Estilo / Moda

Livro revela trajetória polémica (e de sucesso) de Steve Madden

Às 6h do dia 20 de junho de 2000, a polícia e agentes federais com equipamentos de choque entraram no apartamento do designer Steve Madden, na Mercer Street, em Nova Iorque, com um mandado de captura.

Foto: Getty Images
10 de setembro de 2020 | Bloomberg

Madden, então com 40 e poucos anos, foi implicado no escândalo financeiro da empresa Stratton Oakmont, que será familiar a qualquer pessoa que tenha visto o filme "O Lobo de Wall Street", de Martin Scorsese. Quando lhe perguntaram, explica Madden, ficou "contente" em comprar e vender ações no dia da [oferta pública inicial] de uma empresa, e ganhar rapidamente de 20 mil a 40 mil dólares para investir no negócio, escreve Madden nas suas memórias, a serem publicadas no livro "The Cobbler: How I Disrupted an Industry, Fell from Grace & Came Back Stronger Than Ever" (Radius Book Group, 27 dólares; 13 de outubro), que este escreveu com Jodi Lipper.

Numa das muitas reviravoltas do destino que "apimentam" o seu livro, Madden [conta que] não estava no seu apartamento no dia em que o FBI foi prendê-lo. Ele estava alguns andares acima, num segundo apartamento que tinha alugado no mesmo prédio, e dormiu durante toda a ocorrência. "Foi provavelmente a melhor noite de sono que eu tive em vários anos", escreve.

"The Cobbler", que significa sapateiro e, na verdade, é um apelido que o fundador da Stratton Oakmont, Jordan Belfort, deu a Madden, é uma combinação ocasionalmente dissonante de um livro de "auto-ajuda", um mea culpa de 12 passos, com uma narrativa triunfante que afirma com clareza: "eu construi isto".

Modelo Slinky da coleção de Steve Madden em 1994.
Modelo Slinky da coleção de Steve Madden em 1994.

Embora muitas das lições introspetivas de Madden não sejam esclarecidas, na melhor das hipóteses, a lição dos seus 2 anos e meio de prisão, são: "Eu estraguei tudo, paguei o meu preço e acho que tive que seguir esse caminho para chegar onde estou agora". O livro é um valioso manual, muitas vezes fascinante, da ascensão de um homem à riqueza. Se Horatio Alger fosse transportado para a década de 1990 e desse às suas personagens um vício de ópio, essa também poderia ser a sua história.

A verdade é que a carreira de Madden começou de forma nada auspiciosa. Madden, o mais novo de três irmãos de uma família infeliz da classe média, a caminho do alcoolismo quando deixou a faculdade, conseguiu emprego como vendedor porta a porta para uma empresa de calçado chamada L.J. Simone, fundada por um dos seus amigos de infância. "Havia um problema", escreveu. "Eu tinha tirado a carta de motorista aos 16 anos, mas perdi-a na altura em que comecei a trabalhar na L.J. Simone porque tinha muitas notificações da polícia", escreve em referência às multas por conduzir embriagado.

Além disso, continua, "conduzia mal para começar, mas tenho vergonha de dizer que também estava alcoolizado quase o tempo todo, mesmo quando estava a conduzir".

Entre um dos seus muitos exemplos de charme, ousadia ou força de vontade, Madden não só teve sucesso como vendedor porta a porta sem carta, como também foi capaz de usar os seus conhecimentos para abrir a sua própria empresa de calçado, alguns anos depois.

Madden ficou sóbrio em 1989 (com várias recaídas na década seguinte) e rapidamente demonstrou uma aptidão que roçava a genialidade para criar sapatos para o espírito da época. "Eu recebia inspiração de tudo à minha volta".

No início da década de 1990, "havia marcas de luxo e de alta costura e marcas de descontos mais baratas", diz Madden no livro. "As duas eram totalmente separadas, e parecia que não havia nada entre elas. Os meus sapatos ocupavam aquele espaço e atraíam raparigas da Geração X que não podiam pagar ou não queriam usar os estilos que viam nas revistas de moda."

Steve Madden a limpar a sua primeira loja, em 1993.
Steve Madden a limpar a sua primeira loja, em 1993. Foto: Steve Madden

Steve Madden abriu a sua primeira loja independente em 1993, quando tinha 30 e poucos anos, o que nos leva de volta a Stratton Oakmont. Madden foi apresentado a Belfort por meio de outro amigo de infância e recebeu 500 mil dólares de "alguns homens da Stratton" como investimento inicial.

