Prazeres / Lugares

O polémico hotel de luxo na Suíça que oferece um serviço Covid-19

Se optar por 14 dias no Le Bijou pode gastar até 25200 euros só com a dormida. Mas se quiser incluir testes ao novo coronavírus e consultas médicas o valor sobe. As reservas continuam a aumentar.

Foto: Le Bijou
27 de março de 2020 | Aline Fernandez

O que o dinheiro não compra? Há muitas respostas a esta pergunta e esta é uma delas. Na Suíça parece que nem o avanço da pandemia do novo coronavírus refreou o hotel de luxo Le Bijou, em Zurique, a encerrar as portas. Muito pelo contrário: está a funcionar e lançou um novo pacote, o Serviço Covid-19. Além da estada, que varia entre os 700 euros e os 1800 euros por noite, os hóspedes podem escolher serviços extra como testes ao novo vírus por cerca de 450 euros.

Em entrevista ao jornal Washington Post, o cofundador e diretor-executivo do Le Bijou, Alexander Hübner, afirmou que as receitas caíram significativamente no início de março, como foi registado em quase todo o setor hoteleiro pelo mundo conforme a pandemia do novo coronavírus foi avançando pelo globo. Ao contrário de muitos hotéis – até o histórico Ritz, em Lisboa, encerrou as portas após 60 anos sempre aberto e juntou-se à lista de hotéis que fecharam temporariamente "por precaução e em resposta à atual situação do Covid-19" – o luxuoso Le Bijou resolveu lançar uma oferta diferente.

O objetivo foi adequar-se aos pedidos de clientes que gostariam de se resguardar do contágio do novo vírus sem ter de recorrer aos hospitais. Até o momento da publicação deste artigo, a Suíça é o oitavo país no mundo com mais pessoas infetadas, com 11952 casos detetados e 197 mortes. Para criar um isolamento de luxo, outros complementos oferecidos pelo Le Bijou incluem check-in automático para que os novos hóspedes não precisem de entrar em contacto com ninguém na receção. E ainda serviços médicos personalizados no quarto, como cuidados de enfermagem duas vezes ao dia por até 1600 euros ou até aos 4300 euros por 24 horas, serviços estes realizados por uma clínica de saúde privada.

A estada no Le Bijou varia entre os 700 e os 1800 euros por noite
A estada no Le Bijou varia entre os 700 e os 1800 euros por noite Foto: Le Bijou

"No começo, tínhamos apenas duas reservas por dia", partilhou Alexander ao Washington Post. "Agora, aumentámos para quatro, cinco, seis por dia, e começámos, acho, há uma semana ou dez dias." E as comodidades das 42 unidades do hotel não se resumem a serviços médicos, já que o Le Bijou – como é obviamente de se esperar – não está a motivar pessoas infetadas com o Covid-19 que se tratem por lá. O aconselhamento é o mesmo do Governo suíço e da Organização Mundial da Saúde: quem estiver doente deve ficar em quarentena. Portanto, aos que estão bem de saúde e querem aproveitar o tempo num quarto de luxo, com jacuzzi, ginásio e lareira, o hotel também oferece um serviço de entrega de comida com refeições confecionadas por um chef.

A única "chatice" é que, ao cumprir as normas de higiene e seguranças impostas no país, os serviços de limpeza diários não estão incluídos durante a estada, já que o quarto pode apenas ser limpo antes e depois da saída dos hóspedes. Mas se for organizado e limpo (além de rico), isso não será um problema.

Um quarto no hotel de luxo Le Bijou com jacuzzi e lareira
Um quarto no hotel de luxo Le Bijou com jacuzzi e lareira Foto: Le Bijou

 

Saiba mais hotel, Suíça, serviço, Covid-19, coronavírus, Le Bijou
Relacionadas

Depois da Covid-19, diga adeus às cidades como as conhece

As cidades são epicentros de novo capital e criatividade, dado que a proximidade gera novas ideias e oportunidades. No entanto, todas as pandemias da história deixaram a sua marca na vida urbana, e o novo coronavírus já o está a fazer.

FORA DO MAPA *crónica de viagem

Há muito tempo que não tinha tanta dificuldade para encontrar a primeira frase de uma crónica. Comecei por escrever “São tempos difíceis, estes”, alterei para “São tempos difíceis para escrever sobre viagens”, tentei uma série de outras opções em tudo semelhantes, mas nenhuma me satisfez, não só porque lhes faltava força, como pareciam feridas por uma certa ligeireza.

1918 ou 2020? As história repete-se nestas imagens da pandemia

Déjà vu. Apesar da pandemia do novo coronavírus ser nova há similaridades indissociáveis com a gripe espanhola de 1918. Mais de um século depois, as máscaras faciais ficam registadas nas fotografias tanto da pandemia anterior — que se estima ter matado até 50 milhões de pessoas —, quanto da nova, que já levou a vida de mais de 253 mil pessoas. Veja as semelhanças assustadoramente infelizes.

Mais Lidas
Lugares Um paraíso a sudoeste do Algarve

No Memmo Baleeira, em Sagres, reunem-se todas as condições necessárias para um detox citadino. Mergulhar no oceano pela manhã, apreciar um jantar na esplanada do restaurante Fornaria com um cocktail à altura da vista e ver o nascer do sol na piscina são momentos incontornáveis.

Lugares “Esquecemos as crises demasiado facilmente”

No Craveiral Farmtable, Alexandre Silva é um chef com os pés na terra e a felicidade nos olhos. Neste restaurante da horta para a mesa, no turismo rural com o mesmo nome, em São Teotónio, cozinha-se a Natureza e um futuro mais sustentável.