Viver

Regresso aos escritórios pode ser uma viagem ao passado

Os funcionários que regressam pela primeira vez aos escritórios após terem deixado as suas mesas de forma repentina em março estão a descobrir relíquias de uma vida diferente.

Regresso aos escritórios pode ser uma viagem ao passado
Regresso aos escritórios pode ser uma viagem ao passado Foto: Unplash
11 de agosto de 2020 | Bloomberg

Bilhetes para espetáculos cancelados. Roupas de inverno. Leite fora de prazo há quatro meses. Calendários na folha de março. Jornais amarelados com manchete sobre a "pior queda das bolsas em décadas". São apenas amostras do que os funcionários têm encontrado no regresso aos escritórios pela primeira vez desde que a Covid-19 deu origem a um novo normal.

"Foi como abrir a cápsula do tempo mais tediosa que se possa imaginar", disse Kevin Dorse, um profissional de comunicação em Ottawa, após ir pela primeira vez ao escritório em meses.

Em todo o mundo, escritórios outrora movimentados ficaram desertos quase da noite para o dia no início do ano, devido às ordens de quarentena. Muitos desses espaços ainda estão vazios meses depois. Na última semana de julho, apenas 6,9% dos funcionários tinham regressado aos escritórios em Manhattan geridos pela CBRE Group, a maior empresa de serviços imobiliários comerciais do mundo, segundo um porta-voz da empresa.

À medida que as restrições diminuem, alguns funcionários enfrentam espaços confinados como metros e elevadores e voltam pela primeira vez. E encontram as suas mesas e espaços comuns exatamente como os deixaram em março.

Jennifer Wallner, gestora de eventos do War Memorial Center, em Milwaukee, teve que cancelar um ano inteiro de atividades planeadas para marcar o 75.º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. O evento principal VetFest, agendado para 30 de julho, deveria incluir uma "big band" ao vivo ao estilo da década de 1940, dançarinos de swing, gincanas e muito mais numa praça no Lago Michigan.

Quando voltou ao escritório no início de junho pela primeira vez desde 17 de março, viu grandes caixas de folhetos e 2,5 mil pulseiras de borracha que tinham sido encomendadas como brindes promocionais.

"Foi realmente um murro no estômago", disse. "O nosso ano acabou de passar por todos esses eventos emocionantes que nos entusiasmaram. Seriam ótimos." Ela parou por um momento e refletiu: "E aqui estão numa pilha de lixo".

Michael Arciero, analista de banco de investimento da Oppenheimer & Co., disse que encontrou seis camisas num saco de lavagem a seco na sua mesa no escritório da empresa no centro de Manhattan. Os casacos de inverno ainda estavam pendurados nas cadeiras, disse.

Também existe um componente digital na cápsula do tempo. Alguns funcionários ligaram os seus computadores da empresa e encontraram os mesmos separadores de Internet abertos quando saíram, incluindo alguns lembretes dolorosos sobre a mentalidade da época. Um funcionário da Microsoft que recentemente foi à empresa para levantar algumas coisas descobriu que tinha uma página aberta em março que dizia "15 dias para desacelerar a propagação do coronavírus".

Rebecca Buckman, vice-presidente de marketing e comunicações da Battery Ventures LP, regressou ao escritório em julho. Na receção estavam dois jornais de março, que em manchete ilustravam os dias caóticos que se viveram naquele mês.

Saiba mais Covid-19, escritórios, , bens de consumo, Manhattan, economia, negócios e finanças
Relacionadas
Mais Lidas
Viver T2 no centro de Lisboa a €250? Em breve vai ser possível

O projeto de regeneração da Rua de São Lázaro vai colocar imóveis T0 a T2 modernos, com rendas acessíveis que variam entre os €100 e os €350. A requalificação da rua visa também a criação de uma zona residencial de qualidade, que tenha espaços públicos favoráveis.