Viver

Fortuna de Zuckerberg já ultrapassou os 100 mil milhões

O fundador do Facebook junta-se a Jeff Bezos e Bill Gates no clube dos chamados 'centibilionários'.

Mark Zuckerberg
Mark Zuckerberg Foto: Reuters
07 de agosto de 2020 | Bloomberg

O património líquido de Mark Zuckerberg ultrapassou os 100 mil milhões de dólares pela primeira vez na última quinta-feira, depois das ações do Facebook atingirem um recorde graças lançamento do Reels, concorrente do TikTok.

O executivo de 36 anos chega, assim, ao patamar dos titãs da tecnologia Jeff Bezos e Bill Gates, as únicas pessoas no mundo atualmente com status de centibilionários, de acordo com o Índice de Bilionários da Bloomberg. A fortuna de Zuckerberg vem em grande parte de sua participação de 13% no Facebook.

Os fundadores das maiores empresas de tecnologia dos Estados Unidos da América aumentam as suas fortunas a um ritmo alucinante este ano, beneficiados pelo facto da pandemia do novo coronavírus ter aumentado as audiências onlune. Ao mesmo tempo, a economia dos EUA encolheu ao ritmo mais rápido já registado. Zuckerberg ficou cerca de 22 mil milhões de dólares mais rico neste ano, enquanto Bezos aumentou sua fortuna em mais de 75 mil milhões.

Os números surpreendentes colocam as chamadas empresas de Big Tech sob crescente escrutínio. Zuckerberg, Bezos, Tim Cook, CEO da Apple, e Sundar Pichai, diretor da Alphabet, dona do Google, participaram numa audiência no Congresso dos EUA em julho para se defenderem das alegações de que seu poder e influência já foi longe demais.

As cinco maiores empresas de tecnologia dos EUA - Apple, Amazon.com, Alphabet, Facebook e Microsoft - têm atualmente avaliações de mercado equivalentes a cerca de 30% do PIB dos EUA, quase o dobro do final de 2018.

O senador dos EUA Bernie Sanders planeia introduzir legislação para tributar o que descreve como ganhos "obscenos" durante a crise do novo coronavírus. O "Make Billionaires Pay Act" tributaria 60% do aumento no património líquido dos ultrarricos de 18 de março até o fim do ano e usaria a receita para cobrir despesas de saúde dos americanos.

Zuckerberg, que fundou o Facebook no seu dormitório na Universidade Harvard em 2004, disse que planeia doar 99% das suas ações no Facebook ao longo da vida.

Mesmo fora dos EUA, os gigantes da tecnologia estão entre os maiores vencedores deste ano. Pony Ma, CEO da Tencent, ganhou 17 mil milhões de dólares, elevando sua fortuna para mais de 55 mil milhões, enquanto o património de Colin Huang, da Pinduoduo, aumentou 13 mil milhões. Na Índia, Mukesh Ambani ficou 22 mil milhões mais rico. A unidade digital da Reliance Industries, controlada pelo magnata indiano, atraiu investimentos de empresas como Facebook e Silver Lake. A sua fortuna soma chegou aos 80,3 mil milhões de dólares.

Saiba mais Jeff Bezos, TikTok, Mark Zuckerberg, Facebook, Reels, EUA, Apple, economia, negócios e finanças
Relacionadas
Mais Lidas
Viver "A Airbnb precisa de mudar. Temos de regressar ao essencial"

A Airbnb sofreu um golpe de mil milhões de dólares com a pandemia — enquanto enfrentava acusações de fomentar o aumento das rendas e incentivar o turismo excessivo. O seu cofundador, Brian Chesky, conversou com John Arlidge sobre como a sua empresa perdeu o rumo — e o que vai fazer para retomá-lo.