Viver Anos dourados, as festas que ninguém esquece

Tendo como ponto de partida “a maior festa do mundo” dada pelo Xá da Pérsia, em 1971, recordamos as que foram oferecidas por grands seigneurs nos anos 60 e 70, nesta época em que se festeja a passagem do ano. Ao refinamento de antes sobrepôs-se a riqueza, ao chique o novo-riquismo, à imaginação o trivial, à exclusividade a mundanidade e ao bom gosto a quase vulgaridade. As verdadeiras grandes festas esfumaram-se. Mas não na nossa memória.

Moda Gentlemen’s Club? Donald Trump não entra!

Por mais poderoso que seja, o atual Presidente dos EUA nunca poderá fazer parte deste clube de cavalheiros. A sua declarada falta de estilo, a par com uma personalidade agitada colocam-no a milhas deste elegante grupo de homens. Retrato não oficial das lendas que nos inspiram, da boémia de Kerouac à sofisticação contida dos Kennedy.

Artes Os magnatas da Arte

Por detrás de um grande artista há, quase sempre, um grande mecenas. E, felizmente, os “Donos Disto Tudo” na Arte, desde Rockefeller a Gulbenkian, optaram por deixar um legado que todos podem admirar.

Sabores Being Joaquim de Almeida

A Must manteve uma conversa com o ator português mais internacional por ocasião da celebração dos 150 anos do champanhe Moët Impérial. Entre memórias e copos desse champanhe se passou a tarde que antecedeu a festa mais glamorosa da temporada.

Conversas Ian Schrager, o rei da noite que acabou atrás das grades

O Studio 54, a mais famosa discoteca de sempre, não enchia apenas em tempo de férias. Foi uma roda-viva todo o ano e durante anos. Ian Schrager, tal como o sócio Steve Rubell, enriqueceu como “rei da noite” de Nova Iorque com a discoteca a abarrotar de celebridades, desde Warhol a Jagger. Com mais de 70 anos, Schrager relembra o apogeu do Studio 54 e por que razão acabou numa cela da prisão.

Viver O novo homem Alfa

Ser homem, hoje, já não é o que era? E que sentido tem a masculinidade? Do cinema à moda, do desportista ao gentleman, do intelectual ao rebelde ou do político ao dandy, tudo isso mudou. Para melhor? Provavelmente.