Em seguida, a Stratton levou a empresa de Madden à bolsa com 3 milhões de ações "avaliadas em 15 milhões de dólares, uma quantia verdadeiramente ridícula para uma empresa com uma loja e alguns pares de sapatos populares", escreve Madden. E ainda, continua, "se alguém comprasse ações da Steve Madden naquele dia, mesmo com o preço inflacionado, e ficasse com elas, seria muito rico hoje".

Além de mencionar que os seus novos milhões foram como "ganhar a lotaria", Madden não reflete sobre as vantagens do sucesso. Aliás, diz que nunca gastou dinheiro em nada além da empresa; e só se descobre que ele tem uma casa nos Hamptons apenas quando menciona, como um aparte, que a colocou como garantia para cobrir sua fiança de  750 mil dólares quando foi preso.

Em 2001, confessou-se culpado de acusações de fraude em valores mobiliários e lavagem de dinheiro relacionadas a operações irregulares com duas firmas financeiras distintas.

Até então, Madden teve recaídas várias vezes, embora tenha substituído o álcool por Vicodin. Mas, embora Steve Madden estivesse a ir-se abaixo a título pessoal, a empresa Steve Madden mostrava melhor desempenho do que nunca. No final de 2005, ano em que Madden saiu da prisão, a empresa tinha mais de 100 lojas apenas nos Estados Unidos.

Madden dá crédito a seus funcionários e ao seu talento como executivo, pelas conquistas da empresa. "As reuniões de maior sucesso são aquelas em que uma grande decisão é tomada e cinco pessoas diferentes saem da sala pensando que foi ideia delas", diz. 

Um anúncio dos anos noventa.
Um anúncio dos anos noventa. Foto: Steve Madden

E assim, apesar de relatos segundo os quais ele grita com funcionários, joga o telefone contra a parede repetidamente e "testa" um possível novo funcionário exigindo que ele volte mais cedo das férias para uma entrevista, Madden aparece como um gerente de nível executivo improvavelmente eficaz.

No final do livro, porém, o quanto das suas realizações pode ser creditado à sorte é uma questão em aberto.

Mesmo quando o filme "O Lobo de Wall Street" foi lançado, Madden conseguiu tirar vantagem. "O filme também aumentou o conhecimento da nossa marca entre homens jovens e elevou o reconhecimento do nosso nome", escreveu. "Ninguém pareceu usar os meus erros contra mim."

Saiba mais Steve Madden, Biografia, Vida, Moda, Designer, Calçado, Martin Scorsese, Stratton Oakmont, How I Disrupted, Industry, Fell from, Back Stronger Than Ever, Radius Book Group, Jodi Lipper, Jordan Belfort, Simone, Stratton
Relacionadas

O infalível look de surfista

O poder terapêutico do oceano para o stress e a ansiedade é reconhecido e em tempos de pandemia o surf tornou-se um aliado da moda e não só.

Xeque-mate

As tramas do xadrez voltaram a ganhar destaque nos desfiles para o Inverno em casacos, fatos, camisas, parkas e acessórios. Com uma interpretação mais versátil, em versões formais ou de streetwear, este clássico pode ser usado conjugado entre si ou em look total.

Boxers à vista

Os calções deste verão assumem tamanhos e padrões que fazem lembrar as boxers que normalmente estão escondidas por baixo das calças. A tendência, que relembra os calções dos anos 50, também chegou aos fatos de banho, agora em versões mais curtas e coloridas. Tudo em nome de um verão mais divertido e descontraído.

As 7 coleções que vão marcar o outono

As novidades de pre-fall estão a chegar às lojas, por isso escolhemos as propostas que são o exemplo perfeito do que é a moda masculina hoje. Tudo pode ser conjugado e reinventado, o sportswear pode ser formal e a roupa descontraída pode ser usada à noite.

Mais Lidas
Moda Os ténis mais desejados do momento

Alguns designers associaram-se a grandes marcas de desporto como a Sacai com a Nike, Junya Watanabe com a New Balance e os designers Craig Green e Wales Bonner com a Adidas. Outros lançaram os seus próprios modelos que nem por isso são menos cool.