reinvenção também - e sobretudo - para o setor cultural, houve quem arriscasse novos formatos e desse vida a ideias que estavam à espera de um propósito para acontecer. Foi o caso dos Capitão Fausto, que aproveitaram uma semana passada em Melides, em setembro, para filmar o seu primeiro cineconcerto, realizado por Ricardo Oliveira e em exibição esta sexta-feira, 20 de novembro. Com ele, chegam novas e exclusivas versões, três gravadas ao vivo, ao mesmo tempo que se revisita o já emblemático repertório que tão bem conhecemos da banda portuguesa. Tomás Wallenstein fala à MUST sobre a génese deste "Sol Posto", e dos tempos atípicos que vivemos. O filme-concerto tem exibição única a 20 de novembro, às 20h, nas várias salas de cinema espalhadas pelo país.

De onde nasce a ideia de fazer um filme-concerto? Sentiram necessidade de se reinventar num momento como o que vivemos, de fazer nascer algo diferente no meio desta pandemia?

Exatamente. Na impossibilidade de fazer concertos ou de conseguirmos ter condições de chegar a todo o país esta ideia surge justamente para nos reinventarmos ou de reagirmos ao momento que atravessamos. Não é uma salvação ou uma fórmula vencedora, mas é uma resposta criativa para tentar suavizar um problema. Pelo caminho, abriu-nos várias portas e revelou-se uma experiência muito produtiva. Com o filme concerto conseguimos, ainda de que forma diferente, estar reunidos com quem nos segue e gosta da nossa música de uma forma menos comum e que foge às limitações dos live streamings.

Capitão Fausto
Capitão Fausto

Sol Posto. Veio primeiro o nome e depois o conceito, ou vice-versa?

O nome veio depois! E surge de forma muito natural, pois ao longo da residência artística em Melides fomos procurando uma narrativa para o concerto, e o desafio acabou a ser a constante procura das condições ideais para gravar e filmar acompanhando os vários momentos do sol e a sua ausência. Acabou por ficar muito ligado à ideia da passagem do tempo, à inevitável erosão das coisas, e à ideia de um isolamento. Não que tenha sido esta a ideia original, foi mutável e simbiótica à medida que fomos progredindo na narrativa.

Foi gravado numa semana em Melides. O que é que a experiência vos trouxe como banda?

Foi uma excelente oportunidade para revisitar a nossa discografia, de fazer justiça a várias canções que não entram nos nossos concertos (também elas em isolamento) e acima de tudo foi mais uma experiência coletiva de trabalho e entreajuda, desta vez de nos organizarmos  em equipas e semiequipas para conseguirmos produzir, gravar organizar e lançar uma longa em apenas 3 meses. Aprendemos muito mais sobre o processo, sobre outras áreas criativas, e em certa medida sobre nós próprios. E numa altura em que tudo estava incerto foi uma excelente resposta de toda a equipa! Estamos muito gratos e felizes com toda esta experiência.

Que inéditos podemos esperar deste filme-concerto? E onde poderemos vê-lo?

Tem inéditos e versões bem diferentes das habituais. Vamos deixar em segredo para os leitores quererem descobrir por eles! Está em 70 salas de cinema por todo o país. Em capitaofausto.pt está a lista com todas.

Capitão Fausto
Capitão Fausto

Que "microformas" temos de apoiar o setor da música, além das óbias, neste momento tão trémulo para os artistas?

A compra de merchandise, dos discos, dos vinis, o acompanhar dos artistas e acima de tudo, continuar a ouvir e a assistir. Temos tido uma capacidade de reinvenção e todo o sector tem provado ser maleável e adaptável, mas há sempre limites - precisaremos sempre uns dos outros e o melhor é estarmos juntos, sempre que possível.

É também importante que haja um debate de comunidade, cívico, sobre a importância da cultura nas alturas em que tudo está negro, e que a sua função é não só dar brilho ao presente e ao futuro como justamente ajudar a ultrapassar e a crescer com tudo isto. Há na cultura respostas civilizacionais aos problemas que estamos a ter, e é importante defender o facto de ela ser segura e essencial numa altura em que tudo está tremido. 

Capitão Fausto
Capitão Fausto
Saiba mais Capitão Fausto, Tomás Wallenstein, Entrevista, Sol Posto, Cineconcerto, Filme concerto, Música, Discos, Música Nacional, Artes, Cultura, Bandas Portuguesas
Relacionadas

Paul Mescal, o novo Pierce Brosnan

Depois da sua performance na série Normal People, o ator irlandês Paul Mescal tornou-se um fenómeno ao nível de atores irlandeses tão sedutores como Pierce Brosnan, Colin Farrell, Michael Fassbender ou Cillian Murphy. Só que Mescal é o rosto da nova geração.

Mais Lidas
Futebol Maradona: o triunfo de um homem comum

Astro, deus, génio, os adjetivos nunca farão justiça ao que foi a carreira e a vida de El Pibe. Maradona, o último grande herói do futebol romântico, morreu ontem, na sua Buenos Aires, aos 60 anos. Deixa um legado próprio de ícone pop, mais do que de artista dos relvados.

Artes Ralph Lauren, o designer que construiu um império

Desengane-se quem pensa que Ralph Lauren é apenas um designer de moda. Arquiteto de um império, colecionador de carros clássicos, ícone do estilo e do sonho americano são traços que fazem dele uma personalidade incontornável do século XX e da atualidade. Prestamos-lhe homenagem na boleia da celebração dos 50 anos da sua marca e do seu talento.