Drive

"Fangio: O homem que domava as máquinas"

A Netflix quis prestar uma homenagem a um dos melhores pilotos de todos os tempos e acaba de lançar um documentário sobre a carreira e vida de Juan Manuel Fangio, o terceiro piloto mais titulado de sempre da Fórmula 1.

A carregar o vídeo ...
07 de abril de 2020 | Miguel Dias

documentário, que dura pouco mais de uma hora e meia, aborda toda a carreira do piloto argentino na Fórmula 1, desde o início da própria categoria, em 1950, até à sua surpreendente retirada.

Natural de Buenos Aires, Fangio estreou-se a vencer logo em 1951, ao volante de um Alfa Romeo. Em 1952, já com um Maserati, não foi além do segundo lugar, mas nos anos seguintes não deu hipótese a mais ninguém, vencendo quatro títulos mundiais consecutivos (dois com a Mercedes, um com a Scuderia Ferrari e, por fim, outro com a Maserati).

"El Chueco", como era conhecido, não só venceu cinco títulos mundiais de Fórmula 1 como o fez com quatro marcas diferentes, detalhe que dá ainda mais mérito à carreira deste argentino, que apresenta uma percentagem de vitórias de 47,06%. O mesmo é dizer que venceu quase metade das corridas que disputou. Impressionante!

Mas apesar dos triunfos em pista, que poucos conseguiram igualar ao longo dos anos, para muitos a grande vitória de Fangio foi sobreviver a uma época em que a Fórmula 1 "ceifava" frequentemente a vida aos pilotos. Veja-se, por exemplo, o exemplo de Alberto Ascari, piloto italiano que venceu o mundial de F1 de 1953 e que faleceu pouco depois num acidente no circuito de Monza.

Realizado pela mesma equipa de guionistas do documentário "Senna", "Fangio: O homem que domava as máquinas" reúne depoimentos de caras bem conhecidas do mundo das corridas, como é o caso de Jackie Stewart, Alain Prost, Mika Hakkinen, Fernando Alonso ou Nico Rosberg.

O documentário mostra peças do arquivo pessoal de Fangio que nunca tinham sido vistas antes, entre elas uma onde o argentino fala sobre a sua retirada em 1958, depois de ter vencido quatro mundiais consecutivos.

O documentário
O documentário "Fangio: O homem que domava as máquinas" Foto: D.R.

 Outro dos assuntos abordados neste documentário é o do acidente em que Fangio perdeu o seu co-piloto e pelo qual sempre se culpou. Igualmente surpreendente é perceber a amizade que desenvolveu ao longo dos anos com o brasileiro Ayrton Senna, outro génio sul-americano das corridas. Fangio acabaria por falecer em 1995, um ano depois do seu amigo Senna.

Recorde-se que este documentário resulta de um estudo matemático realizado em 2016, pela Universidade de Sheffield, para determinar quem foi o melhor piloto de Fórmula 1 de todos os tempos. O resultado foi Juan Manuel Fangio, tal como este documentário nos tenta mostrar, mas importa lembrar que desde 2016 Lewis Hamilton já venceu mais três mundiais de F1, elevando a sua conta pessoal para seis, menos um do que Michael Schumacher (7) e mais um do que Fangio (5). Será que esta resposta vai mudar no futuro? Só o tempo o dirá…

Saiba mais Netflix, pilotos, Fórmula 1, Fangio, carreira, documentário
Relacionadas

Belos, fashion e desejados

Carros há muitos. Mas estes são tão desejados, quanto são fashion e entusiasmantes. Aston Martin, Bugatti, Porsche, Audi e Lamborghini. Tudo ao dispor, desde que dinheiro não seja um problema.

Carros que são obras de arte

Elegantes. Voluptuosos. Apaixonantes. Marcantes. Memoráveis. Assim são (ou pretendem ser) estes modelos que lhe vão deixar água na boca.

Os carros que estão (sempre) na moda

Estar na moda pode ser subjectivo. Mas há automóveis que reúnem a beleza e a elegância necessárias para estar in fashion. Na nossa lista há desde um Rolls-Royce inédito até a um BMW sem capota.

Mais Lidas